Os números podem ser chatos e entediantes, concordo. Mas eles têm um poder único: representam facilmente aquilo que muitas vezes um artigo inteiro não consegue detalhar através de letras e palavras. Serei breve, mas serei direto. Segundo dados do Serasa, entre 2004 e 2006, as 43,3 mil empresas cadastradas aumentaram em 6,4% seu faturamento. Já o faturamento (dinheiro de intermediações) dos 50 maiores bancos do país subiu 41% no mesmo período, segundo o Inepad (em pesquisa publicada no jornal Folha de S. Paulo). Como assim?

Entra em cena o spread, ou spread bancário, que é a diferença entre o que o banco paga para captar dinheiro e a quanto ele empresta esse mesmo recurso a terceiros (empresas, pessoas etc). Ainda que a taxa básica de juros (SELIC) tenha caido de 19,75% para 13% entre setembro de 2005 e fevereiro passado, o spread mexeu-se pouco, indo de 29,4% para 27,6%. Deixando de lado o “economiquês”, isso significa que os bancos ainda cobram caro para emprestar dinheiro, ainda que os custos para adquiri-lo tenham baixado bastante. Ou seja, eles continuam faturando (e muito) com nossa insistência em financiar e usar dinheiro dele emprestado. Que tal começar a usar mais o pagamento à vista? A Bia, do blog Mercado & Malagueta, deixa sua opinião sobre crédito e empréstimos.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários