06 ago Economia

A Classe Média e o novo Brasil

A FGV – Fundação Getúlio Vargas – divulgou, ontem (05/08), estudo em que mostra que a Classe C, a chamada classe média, representa atualmente 51,89% da população economicamente ativa. Há exatamente 6 anos, o índice de representatividade dessa mesma classe era de 44,19%. O bom momento da economia brasileira, que apresentou, nos últimos anos, um […]

por Ricardo Pereira
há 6 anos

A nova classe médiaA FGV – Fundação Getúlio Vargas – divulgou, ontem (05/08), estudo em que mostra que a Classe C, a chamada classe média, representa atualmente 51,89% da população economicamente ativa. Há exatamente 6 anos, o índice de representatividade dessa mesma classe era de 44,19%. O bom momento da economia brasileira[bb], que apresentou, nos últimos anos, um crescimento robusto e sustentado, começa a aparecer através dos números.

O que se extrai de concreto do resultado da pesquisa é a melhora consistente na distribuição de renda no país, resultado do crescimento econômico. As mudanças são reflexo do surgimento de inúmeras vagas de trabalho, além do próprio esforço particular das pessoas em buscar melhor qualificação e, assim, garantir acesso a melhores oportunidades. Isso também se reflete nas finanças pessoais[bb] e no trato familiar.

A Classe C (média) tem como base uma renda entre R$ 1.064,00  e R$ 4.591,00. Todavia, a média gira em torno de R$ 1.200,00. Percebe-se, ao analisar a pesquisa, que toda uma cadeia produtiva começa a se beneficiar com essa classe média “vitaminada” que surge no Brasil. Afinal, são milhares de novos e vorazes consumidores surgindo todo mês, consumindo celulares, televisores, automóveis e etc.

Essa nova classe média descobre, aos poucos, as possibilidades oriundas do aumento de poder de compra. Mais, descobrem um mundo novo e alimentam um futuro melhor através da chance de guardar dinheiro. O resultado recorde da captação em caderneta de poupança nos mês de julho – ainda o investimento[bb] mais buscado pelas pessoas de renda mais baixa – se expressa em valores e no sentimento de poupar:

“As cadernetas de poupança encerram o mês de julho com captação líquida positiva de R$ 1,984 bilhão, ultrapassando a marca histórica de R$ 251,030 bilhões, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, dia 6, pelo Banco Central. O resultado de julho, com depósitos totais que somaram R$ 101,671 bilhões e superaram os saques de R$ 99,687 bilhões, foi o melhor do ano. Houve, ainda, o rendimento de R$ 1,480 bilhão dos depósitos já existentes” (Fernando Nakagawa- Agência Estado)

Como curiosidade, publicamos o resumo das classes presentes no Brasil, de acordo com o levantamento mensal de empregos do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística:

  • Classe E: Renda de R$ 0 a R$ 768,00
  • Classe D (Remediados): Renda de R$ 768,00 a R$ 1.064,00
  • Classe C (Média): Renda de R$ 1.064,00 a R$ 4.591,00
  • Classes A e B (Elite): Renda acima de R$ 4.591,00

Muito ainda por fazer
Vale ressaltar que ainda temos muito que fazer e não só comemorar os resultados. Podemos começar pela renda média básica de R$ 1.200,00, que ainda é ínfima se comparada aos valores dos gastos e dos impostos que pagamos.

A ineficiência do governo em garantir os serviços mínimos e necessários, como saúde e educação, transfere para as pessoas tais responsabilidades, o que implica em mais gastos familiares. Ou seja, em muitas ocasiões pagamos caro (duas vezes) por muitos serviços.

O exemplo da educação
Definitivamente, a renda média do brasileiro ainda é pequena. O caminho para se mudar este cenário, em médio prazo, é o investimento pesado em educação. Temos alguns bons exemplos de sucesso mundo afora – Coréia do Sul, China e Austrália – que conseguiram reverter fardos e insucessos econômicos antigos graças a esse diferencial educacional.

A saúde financeira, não é nenhuma novidade, esta diretamente ligada à educação. Quanto mais estivermos preparados intelectualmente, mais rápido descobriremos o planejamento financeiro[bb], passando a encarar o consumo como fim e não como meio. Até sexta-feira.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira

Educador financeiro, palestrante, Sócio do Dinheirama é autor do livro "Dinheirama" (Blogbooks), trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama. No Twitter: @RicardoPereira

Leia todos os artigos de Ricardo Pereira
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • http://vitorpamplona.com Vitor Pamplona

    Oi Ricardo.

    Uma dúvida que tive quando saiu esta pesquisa é a maneira como a FGV (ou o IBGE) atualizou os valores determinantes das faixas entre 2002 e 2008. Dependendo do índice que ela usou e, como a média da classe C é baixa, talvez o maior responsável por esse aumento seja a alta natural de preços e salários ano após ano.

    Ou seja, a economia brasileira teve realmente méritos para comemorar a pesquisa ou o governo está apenas se aproveitando de um número que, sem nenhuma política social, seria alcançado?

  • http://dinheirama.com Ricardo Pereira

    Olá Vitor, obrigado pela participação.

    Você tem razão, não ficou clara a forma como foi conduzido estudo pela FGV, obviamente a credibilidade da Fundação Getúlio Vargas fala por sí e contra isso não existem pormenores.

    Quanto a questão do Governo se aproveitar de um dado, não temos como negar que existem sim bons motivos para ficarmos otimistas com a noticia de mais pessoas deixarem a faixa de pobreza absoluta e terem aumentado o poder de compra. Existem mais empregos, além dos projetos sociais que de certa forma também contribuirão para o resultado.

    O que é importante é saber que existe muito a se fazer, mas ao menos o caminho correto já esta claro.

    Forte abraço.

  • Kelly Schmidt

    Eu não acho que a renda do brasileiro é baixa, ela só é mal distribuida

  • Michelle

    Olá Ricardo.
    Sou estudante de uma universidade e estou fazendo um trabalho sobre “as mudanças da família e suas implicaões no contexto da economia familiar.”
    Li o artigo publicado na revista Època deste mês,sobre a pesquisa realizada pela FGV,achei interessante,mas se possível gostaria que me mandasse mais algumas coisas para que eu possa acrescentar em meu trabalho.
    Desde já agradeço a sua atenção.

  • Ana beatriz

    Isso e questao de ponto de vista q e muitos pra uns e pouco pra outros