20 ago Economia

Brasil, a economia, os investimentos e o futuro

Apesar do momento de forte instabilidade no mundo econômico, sempre defendi a idéia de que o Brasil conseguiu, nos últimos anos, construir uma base econômica razoavelmente sólida. Exemplo maior de isso é a forma como estamos atravessando a crise mundial – sem grandes abalos. O cenário para o futuro, dentro de um horizonte de gradual […]

por Ricardo Pereira
há 6 anos

Brasil, a economia e o futuroApesar do momento de forte instabilidade no mundo econômico[bb], sempre defendi a idéia de que o Brasil conseguiu, nos últimos anos, construir uma base econômica razoavelmente sólida. Exemplo maior de isso é a forma como estamos atravessando a crise mundial – sem grandes abalos.

O cenário para o futuro, dentro de um horizonte de gradual crescimento, pode transformar o país no 5º maior mercado consumidor até 2030, segundo estudo divulgado pela Ernest Young e a área de projetos da Fundação Getúlio Vargas. O estudo foi elaborado a partir do poder de compra estabelecido no ano passado, quando o dólar flutuava entre R$ 1,80 e R 2,00.

Sendo assim, o poder de mercado deverá avançar US$ 1,067 trilhão, para US$ 2,507 trilhões. Claro que para o leitor mais atento, algumas questões passam a ser relevantes. Uma delas se destaca: o que o aumento do consumo representará para uma economia em desenvolvimento, como a nossa?

É importante salientar que esse mesmo estudo projeta um crescimento no PIB de 150% no mesmo período, chegando a US$ 2,4 trilhões em 2030, deixando para trás os US$ 963 bilhões do ano passado.

Dentro desse cálculo, é possível projetar um PIB per capita duas vezes maior no final do período, saltando de US$ 5.092 mil em 2007 para US$ 10.269 mil em 2030 (cenário mais conservador). Em uma análise mais otimista, as projeções levam o crescimento médio do PIB para 4,6%, o que proporcionaria um PIB per capita de US$ 11.638 mil.

Chega de economês!
Ufa! Na verdade, a grande sacada que os números apresentam sobre a perspectiva brasileira é a dose maior de otimismo e esperança naquilo que todos, de uma maneira ou de outra, experimentam no país: a estabilidade econômica[bb] surgida apos a adoção do Plano Real em 1994. Existe, ainda, um longo caminho a percorrer, mas hoje ele é visível.

O crescimento sustentado de 4% ao ano no PIB – ou quem sabe de 4,6%, dado da projeção otimista – fará com que a soma das riquezas do Brasil seja quase equivalente à economia do Japão. O futuro nos reserva grandes supresas. Tomara que elas sejam também generosas e inteligentes.

O brasileiro não desiste nunca!
Não se permita esmorecer em momentos de crise. Faça bom uso dos resultados que sempre surgem com os momentos difíceis: as lições. Lições de como se comportar em períodos onde os desafios se tornam maiores e mais compensadores. O Brasil parece ter aprendido e quer ir mais longe. Não é isso que buscamos também com nossos investimentos[bb]?

É verdade que não é fácil trabalhar lidando com os números. Muitas pessoas ainda passam por enormes dificuldades e praticamente vivem à margem desse outro Brasil que surge, ou melhor, ressurge como grande potencia econômica. Para esses, o caminho continuará árduo.

A ascensão e acesso às novas possibilidades se dará também a partir da vontade própria e investimento no futuro profissional. Traduzindo: oportunidades surgirão para quem estiver preparado. Como eu disse, o caminho ainda é longo, mas agora mais plausível.

O futuro…
2030 pode parecer um futuro distante, mas só quando se observa de longe, de fora, de forma desinteressada. Nós podemos e devemos participar ativamente desse espetáculo chamado Brasil. E, de preferência, como protagonistas, personagens principais.

Assim, o tempo passará cada vez mais rápido e as vantagens serão enormes para quem estiver preparado e disposto a viver o desafio desde o seu começo. Você embarca nessa comigo? Até sexta.

——
Ricardo Pereira é consultor financeiro, trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama.
Quem é Ricardo Pereira?
Leia todos os artigos escritos por Ricardo

Crédito da foto para stock.xchng.

Ricardo Pereira

Educador financeiro, palestrante, Sócio do Dinheirama é autor do livro "Dinheirama" (Blogbooks), trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama. No Twitter: @RicardoPereira

Leia todos os artigos de Ricardo Pereira
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.