01 dez Ações e Derivativos

Insiders, informações privilegiadas e o mercado de ações

Anderson comenta: “Navarro, percebi que é muito comum notar, especialmente em tempos de crise, notícias sobre negócios realizados na bolsa de valores através de informações privilegiadas. O termo insider é amplamente usado pela mídia e por livros da área, mas confesso que não compreendo bem a lógica de suas operações. Investidores assim ganham por ter […]

por Conrado Navarro
há 6 anos

Insiders, informações privilegiadas e o mercado de açõesAnderson comenta: “Navarro, percebi que é muito comum notar, especialmente em tempos de crise, notícias sobre negócios realizados na bolsa de valores através de informações privilegiadas. O termo insider é amplamente usado pela mídia e por livros da área, mas confesso que não compreendo bem a lógica de suas operações. Investidores assim ganham por ter acesso antecipado a certas informações? Existem outras formas de manipular cotações e preços de ativos? Há fiscalização? Muito obrigado”.

Tratar da negociação de ativos é uma questão muito interessante. Enquanto a grande maioria dos investidores “compra e vende empresas”, muitos preferem “comprar e vender notícias”. Se há que as compre, é porque também existem aqueles interessados em vendê-las. Isso nos remete a um importante conceito inerente ao mercado de ações[bb] e à negociação de títulos: a Hipótese de Eficiência do Mercado, ou simplesmente HEM.

Deixando o “economês” de lado, a HEM está baseada na afirmação de que a cotação de uma ação reflete as informações disponíveis sobre a empresa que a emitiu. Segundo Fama (1970), três condições são suficientes para que a HEM se verifique na prática:

  1. Inexistência de custos de transação nas negociações de títulos;
  2. Disponibilização de todas as informações sem custos para todos os participantes do mercado;
  3. Concordância geral de expectativas entre os investidores, quanto aos efeitos das informações sobre os preços atuais das ações, assim como sobre suas distribuições futuras.

Perceba que tais condições, e conseqüentemente a verificação da HME, dificilmente são encontradas. Destaque essencial para o item 3, que pressupõe concordância e racionalidade entre investidores e negociadores de ativos. Como e onde ficam as reações emocionais, o medo e as decisões tomadas em meio a situações de grande volatilidade?

HEM e as informações privilegiadas
A rápida conceituação sobre a Hipótese de Eficiência de Mercado (HEM) é importante para que possamos compreender a obscura tática utilizada por investidores[bb] e analistas cujo interesse é manipular o sistema. Ora, se um dos pressupostos de justiça na negociação de ativos é a universalização da informação, usar informações privilegiadas significa trapacear, certo? Claro!

Mas, como assim? É simples. Suponha que duas empresas de capital aberto estejam negociando uma fusão. Enquanto a negociação é sigilosa – ou seja, a maioria dos participantes do mercado não sabe de nada -, apenas executivos e diretores tratam da questão. Se o desenrolar da conversa for positivo (a fusão estiver mesmo saindo), tais pessoas podem decidir comprar muitos papéis da empresa antes de divulgar a notícia da fusão ao mercado.

Eles montam suas posições, anunciam a mudança e ficam à espera de uma grande valorização, o que geralmente acontece. Trata-se de uso de informações privilegiadas, ferindo o princípio de acesso da informação por todo o mercado em um mesmo momento. Então, a discussão recai sobre outra questão: mas, o que é uma informação relevante, capaz de ser caracterizada como parte de uma mudança artificial das cotações? A CVM responde:

“Informações relevantes, doutrinariamente, são aquelas que podem influir de modo ponderável na cotação dos valores mobiliários de emissão da companhia, afetando a decisão dos investidores de vender, comprar ou reter esses valores”

Ora, mas se um diretor ou presidente de empresa sabe, por conta de detalhes internos da empresa e que passam por sua anuência, que a empresa sofrerá forte desvalorização, ele não pode simplesmente liquidar suas posições particulares e pular fora? Não, não pode. Parece simples, mas não é. A CVM tem uma força-tarefa que investiga compra e venda de ações[bb] em períodos de crise ou fusões, que também age quando vê um enorme volume de operações por parte de participantes relevantes do mercado. Acompanhe alguns casos:

Outras formas de manipulação
Existem ainda pelo menos outras duas formas de tentar manipular as cotações de ativos e ações, além do uso indevido de informações privilegiadas:

  • “Espuma”: Trata-se da divulgação de informações não verificadas e não confirmadas sobre determinadas empresas, com o único objetivo de tentar manter os preços em uma tendência ou simplesmente revertê-la;
  • Análises propositalmente erradas: Trata-se do uso de má fé por parte de analistas e instituições, indicando informações e recomendações artificialmente criadas a partir das “espumas” ou de interesses próprios. Segundo Luís Nassif, isto se dá principalmente pela falta de parâmetros para analisar tanto o desempenho de empresas da nova economia como de economias emergentes.

Pois é, segundo a CVM manipular informações e usá-las para ganhar mais (ou perder menos) é um ato ilícito e que merece severa punição. Infelizmente, em um mercado longe da eficiência (HEM), repleto de atitudes emocionadas e só explicadas através da moderna psicologia, descobrir tais fraudes nem sempre é fácil. Pena. Enfim, Hoje aprendemos mais sobre esta realidade. Que o novo conhecimento seja útil para sua formação de investidor. Útil no bom sentido, claro!

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “investir dinheiro,investidor,bolsa de valores,mercado de ações,TV LCD,PC”;
bb_width = “600px”;
bb_limit = “6”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro

Educador financeiro, tem MBA em Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor dos livros "Dinheiro é um Santo Remédio" (Ed. Gente), “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec) e "Dinheirama" (Blogbooks), autor do blog "Você Mais Rico" do Portal EXAME e colunista da Revista InfoMoney. No Twitter: @Navarro.

Leia todos os artigos de Conrado Navarro
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • Alfredo Ritche Kockers

    E são esses caras que tiram os dinheiros dos TROXAS que continuam aqui com a papagaiada do “estou nessa para o longo prazo” e perderam metade do dinheiro que ganharam trabalhando uma vida toda.

    E o dinheirama não acha ruim.

  • Valdir Leonardo Welter

    Olá,
    Meu nome é Valdir, estou realizando o trabalho de final de curso na Universidade de Brasília, o qual versará sobre a influência das notícias veiculadas na mídia sobre o mercado de ações, especificamente sobre o mercado de opções.
    Assim, tenho algumas perguntas a fazer cujas as respostas servirão de subsídio para o trabalho que realizarei. Ficarei muito agradecido se puderem ser respondidas.
    1) As notícias realmente influenciam as cotações das ações e, conseqüentemente, o mercado de opções?
    2) Como surgem os “boatos” que influenciam as cotações e que no fim acabam não se confirmando?
    3) Os investidores se deixam influenciar pelas notícias que afetam o mercado de ações, mesmo aquelas de agências não muito confiáveis?
    4) Quais as agências de notícias mais confiáveis cujas informações influenciaram o mercado de ações em 2008?
    5) É mais ariscado investir em ações ou em opções, qual alternativa dá o maior retorno e qual tem maior risco?
    6) Como a variação da cotação do ativo objeto (a ação) afeta o prêmio?