Investidor metódico X investidor inteligenteUm dos conselhos mais comuns para a formação de uma carteira de ações é a aquisição cumulativa de papéis através de um processo disciplinado de compras mensais. Essa estratégia procura criar no investidor[bb] o hábito de poupar determinado valor todo mês (normalmente na data em que recebe seu salário) e dedicá-lo à compra de ações, com objetivo de investimento voltado para o longo prazo. Obviamente, não se trata de um mau conselho, pois cria certa disciplina no investidor e faz com que seu patrimônio cresça em razão do salutar hábito de poupar para investir – um hábito que, infelizmente, a maioria dos brasileiros não tem.

Porém, como tudo o que é bom pode ainda ser melhorado, vamos considerar uma modificação nessa premissa para agregar-lhe certo grau de eficiência – já que eficácia não lhe falta. Olhemos para o gráfico diário das ações VALE5 (logo abaixo), num período de aproximadamente 4 meses, no qual o papel vem apresentando uma configuração gráfica que chamamos “faixa de negociação”. Em configurações gráficas desse tipo, o papel oscila entre topos e fundos que ficam posicionados mais ou menos em regiões fixas de preços, ricocheteando sucessivamente nas linhas de suporte e resistência.

VALE5

Imaginemos um investidor que, ao receber seu salário no dia 10 de cada mês (ou no dia útil subsequente), decida investir R$ 500,00 em ações para a formação de uma carteira de longo prazo. Ele o faria assim que recebesse seu salário pelo preço do dia (tomemos por base, a título de exemplo, o preço de fechamento). Trata-se, para fins de ilustração, do Investidor 1 e temos os preços pagos por ele anotados em verde no gráfico.

Imaginemos, agora, um outro investidor com a mesma premissa, mas que desejasse obter, além do acréscimo mensal de papéis à sua carteira, um crescimento realmente eficiente de patrimônio. Além de reservar parte de seu salário para efetuar as compras, ele observaria também o mercado[bb] para identificar se o momento é o mais apropriado para a compra. Se percebesse que o momento não era exatamente propício e que o papel poderia atingir níveis mais baixos, seguraria sua compra para efetuá-la por um preço melhor. Este é o Investidor 2 e temos os preços pagos por esse investidor anotados em azul no gráfico.

Usando os preços coletados teríamos a seguinte tabela representando as compras que ambos conseguiram realizar com R$ 500,00 em cada mês:

Comparação entre os ativos dos investidores

Parece pouco, mas o segundo investidor conseguiu um incremento de 16% na quantidade total de ações adquiridas em um período de apenas quatro meses. Ou seja, com os mesmos R$ 500,00 poupados mês a mês, o investidor 2 conseguiu comprar e sustentar mais ações em seu poder. Se a estratégia se estendesse por anos, o ganho seria significativo na composição da carteira.

Certamente você deve estar se perguntando: “Mas como ele saberia o dia certo para comprar as ações?” A resposta é: usando uma ferramenta eficiente de análise gráfica[bb]. Um Estocástico com configuração 7/3, por exemplo, teria mostrado pontos de sobrevenda muito próximos a esses dias (como podemos ver no gráfico).

Note que essa é uma ferramenta de curto prazo, muito eficiente para operar em faixas de negociação. No entanto, podemos utilizá-la como parte de uma estratégia de longo prazo para identificar pontos otimizados de compra – mesmo que não sejam os dias exatos desses fundos.

Essa é a diferença entre um investidor apenas metódico e disciplinado e outro que, além disso, utiliza sua inteligência na hora de montar a estratégia de investimento. Não basta ter disciplina, é preciso também agregar o bom uso de ferramentas técnicas para auxiliá-lo na árdua tarefa de garimpar as melhores oportunidades no mercado de ações[bb], especialmente na hora de comprar. E isso vale mesmo quando a intenção é montar uma carteira para o longo prazo.

——
Carlos Alberto Debastiani é empresário, investidor e autor dos livros “Candlestick”, “Análise Técnica de Ações” e “Avaliando Empresas, Investindo em Ações”.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • João Gabriel Pereira Schutze

    Muito interessante. Comprova que de certa forma, o sangue frio e a calma são ótimos conselheiros.

  • Muito bom para ilustrar que nao devemos simplesmente comprar sempre, mas comprar BEM sempre.

  • alpha

    de uns tempos pra k, estou preferindo o grafico e este estocástico eu nunca nem tinha ouvido falar.

    16% em 15 anos = uma lancha ^^

    otimo artigo! toda a parte teorica mas na hora do vamos ver o que conta é a atitude e os metodos aplicados.

  • Excelente artigo, Carlos. De forma clara você demonstrou a importância de unir disciplina com raciocínio. A busca de conhecimento nunca se faz desnecessária.

    Abs.

  • Eduardo Severino

    Muito bom artigo,, bom eu costumo avaliar um periodo de compra de uma ação através do site ADVFN,, aonde sempre comparo o preço atual com os períodos anteriores (preço máximo e mínimo) ,, semanais , mensais, anuais, e qdo acho encontro o preço atual próximo do mínimo em um período de seis meses, compro e quando a ação valoriza mais de 5 reais vendo-a. E assim vou , com pequenos ganhos , mas ganhando sempre. Pergunto se é uma boa estratégia e se posso melhora-la de alguma outra forma? PS: sempre amarro o stop para evitar grande perdas.

  • Hedger

    Há vários estudos interessantes mostrando investidores experts em análise gráfica investindo, e outro comprando e vendendo aleatoriamente. No final, não há diferença nenhuma entre utilizar gráfico ou não.

    Obviamente um ou outro usando gráfico consegue alguma coisa acima da média, assim como outro investindo aleatoriamente também consegue.

    Gráfico mostra o que já aconteceu. Para mim interessa o que acontecerá.

    Por isso pensem bem antes de comprar qualquer ferramenta gráfica que prometa ganhos na bolsa.

    PS: para pensar: olhando as cotações da poupança nos últimos dias/meses/anos te ajuda a saber a cotação da poupança do mês que vem?

  • Eduardo Severino, avaliando sua estratégia para a venda, encontrei algo estranho: seu método de saída (um valor fixo em reais). Para uma ação que custe R$ 80,00 o valor de R$ 5,00 reais significa 6,25% (que é um lucro pequeno) e para uma ação que custe R$ 15,00 representa 33% (que é um lucro grande mais difícil de alcançar). Usando esse método você pode estar saindo muito cedo das ações mais caras (que poderiam dar mais lucro) e perdendo a chance de sair mais cedo (e mais vezes) de ações mais baratas. Se a idéia é trabalhar com algo fixo, eu sugiro um percentual.
    Quanto aos stops de segurança, você está certíssimo!

  • Pingback: Investidor metódico X investidor inteligente | insiderNews()

  • Pingback: Fique por dentro Educação » Blog Archive » Investidor metódico X investidor inteligente | Dinheirama …()

  • Eduardo Severino

    Obrigado Carlos Alberto, vou seguir a dica de amarrar um percentual para a saída pois realmente é o que acontece comigo, no entanto você poderia me sugerir um percentual para a saida? Obrigado.

  • Daniel Pondé

    Olá Carlos como vai? Comprei o seu livro Candlestick a 1 semana e por coincidência encontrei o seu artigo aqui no dinheirama. Interessante. Estou terminando de ler um outro livro para começar a ler o Candlestick e Os Axionas de Zurique. Grande abraço e parabéns pelo heads up.

  • Olá Carlos

    Muito bom artigo. Mas como não sou um especialista em análise gráfica seria bem interessante ver aqui outros artigos explicando de maneira mais ampla sobre como funciona e o que indica estas ferramentas (Ex. estocástico) da análise gráfica.

  • O leitor Hedger citou um ponto importante, que gostaria de reafirmar para todos: nunca acreditem naqueles que PROMETEM milagres na bolsa, pois isso é mentira, ninguém pode garantir ganhos. O sucesso é composto de menos erros e mais acertos.
    Além disso, se alguém tivesse uma ferramenta tão boa, não venderia a ninguém!
    Quanto à poupança, não pode ser prevista em gráficos porque é definida pelo governo, de forma arbitrária as vezes (como vimos no governo Collor). A Bovespa é um mercado, onde o preço é definido pelas pessoas que estão negociando, daí a aplicabilidade da estatística e da análise comportamental, já que o ser humano tende a se repetir e a seguir seus semelhantes e seus sentimentos.
    Eu tenho ganhado dinheiro usando gráficos. Será que sou um cara de sorte?

  • Hedger,

    A análise gráfica é apenas uma ferramenta, muito útil na mão de quem sabe utilizá-la, na minha visão mais aplicada para minimizar a volatilidade no capital de quem a utiliza do que para maximizar ganhos. Você está certo quando diz que ninguém pode prever o futuro, isto é verdade, no entanto toda grande empresa que se preze tem um planejamento estratégico onde ela traça metas e planos para o futuro, o investidor na Bolsa deve trabalhar de forma semelhante e ter um plano definido para cada comportamento que o mercado apresentar e tanto a análise gráfica, quanto a fundamentalista são apenas ferramentas dentro deste contexto.

  • Thiago

    Ótimo artigo, Carlos!
    Como sempre, destrinchando os termos do mercado de ações.
    Só achei que faltou explicar como realmente funciona/se calcula o estocástico.

  • Notei que vários leitores desse artigo demonstraram interesse em conhecer melhor o Estocástico. Eu trato desse indicador (e de muitos outros), em detalhes, no meu livro “Análise Técnica de Ações”. Esse livro está disponível no Google Books, se vocês tiverem sorte conseguirão pegar as páginas 131 a 137, onde descrevo o Estocástico. Se não tiverem sorte, comprem o livro, garanto que o investimento vai valer a pena!
    Se estiverem dispostos a investir um pouco mais, estarei ministrando um curso de análise técnica em 28/02/2009 (sábado), numa sala de eventos na Paulista.
    Caso tenham interesse é só acessar: http://www.temporealeventos.com.br/?area=99

  • Eduardo Severino

    bem que o curso poderia ser um sao jose dos campos ou taubaté.

  • Pingback: Interessantes » OOW - Out Of Work()

  • Paulo Eduardo

    Pq será q complicam tanto a análise téc??? Num é bicho de sete cabeças, só não se pode achar q saber ler um gráfico com um indicador se sabe tudo e, principalmente q o fundamentalismo economico sempre se sobrepõe ã téc.
    Sou fã de análise téc. opero FOREX usando TS e EA’s baseados em indicadores técnicos. na NET tem tudo q se quer pra aprender basta saber procurar. O google foi meu maior guia.

    abraços,
    Paulo Eduardo

  • Junior

    Desculpem, mas esse artigo passa uma opinião totalmente equivocada, chega a ser uma grande bobagem. Em quatro meses essa diferença pode até ser significativa, mas no longo prazo, digo, longo prazo MESMO (10, 20 anos), isso será completamente isolado e o investidor 1 e o investidor 2 terão resultados semelhantes, senão dizer que o 1 se sairá melhor. No longo prazo isola-se a volatilidade, isso sem contar que o 1 nunca vai comprar só no topo e o 2 nunca vai comprar só no fundo. Além de tudo isso, vale lembrar que uma estratégia de preço médio, faz cada vez menos efeito no preço médio conforme a carteira aumenta e os aportes continuam constantes. Se o investidor 2 consegue a façanha de comprar nos fundos, por que investir em longo prazo? Seria mais fácil fazer trades e se livrar de riscos, como crises mundiais. Disseminar estratégias com base em gráficos do passado é fácil. Ben Graham escreveu em seu livro (um dos melhores de todos os tempos por sinal) que a melhor forma do pequeno investidor, que não quer ou não tem tempo de se dedicar ao mercado, acumular capital na bolsa é através de compras sistêmicas. Sendo assim, arrisco dizer que o metódico se sairá melhor que o dito “inteligente”, pois vai isolar a volatilidade e vai seguir um método (comprar em datas fixas) deixando de lado também uma das mais perigosas armadilhas da bolsa, a emoção! Alguém arrisca um estudo Metódico X “Inteligente” para um período de 10 ou 20 anos baseado em Compras Fixas X Estocástico?!!!

  • Niedja

    Olá,

    Gostaria de saber se é um bom investimento Governança administrativa, pois vi que nos úlitmos meses tem tido um retorno muito bom.

    obrigada,

  • 100000104390574

    Excelente artigo, muito bom. Entretanto investir na vale no longo prazo não considero viável, tendo em vista um dividend yeld na casa dos 6%. Temos ações na bolsa que pagam muito mais do que isso e se o investidor é de longo prazo investir pelo dividendo é uma ótima opção. Recomendo: Faça fortuna com ações antes que seja tarde, Autor: Decio Bazin.