10 mar Finanças Pessoais

Preços relativos

Alguém oferece vender um magnífico apartamento no chiquérrimo bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, de frente para a praia, com vista para Luanda, contando com 12 vagas de garagem, varandão com heliporto, torneiras de uísque escocês em todos os 17 banheiros e suíte megamaster com quadra de futebol soçaite e cascata com filhotes de […]

por andreiwinograd
há 5 anos

Preços relativosAlguém oferece vender um magnífico apartamento no chiquérrimo bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, de frente para a praia, com vista para Luanda, contando com 12 vagas de garagem, varandão com heliporto, torneiras de uísque escocês em todos os 17 banheiros e suíte megamaster com quadra de futebol[bb] soçaite e cascata com filhotes de jacaré, por R$5 milhões à vista. Está caro ou barato? Depende.

O primeiro critério de avaliação é comparar o preço do bem ou serviço específico com o preço de bens ou serviços idênticos ou similares. Se um apartamento igual no mesmo prédio custa R$10 milhões, então o ofertado está barato? Sim e não.

Em tese, está barato mesmo, mas há um problema: seu preço, por mais baixo que seja, está totalmente fora do meu alcance porque corresponde a um enorme múltiplo de minha renda e de meu patrimônio líquido pessoal. Se eu vender tudo o que tenho e passar os próximos anos com o padrão de consumo de um refugiado africano, ainda não conseguirei juntar R$5 milhões. Então está caro.

Abre parêntese. Na contabilidade[bb], a noção de patrimônio é muito diferente daquela que lhe dá o senso comum. Quem possui um imóvel costuma dizer que ele representa seu patrimônio, independentemente do fato de talvez o ter comprado por meio de um empréstimo.

Do ponto de vista contábil, um imóvel é um ativo (isto é, um bem ou direito) e o patrimônio líquido equivale à parcela do ativo que supera o passivo exigível (isto é, as dívidas e obrigações para com terceiros). Não se pode dizer exatamente que ativos compõem essa parcela. Se você possui um apartamento de R$100.000 e tem uma dívida de mesmo montante, lamento informar que você não tem patrimônio algum. Matematicamente, seu patrimônio líquido é zero. Fecha parêntese.

Ah, você, como um personagem fictício da infância de minha sogra, ganha infinitos contos de réis por segundo?* Então a história é outra. Para quem tem R$100 milhões, um imóvel de R$5 milhões é barato, desde que não haja outro igual à venda por preço menor. Depreende-se que a melhor maneira de avaliar um preço é transformar seu valor absoluto em valor relativo.

Simples: transforme o valor monetário em horas/dias de trabalho (ou de renda). Por exemplo: uma bolsa “di-vi-na” custa 500 pratas e não há nenhuma igual à vista por preço inferior. Você ganha R$ 10.000,00 líquidos por mês trabalhando, em média, 8½ horas por dia; são 187 horas de trabalho em um mês de 22 dias úteis, o que dá R$53,48 por hora (10.000 ÷ 187). Será que essa bolsa vale mesmo 9,35 horas (500 ÷ 53,48) aturando o patrão? Para mim, não; para você, talvez sim.

Você não trabalha e sua renda mensal de R$10.000 é oriunda de investimentos[bb] ou renda passiva? Nesse caso, proponho que utilize a jornada de trabalho padrão de 8 horas diárias. Se fizer as contas com base em um dia de 24 horas – seguindo o raciocínio de que seu dinheiro rende o tempo todo –,  uma hora de rendimento “valerá” menos do que uma hora de trabalho. Enfim, transforme o preço em horas (ou em dias, se o valor monetário for elevado) de trabalho/renda e faça o que seu coração mandar. Os preços, como vimos, são relativos.

Promoção Editora Novatec
A parceria entre a Novatec e o Dinheirama está renovada. Se você quiser aproveitar para comprar qualquer livro com 20% de desconto, utilize a palavra PROMODINHEIRAMA como código da promoção na loja on-line da Novatec. Aproveite e conheça meu recente lançamento, “Alfabetização Financeira”, onde trato de temas relacionados ao que descrevi hoje neste artigo.

*De 1833 a 1942, o Brasil teve como padrão monetário o mil-réis (Rs. 1$000) que, diferentemente das moedas posteriores, seguia o padrão milesimal e não decimal. Um conto de réis correspondia a “mil mil-réis”, isto é, a um milhão de réis. Ao ser criado, em 1o de novembro de 1942, o cruzeiro equivalia a mil-réis. Em 1967, criou-se o cruzeiro novo, correspondente a mil cruzeiros “velhos”, ou seja, a um conto de réis. Quando eu era criança, no começo dos anos de 1970, ainda se usava a palavra “conto” como sinônimo de cruzeiro: “Gastei cinco contos na padaria”. O leitor de mente inquieta já terá percebido que minha sogra nasceu antes de 1942. Cabe acrescentar que o tal personagem era casado com senhora igualmente imaginária que costumava ser convidada para tomar chá com d. Darcy Vargas, esposa do Getúlio, no Palácio do Catete.

——
Andrei Winograd é graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e pós-graduado em Finanças pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ) e em Mercados Futuros e de Capitais pela Universidade Cândido Mendes. Atua como executivo e consultor, possuindo vasta experiência na avaliação econômico-financeira de empresas e projetos. Autor dos livros “Alfabetização Financeira” (Editora Novatec) e “(F)Utilidades – Mistérios do dia-a-dia explicados” (Matrix Editora).

Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • Aureo Vilas Boas

    Há uma excelente explicação sobre o patrimonio liquido, no livro SEGREDOS DA MENTE MILIONÁRIA. Excelente artigo, parabéns!

  • alpha

    psicologia financeira eh uma area nova que me instiga muitissimo.

  • Oswaldo

    um raciocínio bem interessante, pois, na aquisição dos bens, as pessoas geralmente pensam nas parcelas que cabem no bolso, e não como múltiplo da renda. Mas um detalhe que devemos ficar atentos… A África não é o único lugar do mundo onde existem refugiados. O racismo passa assim, em mensagens subliminares. Sei que não foi a intenção, mas o Dinheirama poderia repensar isso. Obrigado.

  • Andrei Winograd – o autor

    Caro Oswaldo, sem dúvida há miséria e desgraça em tudo o que é lugar, mas, por razões que ninguém talvez saiba explicar e que não conviria discutir aqui, a África concentra países de baixo padrão de vida. De fato, segundo o “ranking” do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da ONU (http://hdr.undp.org/en/statistics/), dos 20 países com o pior IDH, todos estão nesse continente. Dos 30 piores, 29 ficam na África. Além disso, alguns desses países, como Libéria e Serra Leoa, passaram (ou ainda passam) por guerras que causaram enorme sofrimento às suas populações. Por isso, usei a noção de um refugiado africano para evocar uma situação de extrema pobreza. Tratou-se de uma mera imagem ilustrativa que não traz em si nenhuma conotação pejorativa. Um abraço.

  • Lion

    Oi meu nome é Lion. 1º gostaria de ressaltar que o texto foi muito bom com argumentos descontraídos como “refugiado de guerra”, podemos entender claramente q c vc tem um nº X d recursos e Y de vontade, vale a pena vc encarar a PRIORIDADE do momento e até d um futuro não tão distante. obrigado e um abraço ao pessoal do site q sempre nos dá tanta atenção e a todos vcs .

  • http://dinheirama.com/blog/sobre Conrado Navarro

    Olá Oswaldo, obrigado pela participação. Não entendi sua comparação com refugiados, África e racismo. O artigo não tem nenhuma mensagem subliminar neste sentido, acho que você está exagerando nas suas conclusões. O uso dos exemplos é meramente ilustrativo e pretende auxiliar de forma que o conceito fique bem fixado. O autor do artigo, Andrei, recebe todos os comentários e certamente também se pronunciará. Obrigado. Um abraço.