Você já ouviu falar no Índice Batom?O Índice Batom é um conceito criado por Leonard Lauder, chairman da Estée Lauder, um gigante no setor de cosméticos. Em 2001 ele verificou que, apesar da crise que os EUA passavam e da sociedade bastante devastada com o episódio das Torres Gêmeas, a venda de batons de sua empresa haviam crescido em comparação com os anos anteriores. Ele concluiu, então, que o batom está diretamente ligado à crise. Ou seja, quanto maior a crise, maior a venda de batons.

A explicação para toda esta teoria se dá porque o batom é um item relativamente barato (especialmente em comparação ao restante da prateleira de cosméticos e maquiagens), e só o ato de comprar um simples batom já traz um momento de felicidade ímpar. As consumidoras estão em busca de prazeres mais “pagáveis”, onde um simples batom pode não pesar no orçamento mensal e trazer menos impactos no final do mês.

Esta teoria é bastante contraditória porque as vendas de batons também crescem em períodos de prosperidade[bb], mas não deixa de ser bastante interessante. As vendas podem ter ou não relação com a situação financeira mundial, mas este pequeno item não parece sofrer com a recessão, ao contrário de outros itens considerados “supérfluos”.

As vendas de vestuário estão oscilando bastante e as grandes marcas têm feito malabarismos para manter o nível de faturamento. Tira daqui, coloca ali e tudo se encaixa. Os investimentos em desfiles foram substituídos por novos materiais e os contratos de grandes personalidades para as propagandas foram revistos em busca de redução de custos. Isso para ficar em poucos exemplos.

Sim, podem falar e pensar o que quiserem. “As mulheres se contentam em somente comprar, não importa o quê” ou “como as mulheres podem pensar em batom com o desemprego batendo à sua porta?” são opiniões comuns. Atire a primeira pedra quem não pensou dessa forma.

O fato é que a indústria de cosméticos vem crescendo em um ritmo bastante animador. A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) anunciou que este setor deve ter suas vagas de empregos aumentadas em 4%. Muito diferente do que está acontecendo com o restante do mercado.

Sim, as mulheres gostam de comprar, especialmente produtos que as fazem se sentir mais bonitas e seguras. Porém, como elas também são responsáveis pelo orçamento doméstico[bb], as compras têm sido feitas com maior responsabilidade. O ideal é saber até onde se pode chegar. Falamos muito sobre este assunto no Dinheirama e não custa repetir.

Não só em situações como a que estamos passando hoje, onde as empresas anunciam cortes e congelamento de futuras contratações, o correto é sempre pensar duas vezes antes de adquirir algum bem extra – e de necessidade “duvidosa” – e sempre pagar à vista. Controle seus gastos com uma planilha.

Por outro lado, se todos pararem de consumir, a economia vai estagnar. As empresas produzirão menos, contratarão menos e cobrarão mais caro. As notícias dos grandes jornais brasileiros desta semana se baseiam no que o governo decidiu sobre a taxa de juros. Analistas esperam que, com o corte de 1,5% na taxa Selic, as empresas destinem seu dinheiro[bb] à produção e a população possa adquirir crédito mais barato a fim de pagar dívidas ou adquirir um imóvel, por exemplo.

Concluindo, o batom pode dizer muito mais do que uma cor. A grande verdade é que ele não passa de um objeto que se tornou simples símbolo de reação à crise. Já ouviram falar do Índice Big Mac? O Índice Big Mac compara o grau de valorização de uma moeda estrangeira perante o dólar. Já que o Big Mac é um produto conhecido mundialmente e sua produção e margem são similares em todos os países, nada mais fácil do que comparar as moedas com base em um produto único. Portanto, homens, não coloquem a culpa em suas mulheres por existir o Índice Batom.

——
Mariana Prates é economista pela PUC-SP e pós-graduanda em Administração de Empresas pela FGV. Trabalha no departamento comercial da Editora Novatec e adora fazer planejamento financeiro para amigos e familiares.

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Eu tenho outros índices um pouco populares mas as vezes mais luxuosos, pois são eles: Bijuterias, roupas, sapatos, perfumes, lingerie, restaurantes.

    E por isso que sempre falo, mulher teria que ter um salário igual ao do homem, pois assim não gastaria a parte do salário do marido com acessórios femininos.

    E outra coisa, que elas ajudariam a manter a economia, como por exemplos: empregos, cargos e salários.

    O problema começa quando a mulher não trabalha ou quando não tem o mesmo salário que os homens para exercerem a mesma função.

  • Interessante saber sobre esse índice. Existe realmente alguns acessórios que mulher nenhuma abre mão de ter. No caso do batom, nunca tinha percebido.

  • Vilas Boas

    Esse post me fez lembrar de uma propaganda, de década atrás, dos chocolates Garoto.
    Compre batom, compre batom, compre batom…

  • Carmen.

    Oi Mariana,

    Antes de tudo quero parabenizá-la por fazer parte da equipe Dinheirama e por ter criado um canal feminino através de artigos sempre bem humorados, inteligentes e atuais que nos mantém suas leitoras fiéis.

    Na verdade faz tempo que venho acompanhando o seu trabalho, e agora me sinto na obrigação de deixar este comentário, já que mulher é assim mesmo e sempre temos uma razão a mais para comprar mais um batom.

    Falando nisso, eu lí (e já constatei) que baton com aroma de baunilha faz reduzir drasticamete a vontade de comer aquele docinho que sempre sabota a nossa aparência.

    Sendo assim aproveito para recomendar a todas as leitoras deste site e a você também que experimentem, afinal, o que é um batonzinho a mais na nossa necessaire de cada dia, não é???

    Beijos.

  • Carolina

    Realmente é muito interessante saber disso, embora no meu caso eu não me sabote na crise com batons… risos. Mas é um bom alerta para que pelo menos sejamos conscientes nestas sabotagens. Um batom é simplesmente um batom, mas dependendo do comportamento que gerou a compra, por exemplo, a compra em si é na verdade um alerta de que não estamos sendo disciplinados o suficiente.

  • Que bela maneira de vender batons.
    Portanto, se bem percebe, os batons vendem mais em tempo de crise, e em tempo de prosperidade.
    E quem diz isto: quem ganha dinheiro com batons.
    Prémio Nobel Lábios Carnudos para ele.

  • Olá muito interessante as matérias postadas aqui gostei muito de uma visitinha no outro blog que tenho deixe um comentário assim poderi voltar aqui para mais visitas aos amigos e dar aquela força.

    Antonio Abraços
    è mesmo muito interessante

  • Pingback: Letras Miúdas :: O índice batom faz mais uma (ou duas) vítima(s)()