Qualquer um pode comprar um carro?Nem todo mundo pode ter um helicóptero. Engraçado, uma afirmação deste tipo raramente gera algum tipo de discussão – particularmente, nunca vi alguém discordar. O raciocínio por trás da verdade parece óbvio: um bicho desses custa uma fortuna, logo, só os muito ricos podem comprá-lo. Pois é, mas “antes fosse só isso”, como já vi alguns deles dizerem. A questão está no custo de manutenção e nas agendas de reparo, afirmam também revistas especializadas.

Mas por que falar de helicópteros por aqui? Claro que estou longe de tal sonho, portanto o tema não tem relação nenhuma com a minha realidade. A verdade é que eu resolvi trazer tal afirmação para nosso dia a dia, tentando adaptá-la: tenho dito com frequência que nem todo mundo pode ter um carro. Encare o desafio de relacionar carro, helicóptero e finanças pessoais[bb] como algo motivador, senão tudo terá sido em vão.

O fato é que com a abundância do crédito para compra do carro zero ou usado, inteligência financeira deixa de ser um diferencial. Não compra carro quem pode ou tem condições, mas quem quer. Veja só, basta querer. Depois de muito estudar as estatísticas deste mercado, conversar com profissionais que atuam neste ramo de negócios e pessoas que decidiram comprar ou trocar de carro nos últimos anos, cheguei a uma conclusão óbvia, banal, mas assustadora do ponto de vista financeiro: desejo, coragem e uma conta matemática simples que valida se a parcela cabe no orçamento são as únicas variáveis que preocupam o aspirante a motorista na hora de comprar seu veículo.

Carro virou helicóptero
Tão logo o carro sai da concessionária ou loja e vai parar na garagem, algo mágico acontece em torno das finanças de muitas famílias: o automóvel se transforma em helicóptero. Quem paga o combustível do dia a dia? E o seguro, o IPVA, a troca de óleo, o pedágio, a manutenção preventiva (revisão), a troca de pneus, os pequenos reparos, o estacionamento, a lavagem? Advinhe o desfecho: a família deixa de priorizar momentos de alegria, qualidade de vida e bem-estar porque as despesas e o pesado carnê estrangulam suas finanças[bb]. Por 36, 48, 60, 72 meses.

Soa muito exagerado? Feliz do leitor que ler este texto com esta perspectiva – este provavelmente tem um carro, e não um helicóptero, na garagem. Ótimo. Os demais sabem bem do que estou falando. Separei alguns números organizados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e publicados na Folha de S. Paulo, edição de 26 de novembro, que mostram como a despesa com carro subiu o dobro da inflação nos últimos 12 meses:

  • O custo com o seguro teve a maior alta no período, 14,63%;
  • Lavagem e lubrificação tiveram alta de 10%;
  • Serviço de reparo para automóvel, estacionamento e garagem subiram 9,42%;
  • Óleo lubrificante está 7,41% mais caro;
  • Acessórios e peças para automóveis apresentaram alta de 6,49%;
  • O pedágio subiu 5%.

Mas não vivemos um período de crise[bb], desemprego e susto na economia? A explicação dada por André Braz, um dos economistas responsáveis pelo estudo, é suficiente para compreender o que houve:

“A alta nos custos de manutenção do carro se explica pelo crescimento da massa de salários. Mesmo durante o período de crise, quem conseguiu se manter empregado obteve aumentos reais. Então, houve espaço para aumento de preços por conta da demanda”

Demanda, a palavra-chave! Depois de um período de queda nas vendas, a indústria aproveitou os incentivos do governo para tirar o atraso e o mercado se reaqueceu com incrível velocidade e vigor. Basta perguntar ao vizinho ou ao dono de uma loja de carros usados. Portanto, vê-se claramente que manter um carro custa mais caro porque todos querem andar por ai motorizados. Simples.

Se não for assim, o brasileiro não consegue comprar! Adoro ouvir frases como essa. O som das palavras é entusiasmado, repleto de sentimento e emoção. São justificativas vazias. E só. Na prática, o que acontece é muito diferente: o valor do carro, inflado pelos juros do financiamento a perder de vista, soma-se ao mundo de contas e despesas e, muitas vezes, o caos se instaura. A razão de alegria vai ficando encostada, mal tratada, perdendo muito de seu valor.

O conforto antes proporcionado se converte em carnês atrasados, impostos devidos e falta de manutenção. Com peças do mercado paralelo, a segurança começa a ficar comprometida e os passeios já não são tão divertidos. O carro enguiça, para no meio da serra e exige destreza quando seus pneus, completamente carecas, insistem em complicar a direção na chuva. Mas, é claro, o que importa é que a família tem um carro, ou melhor, um helicóptero. Imagine a cara dos vizinhos olhando para aquele bicho estacionado logo ali…

A esta altura, se você não julgava o texto exagerado, já o faz – ou no mínimo considera tudo dramático demais. Engraçado? Talvez. Não importa se a graça das palavras têm interpretações diferentes, desde que o recado dado permaneça cristalino: carro não é para qualquer um! Educação financeira, um pouco de matemática, algum bom senso e planejamento podem fazer todo o artigo parecer tolo. E estes não se preocupam com a riqueza[bb], mas com a liberdade e independência financeira. Para estes poucos – e realmente livres -, carro não é helicóptero.

PS1: você já deve ter se dado conta de que sou daqueles que compra à vista, com desconto. Compartilho a breve narrativa da compra de meu automóvel atual, nos idos de 2007. Eu tinha cerca de R$ 45 mil para comprar o carro, guardados e poupados com muito trabalho. Ao analisar as opções, tarefa que levou 6 meses, optei por um carro de pouco mais de R$ 40 mil (completinho). Com a grana que tinha pude pagar o licenciamento, seguro, imposto etc. Ao contar feliz a novidade para os amigos, ouvi: “Burro, devia ter usado a boa grana como entrada e sair com um carrão bem melhor. Ou podia ter pego um usado importado ou de uma categoria acima, muito melhor também”. Brindei ao burro e todos rimos bastante. O resto é história.

PS2: recomendo aos que ainda não conhecem a acidez de minha opinião sobre as compras de bens caros – e que colocam famílias inteiras em modo de autodestruição financeira sem necessidade – que leiam os seguintes artigos de minha autoria:

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • O detalhe do pneu careca é clássico, basta observar a quantidade de automóveis relativamente novos que andam quase na lona.

    Mas inteligente mesmo é um conhecido meu, que tem um BMW na garagem e anda de bicicleta porque não tem dinheiro nem para a gasolina… enquanto paga as 28 prestações que faltam 😀 .

  • Comprei um novo carro esta semana por 75 mil à vista. Se fosse financiar pagaria ao final por volta de 100. Um absurdo.

    Resumindo, eu não gosto de pagar juros. Junto tudo e compro o que quero à vista. Assim dá até pra dar aquela chorada e conseguir um desconto bacana.

    E eu já ouvi muito o que seus amigos disseram para você no “PS1″… Assim como você, brindo aos burros e abro o sorrisão. 😉

  • De novo, Navarro e seus argumentos irrefutáveis para pensar.
    Eu completo: em vez de carro, que tal usr – e melhorar – o sistema público de transporte?
    Agora à noite escutei de um casal: vamos comprar um carro velho para poder viajar… ora, pelotas. Há mais de três opções acessíveis para viagens, todas bastante possíveis e confortáveis – que não geram dívidas.
    E adianta falar nisso? Não. Os argumentos são absolutamente emocionais. Ninguém pensa nos custos, é impressionante.

  • Renato Martins

    Boa noite Navarro,

    Já acompanho seu blog há algum tempo e concordo plenamente com esse artigo. Por coincidência, há alguns meses atrás eu fiz uma planilha explicitando os gastos com um carro popular e provei para meus amigos como um carro pode ocupar uma fatia de aproximadamente R$ 1250,00 do seu orçamento mensal fácil, fácil… Fazendo com que você gaste mais de 15k anualmente só para manter seu carro nas ruas.

    É impressionante como VÁRIOS de meus amigos retornaram o email dizendo não acreditar e não aceitando os cálculos que estavam alí na frente deles!

    A planilha é algo bem simples, com cálculos hipotéticos e possuí algumas considerações minhas. Se você quiser que eu a envie a você é só entrar em contato via email.

    Um abraço meu caro.

  • Marco

    O meu carro é um VW Santana GLS 1989…. tá com 20 anos, super conservado, manutenção baratíssima, à álcool, completo ! Prestação era em torno de 180 reais, Quitado, IPVA barato, A diferença de prestação em relação a um carro pra mostrar pros outros eu invisto num plano de previdência que funciona assim : até 12% do meu salário, a patrocinadora completa com o mesmo valor ! Bom demais ! E meus amigos vivem me dizendo : por que você não compra um zerinho ? Fácil dar palpite, quero ver é se alguem me ajudaria a pagar rsrsrsr… estão devendo até a alma.

  • Bem, se você não tivesse um carro, todas essas afirmações eram válidas.

    Você analisou um veiculo automotor apenas do ponto de vista do status, e a praticidade, onde fica?

    Se você mora em uma grande metrópole tudo bem, andar de carro realmente é um atrasdo de vida. Na minha cidade, levo cerca de 70% a mais de tempo para me locomover através do transporte coletivo, sem falar no desconforno, insegurança. etc, etc.

    Estou longe de ser um economista, muito menos uma pessoa que gerencia bem suas finanças, mas a meu ver carro é para quem pode, não para quem quer.

    • Quantas histórias interessantes, todas com desfechos semelhantes aos que relatei no artigo. Obrigado a todos por participar da discussão e alimentar o tão importante debate acerca deste tema.

      Renato, adoraria receber a planilha. Vou enviar um e-mail e assim mantemos contato, tudo bem? Muito obrigado.

      Madsen, obrigado pela participação. A praticidade, o conforto e tudo mais são excelentes efeitos trazidos pelo automóvel, concordo. Aliás, ambos temos a mesma visão: carro é para quem pode, não para quem quer.

      Abraços a todos.

  • Valdemar Engroff

    Buenos dias Conrado Navarro

    Um baita texto para uma época de euforia. Pena que 98% dos brasileiros que ontem receberam parte da gratificação natalina, vão torrar estes cobres em bobagem e uma das bobagens é dar de entrada num carrão, em vez de somar mais alguns valores e comprar um carrinho popular à vista, barganhando um desconto. Carrão custa mais caro, tem tanque maior, manutenção mais cara, IPVA idem, seguro também. Tudo mais caro.

    Já tentaram me convencer para trocar o meu carrinho por um PICANTO. Para isso daria o meu Uno Mile 2004 de entrada e financiaria o restante: uns 20 mil reais. Sinceramente NÃO DÁ. NÃO VOU FAZER, pois, fazendo isso, terei que BOICOTAR a previdência privada (minha, da esposa e das duas filhas) e de outros pequenos investimentos do meu balaio financeiro.

  • Pingback: Tweets that mention Qualquer um pode comprar um carro? | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos -- Topsy.com()

  • Comprei meu primeiro carro no final de 2003, dei entrada com dinheiro que havia economizado em quase 2 anos de meu primeiro emprego, e o resto financiado em 36x. Bom, esse carro comprei por não saber o que fazer com o dinheiro e achar que carro seria um investimento, já que no primeiro ano com o carro quase não o utilizei, somente umas pequenas viagens e utilizava um ou dois dias por semana, isso quando utilizava.

    Porém essa idéia que carro seria um investimento foi por água abaixo quando o carro começou a apresentar os primeiros problemas. Foi a partir dai que vi o quanto um carro é oneroso. Mas continuei com o carro, principalmente porque estando com ele eu me livrava do transporte público de péssima qualidade que reina em nosso país.

    Hoje estou com um carro mais novo (e um carne novo também), e imaginei que por ser um carro mais novo eu teria menos gastos com ele. Engano meu. Apesar de ter menos problemas com o carro, as manutenções preventivas e pequenas corretivas são mais caras. Só que hoje não me vejo mais sem carro. Ficar sem carro teria um impacto muito grande em minhas atividades diárias, principalmente pelo péssimo transporte público que temos, então procuro manter o carro o menos oneroso possível. Missão difícil.

    Mas meu problema com carro não está no fato que eu não consigo mante-lo, até pelo contrário, poderia manter até um carro zero, porém estou planejando a construção de minha casa, e casar, e o carro representa uma despesa que se eu não tivesse poderia realizar meus objetivos de forma muito mais fácil.

    Infelizmente naquela época em que comprei meu primeiro carro não tinha nem uma pequena fração da educação financeira que tenho hoje em dia, e também não imaginava que carro é tão oneroso. Mas hoje eu penso muito melhor antes de fazer qualquer dívida, e com certeza eu não compraria um carro caso eu realmente precisasse de um.

    Fica aqui meu depoimento como aviso para quem está pensando em comprar um carro. Pense muito bem se isso não irá atrapalhar seus planos futuros, e pense em médio / longo prazo, pois o que você faz agora pode muito bem te atrapalhar daqui a 5 ou 10 anos.

  • Ótimas dicas Navarro!
    As pessoas hoje em dia só pensam no consumo do bem tão sonhado. Esquecendo-se, muitas vezes, das despesas que advém deles. O teu post com certeza vai ajudar muita gente a não meter os pés pelas mãos, se planejando melhor antes da tão sonhada compra de um carro, seja ele novo ou usado.

    Parabéns! Ótimos argumentos e um belo texto de conscientização da população.
    Grande abraço, amigo!
    Sucesso!

  • O Bruno do Investidor Jovem escreveu um post há mais um menos um ano que assusta qualquer um que pensa comprar um carro.

    Vale a pena dar uma conferida

    http://www.investidorjovem.com.br/quanto-custa-manter-carro

  • Desa

    Realmente hoje em dia é complicado bancar as despesas de um carro, acho que as pessoas deviam procurar meios de transportes alternativos, brasileiro é muit acomodado por causa de carro. Minha mãe morrou na Italia a usn 3 anos e uma das coisas que ela mais de lá é que por mas bem de vida que fosse aquele povo, mesmo com meia duzia de carro na garagem eles so usavam as vezes, utilizando bicicleta e metro quase o tempo todo. Ia ser bem melhor pro bolso, saude e pro meio ambiente se as pessoas não fossem tão dependetes de carro.

  • alpha

    carro é o maior passivo da historia da civilização ocidental contemponaea. NADA é tão caro! dificil é convencer a mulherada a sair de busão! :p

  • Rodrigo

    Ótimo artigo, e cito meu próprio exemplo: ano passado tive meu carro furtado, e recebi o dinheiro do seguro. Fiquei pensando em comprar um novo e fiz a seguinte conta: (IPVA+Seguro+Manutenção+combustível) e dividi pelos meses. Me assustei: além da prestação que eu pagava (R$400,00), a conta deu R$ 550,00, total muito além da minha capacidade…Daí troquei meu imóvel, financiei um novo: o imóvel já valorizou 30% pois comprei num lugar onde vai inaugurar metrô, e o valor que eu ganhei já está superando o valor do carro. Só brasileiro (que compra carro pra mostrar pro vizinho) é que cai no canto da sereia das concessionárias e agências…

    PS: Sobra dinheiro pra eu ir pra balada e pegar um táxi, sem risco de lei seca e o escambau…

  • Ana Paula

    Oi Conrado.
    Texto muito bom mesmo. Ainda bem que exagerado…
    Abraços

  • omega

    Parabéns pelo post.
    Só faltou comentar que esse “conforto” acaba sendo afetado também pela demanda… Afinal, desde a redução do IPI, o trânsito, que já era caótico, virou uma bagunça – parece que os carros literalmente multiplicaram da noite para o dia…
    Daí, de que adianta ter um carrão que faz de 0 a 200 em 3s? Como naquele comercial de tv “porque os sinais ficam verdes”… Tá – e o congestionamento no cruzamento, hein? Vai passar por cima?

  • Daniel

    Financei um carro a juros de 1,5% ao mês no qual o valor que eu tinha para comprar a vista, está me rendendo aproximadamente 5% ao mês em ações. É claro, que o risco de aplicações em ações é grande, mas com um bom manejo de risco, estou obtendo sucesso nessa modalidade. Neste caso saiu (e está saindo) melhor do que se tivesse comprado o automóvel a vista.

  • Rodrigo

    Poxa, cada um faz o investimento que quiser… Exite pessoas que dependem de carro para sobreviver…
    Pra que vou me matar juntando grana e pegando busão lotado por 1, 2 ou 3 anos só pra comprar um carrinho avista! Para… Financia que daqui a 2, 3 anos o carro ja estara pago da mesma forma!
    Temos que aproveitar a vida cara… Não vale a pena fica fazendo esses planos de longo prazo não! Nem sabemos se chegaremos até lá!!!
    Se vc quer um carro, ótimo! Claro que vc tem que fazer contas sabendo se tera a grana para pagar as parcelas e tera dinheiro de sobra para sua vida!
    E carro não da problema assim não!
    Se vc cuidar dele ele dura muito!
    Essas coisas de revisão em consecionárias é coisa de “burro”! eles enfiam a faca em vc e inventam coisas que os “troxas” acabam arrumando achando que realmente ira dar problemas…
    Isso não existe! Revisão somente se vc tiver carro zero e fara só para não perder a droga da garantia.. Mas pode ter certeza que mesmo seu carro zero! Irão achar defeitos duante a revisão… por isso arrancam dinheiro de vocês!!!
    Outra coisa! Pneus…
    Poxa meu… pneus zero duram cerca de 40.000km!
    E pra que comprar pneus zero e pagar 150,00, 250,00, 350,00 (Dependendo do aro do carro)
    Vá em uma borracharia boa e compra um pneu meia vida, esses pneus são pessoas que acabam trocando de rodas e acabam negociando os pneus usados com o dono da borracharia! Esses pneus custam cerca de 40,00 a 60,00 e rodam uns 20.000 a 30.000 dependendo do seu estado!
    Mas claro que vc tem q saber comprar e conhecer um pouco sobre isso!
    Agora realmente tem gente que quer ter um “helicoptero” na garagem! Compram carro só pra falar que tem… e não entendem nada disso e acabam gastando fortunas sem saberem o que estão fazendo!!!
    Agora sim eu “brindo aos burros!”
    Tenho 22 anos e meu primeiro carro esta comigo a 3 anos e meio… Sou cuidadoso e não gastei 1.000,00 de manutenção até hoje! O que gasto é com rodas, som, e coisinhas mais simples para ele…

    Vivam hoje pessoal! Parem de tanta frescura nesse mundo!!!

  • Moro em SP e só tenho três palavras a dizer sobre este tópico:
    VÁ DE BIKE.

  • Jess Carrasco

    Lucia,
    certamente seus amigos que ‘precisam’ dum carro para viajar ou são nomades ou não fizeram contas. Eu coloquei várias despesas no papel e percebi que alugar um carro para essas ocasiões é bem mais barato que manter um carro o ano todo para usar só de feriado. Além disso, esse ano teve tanta promoção de companhia aérea que diferente do ano passado, só viajei de avião e sempre pagando menos de R$ 75 por passagem.

    Madsen,
    Eu vejo dois problemas sobre ter a necessidade de um carro para se locomover no dia-a-dia:

    1) Tem gente que fala mal do transporte público sem conhecimento de causa. Que nunca tentou trocar o trajeto de carro por ônibus nem que seja para poder reclamar com mais propiedade depois.

    2) Tem gente que reclama com razão, que mora bem longe do trabalho, ou num lugar mal servido por onibus, enfim, gente com uma necessidade real. Só que um carro é um bem que além de se depreciar muito rápido, é caro. Não raro o dinheiro investido no carro seria melhor usado no aluguel / compra / troca de um imóvel. Com isso elimina-se a necessidade de ter carro, ganha-se em tempo de locomoção (que custa dinheiro, afinal você gasta esse tempo com o seu trabalho sem ser remunerado por ele) e em qualidade de vida, que não tem preço.

    Alias Navarro, você não acha que isso daria um bom post?

  • Excelente artigo, Navarro. Ainda não comprei meu carro porque simplesmente não vejo o momento nas minhas finanças, ao passo que tenho amigos às dúzias que adoram me “zuar” por ainda não tê-lo, mas vez ou outra confessam e choramingam que estão atolados até as orelhas. Aí eu fico com aquela cara de “quem está rindo agora?”
    Como você “prega”, educação financeira é tudo, e ao contrário do que 99,99% do Brasil acredita, comprar um carro não significa apenas pagar as 72 “parcelinhas” de 499,00.

  • Pan

    Perfeito. Tenho que mostrar esse post pra minha família toda onde TODOS menos eu usam o carro e apenas a minha mãe paga. A coisa está deixando a família tão mal das pernas que ela já pensa em vendê-lo :p

    Sem contar que além de tudo isso se você só usa pra ir alí na esquina durante o dia é burrice mesmo com dinheiro sobrando.

  • Vinicius

    Eu me vi totalmente nesse artigo.
    Muito bom!

  • Olá, concordo plenamente contigo, apesar de ter algumas ressalvas em relação a postura da familia, que compra o veiculo, tem de abrir mão me momentos de prazer!

    Penso que apesar de uma famila se comprometer com mais um financiamento, ela pode usufruir do veiculo para seu bem estar, curtir viajar ou apenas passear num final de semana parar um local próximo.

    Por outro lado, conheço pessoas que compraram carro e pior que isso, financiado e não usam o carro!!! e sabe porque??? Por que acham que vai gastar…rsrsrsrs é verdade!

    Mas pra finalizar, eu também sou do pagar a vista. Meu carro atual está financiado, tudo pensado com muita calma. Mesmo assim ja pensei varias vezes, como é caro mante-lo!! Infelizmente ainda estou numa situação que não posso abandona-lo, pq se eu não precisa-se, o governo ficaria sem a minha grana em todos impostos referentes a veiculos.

  • Luiz Otavio

    Tem outro problema, as ruas esburacadas, e tome alinhamento e balanceamento, se não perde pneu e suspensão e fica mais caro. O carro tem de nos servir e não ser servido. estou feliz com meu Celta 0km com ar, direção e quatro portas, pago a vista. Podia ter financiado em um ano e levaria o Corsa, mas pensei, preciso? o Celta faz tudo igual ao Corsa, levei o mais barato e estou feliz sem carnês. só levei 0km para me livrar da manutenção e os seminovos são quase o mesmo preço.

  • Bruno

    Fala Conrado, tudo bom? Vc tem toda razão, carro é “pra quem pode e não pra quem quer”, pois é como eu sempre digo, tudo na vida é custo, uma despesa, seja ela mais barata ou mais cara.
    Sempre tive vontade de ter meu próprio carro, comprado com dinheiro do meu esforço e trabalho, mas ainda não consegui, pois não é fácil manter um veículo. Meu sonho de consumo é um Honda Civic, mas ainda terei de ralar muito nessa vida pra comprar um, mas não desistirei, batalharei pra chegar lá! E espero que as pessoas entendam o quanto é complexo manter um carro, independente de ser novo ou usado. Tenho um parente que simplesmente está devolvendo o carro pra financeira por não ter condições de pagar as prestações… Então, bom senso e educação financeira é fundamental pra não cometer equívocos!!!

  • Fábio

    É por essas e outras, que resolvi investir o dinheiro em moradia do que automóvel.

    Para quem reclama do transporte público, basta usar táxi. Se vc for bom negociador, vc pode até fazer amizade com o taxista que pode baratear a passagem. Além disso, para quem não tem medo de andar de mototáxi, pode sair mais barato ainda.

    Eu, pelo menos, penso que, se as pessoas usassem mais o táxi, poderia diminuir o engarrafamento no trânsito, além de diminuir o custo da passagem.

    O problema é que a maioria só quer status, não admite e usa desculpas de necessidade e blablablá. Claro que algumas pessoas têm mesmo a necessidade do carro, mas a maioria tem carro sem necessidade. É para fazer graça mesmo. Porém, nem adianta mudar a cabeça do povo já “contaminado” pelo consumismo. Melhor deixar pra lá.

    O que mais conheço são colegas com o mesmo padrão de vida que o meu, que compraram carro e não deram conta ou que só sabem fazer mimimi por não ter 50 reais para ir no barzinho. Conheço ainda, gente que perdeu tudo de uma hora para outra.

    Eu não tenho carro e até agora não to tendo problema nenhum (tá, o único problema é que pego menos mulher, mas essas são as interesseiras que tenho que afastar mesmo de mim hahahaha. Assim, eu consigo encontrar as mais interessantes), e ainda, consigo fazer tudo o que quero (cinema, barzinho, festa, etc) sem ficar dando uma de coitado(a) falando que não tem grana ou que não tem carona.

  • Guilherme

    P.S.1. Acabei de desistir de comprar o meu!

  • Navarro, por todos os motivos citados por você eu já desisti de comprar um carro faz tempo. Acho que as pessoas muitas vezes inventam necessidades para comprar um carro e não se dão conta dos custos reais, daí a quantidade de carros semi novos a venda!

    Acredito que o segredo é esse. Poupar, comprar o carro à vista e ter dinheiro suficiente para mante-lo, caso contrário, andar de ônibus pode dar menos dor de cabeça!

  • Na minha opinão depende do seu tipo de trabalho, eu por exemplo não tenho carro mais tenho um imovel a minha casa é minha, todo paga, graças a Deus.
    Carro realmente é para quem pode.

  • EDIL TAVARES

    Na verdade gostaria de receber, por gentileza, este texto no meu endereço eletrônico. Há muito tempo tento explicar aos amigos que cometem loucuras por um carro zero quilômetro, impulsionados pela propaganda de consumo em nosso país e não encontrava as palavras corretas. Parabéns pela excelente dissertação, passei a admirá-lo e com certeza vou adquirir seus livros… Preciso alargar meu campo de visão. Sou um funcionário público da prefeitura do rio de janeiro que se contenta e se acomodou com pouco…preciso avançar em fronteiras, aceitar desafios.
    Muito obrigado pela atenção dispensada.
    Edil Tavares

  • Peter Zimmermann

    Olá

    Concordo em termos.
    Eu vendi meu último carro há aproximadamente 10 anos. Diariamente me dirijo ao trabalho usando trem, metro e trem – a mesma coisa no retorno -, se fizesse o trajeto de carro levaria até 1hora a mais. Sem falar em questões de stress blá blá blá…. Claro que usar condução também tem a sua dose de chateações mas prefiro estas (veja que não uso ônibus, o que simplesmente odeio !!!). Mas o tema é sobre custos, então fiquemos restritos a esta área.
    Em suma, carro não me faz falta no dia-a-dia.
    Já minha mulher necessita de um para trabalhar, pois a condução não a atende adequadamente (ônibus, os famigerados). Ela tinha um carro já com 12 anos que, apesar de muito bem cuidado, começou a apresentar uma quantidade grande de problemas, além do fato de o mesmo ter parado em locais difíceis, causando muita insegurança pois trafega por estradas e alguns locais ermos.
    Assim, a melhor solução foi adquirir um 0 Km, nem pop nem top, mediano, que não deverá apresentar problemas tão cedo e todos “ficamos felizes”. Claro que representa um dívida, onera, mas representa uma tranquilidade muito grande também e assim não ficamos tão “abalados” com o gasto mensal. Não compramos apenas conforto, o quesito segurança contou muito. aaahhh o velhinho passamos nos cobres prá ajudar.
    Agora, se fosse só para ter um carro para emergências, cineminha, shows, pequenas viagens, motel, churrasquinho na casa dos amigos, etc… ia ser um usadinho mesmo, bonitinho, simplinho, e fim. Carro de garagem. A gente gastaria de qualquer forma mas nada que fosse perturbar.
    É o que penso.
    Grande abraço a todos.
    Peter Zimmermann

  • Rodrigo Mattana

    Boa tarde!
    Interessante sua matéria, porém expresso minha opinião a este assunto, pouco divergente de seus Interessante tópico porém discordo de alguns fundamentos.
    Trabalho no ramo automotivo a 07 anos, e minha paixão sempre foi automóveis e derivados…
    Acredito que tolo e aquele que vê o automóvel como investimento, automóvel e
    bem durável de status, que define muito o perfil do dono pelo estado e aquilo que ele apresenta, automóvel nunca esteve ao alcance de todos como agora, vejo isto como um total crescimento económico. Mas de veras que deva adquirir aquele que realmente tenha condições para tal. Posso dar um ex. Tenho um automóvel Esportivo nacional okm e uma motocicleta esportiva de 1000 cc, custa muito mante-lá, econômicamente inviável, levei um tombinho com ela gastei $=15000, coerente seria vender, mas de que adianta vender e deixar de manter um sonho de infância que me da poucos, mas inigualáveis momentos de adrenalina e prazer!
    Se não Haveria lógica em dar duro danado pra adquiri-lá.
    Abraço!

  • Naor S. Monte

    Parabéns pelo texto! Você foi preciso e expressou perfeitamente muito do que temos comentado com amigos. O infeliz se enforca pra ter o tal carro, ou helicóptero, e fica sem dinheiro até pra cerveja com os amigos, item pra lá de essencial. Agora, convenhamos, se o transporte público fosse de qualidade, talvez muitos não fizessem essa besteira.

  • Uber

    E por que você tem carro, Conrado?
    Por que esta escolha e não alugar, chamar um taxi?
    Gostaria de ver um post que discutisse essas alternativas.
    Levando em conta que o transporte público deixa a desejar.
    Pra quem mora longe do trabalho, o que seria melhor?
    Ter um carro, alugar um, andar de taxi ou morar perto?

  • Excelente artigo, Conrado!

    Li também os 34 comentários postados até agora, e vejo que, de fato, o carro é um passivo, cujo custo não envolve apenas o valor do veículo em si, mas também todos os gastos “acessórios” que o acompanham.

    Lembro do prefácio de um livro do Louis Frankenberg, escrito pelo Max Gheringer (aquele que trata do “mundo corporativo”, em que este narra que foi até o escritório do Louis, que botou na planilha todos os custos que envolviam a manutenção de um veículo. Salvo engano, isso convenceu tanto o Max que esse daí por diante dispensou o uso de carro.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

  • Alvina Maciel

    Parabéns pelo artigo. Completo dizendo que não só para comprar carro(ou helicóptero…), o certo é pagar à vista. Quantas amigas acham absurdo ao me verem pedindo descontos para pagamentos à vista!Acham tão fácil manter um carnet atras do outro, e de repente ficam surpresas com a falta de dinheiro!
    Minha antiga empregada e seu marido compraram um Uno 0km, e agora morrem de medo de perderem os empregos, e não sabem como pagarão o IPVA e demais taxas.Tem uma dívida para os proximos anos para comprarem um bem do qual eles pouco poderão utilisar. Onde achar dinheiro para o combustível?
    Agora é bem verdade que nossos governos não se preocupam em manter um transporte público eficiente, daí acham mais fácil reduzir o IPI e endividarem os incautos.

  • Quero primeiramente parabeniza-lo pelo artigo, e concordo plenamente, meu carro é um Ford 91 ele já esta´velhinho e precisa de uma reforma, por estar quase se livrando do famoso “IPVA” creio que compense dar uma geral e ficar com ele mesmo, ao invés de comprar um carro financiado, e pagar por dois, deixando minha familia em segundo plano, eu acho que a bicicleta pra fazer um revezamento com o carro também é muito bom, eu já faço isso a um bom tempo, indo e voltando do trabalho, o problema maior de tudo isso ainda são os altos impostos.
    Um garnde abraço, gostei muito dos assuntos de seu Blog!

  • Pingback: Governo divulga lista com os 22 carros menos poluentes! | Almanaque do Bem()

  • Eu que nunca tive carro, nem ninguém minha família (exceto meu irmão que adquiriu um usadérrimo tem um ano) estava pensando em tirar carteira e comprar um usado bem baratinho para poder usar de vez em quando (sair à noite ou viajens curtas) já estou desisitndo.

    Eu nunca gostei muito de carro e e sempre soube que não valia muito a pena. Sai muito caro. Mas como penso no conforto e na vantagem de não ter de ficar quase uma hora esperando ônibus ou andar esmagada feito sardinha, ou ainda ficar empenhada porque depois de tal hora (muito cedo da noite no meu caso) não ter mais transporte eu estava cogitando investir em um automóvel. Agora fiquei com mais dúvida ainda se valerá a pena.

  • Agnaldo

    Pra quê carro se você pode comprar uma moto para trabalhar? Enfim faça as contas direito, opção tem, mas tem que saber usar a cabeça, por exemplo: Se a pessoa trabalha longe de casa usaria a moto é claro, mas se gosta de carro, deixe o carro pra passeio e vá trabalhar de moto. Assim você não gasta tanto com manutenção, gasolina e etc, e vai poupar seu bolso, e vai conseguir pagar o carne no final do mês, porque com 1.000 reais você compra uma moto brincando, e não gasta tanto quanto o carro!

  • Natália

    Olá Navarro!

    Foi Deus quem colocou seu artigo para eu ler nessa linda manhã! Ontem eu e meu esposo discutíamos sobre a compra de um carro! Eu (mulher e economia se repelem) queria era comprar, que se dane a prestação! Falava assim: “Se tiver a conta pra pagar, a gente se vira e paga! Vamos pegar um usado e parcelar em 48 vezes SEM ENTRADA!!!”
    Já meu marido dizia: “Vamos juntar e comprar à vista! Compramos um bem baratinho agora, para a urgência, e dps vamos juntando até conseguir o dinheiro e ir melhorando o carro!”
    A questão é q precisamos de uma carro nesse momento. Meu esposo é músico, trabalha de madrugada, e geralmente usa táxi para isso. Mas além de caro, é mto perigoso, isso qndo o taxista não atrasa e faz ele perder a hora com a banda…
    Depois que li seu artigo mudei de idéia… vamos esperar!! Vamos comprar um fusquinha, que não precisa de seguro, não paga IPVA e a manunteção é feita com um arame e um alicate rsrsrsrsrsrsrsrs. Enquanto isso guardamos todos os centavos q sobrar para ir subindo de degrau em degrau até chegarmos ao tão sonhado carro zero COMPRADO À VISTA!!!
    Vc foi mais que um consultor de finanças para mim, foi quase um guru!!
    Obrigada e parabéns!!!

  • J.Baiano

    Reforço o comentario do J.noronha: Um vizinho meu tem um captiva lindo, completão. Aos domingos ele coloca a familia e crianças dentro do carro e sai para passear durante o dia aqui no sertao do norte do espirito santo (40º na sombra) e… … Ele anda com os vidros abertos porque o ar condicionado aumenta muito o consumo de combustivel. Mas o orgulho dele é falar que tem um captiva

    • Babalu Soares

      kkkkkkkkkkkkkkkkkk… tenho pena!

      • Diego

        é galinha então , porr4 ? , só fala sem nexo , parece atroiada .

  • Leda

    gostei demais de ler e aprender a trabalhar as finanças,tinha esta necessidade.obrigado

  • Maurer Aleixo

    PARABENS muito boa a materia escrefveu descentemente e acima de tudo de forma inteligentissima, se 1/3 e eu digo 1/3 denovo da população brasileira (nem vou comentar dos filhos capitalistas la fora como os paises de primeiro mundo)pensassem como você meu querido, esse país seria bem melhor.. e pesso um momento seu agora para rirmos juntos, daqueles trouxas (com o perdão da palavra) que hoje tem seus carrões importados, maquinas possantes e relacionamento familiar um LIXO, o camarada com certeza nem sabe o nome de seu filho direito, as notas que o mesmo tem na escola mas os vizinhos estão de olho no seu “possante”, é lastimavel como coisas que parecem ser pequenas como essa movimentam uma engrenagem de desencontros, eu diria “des-harmonia” provocando hoje o que nosso país é.
    Mas ainda acredito em nossa salvação, ESTUDAR POVO ESTUDAR, ampliem seus horizontes e comecem a ser mais HUMANOS. Excelente !!!!

  • Guilherme Grünfeldt

    Moro em Pouso Redondo/SC, tenho 20 anos, curso Administração, e gostei muito do seu texto, pois estou em uma fase da vida na qual todos os jovens tem o desejo de conseguir comprar seu carro. Concordo plenamente com o texto, encaro a compra de carro como algo para poucos, para quem realmente tem condições de manter um padrão de vida e não apenas se deixar levar pela emoção de um carro. Carro é bem passivo, só desvaloriza, e faz com que, pelo menos, 50% das pessoas endividadas estejam nesta situação por ter financiado um veículo.

    Parabéns pelo texto, li pela primeira vez um texto seu e fiquei muit feliz por falar a respetio de um assunto tão importante, mas que as pessoas preferem não encarar a realidade em função de um sonho que, mais tarde, se tornará um pesadelo.

  • Adriana

    Olá,
    Gostei muito do seu artigo, e olhe que tenho muita coisa em comum com você. Faz quatro anos que me planejo para comprar um carro, entrei em um consórcio, que mesmo com a taxa de administração, ainda sai bem, bem mais barato do que um financiado. Mas durante esses quatro anos escuto muito: você não tem um carro porque não quer, tá empregada tem salário fixo, com tanto financiamento, coisa fácil… Mas então resolvi ter paciência e não dor de cabeça, por que quero um carro para poder andar, curtir aproveitar, ir dormir sem pensar nas contas do mês ou dia seguinte e sim ficar sonhando com as possibilidades que este bem possa me proporcionar.
    Beijos,
    Parabéns pelo artigo e claro um brinde aos/as burros/as.
    Adriana

  • gustavo

    Parabens pelo artigo, tenho 27 anos sempre pensei em comprar um carro, tenho um fusca 82 a 7 anos, nao da manutençao me leva onde eu quero e nao da problema,so pago seguro obrigatorio e licenciamento, nao paga mais ipva, procuro sempre deixar ele em ordem, tem amigo meu que comprou carro financiado por 7 mil, gastou +7 mil, e vendeu por 6,500,00 resumindo so tomo ferro, a ainda certo dia veio comentar comigo deixar de ter o meu bom e velho fusquinha, pra comprar um carro mais novo, ah sem chance ne, no fim do ano passado peguei meu 13 dei de entrada em um terreno que ja se valorizou +- 3,500,00.
    tenho carro e moto, ambos bem pagos sem dever nada a ninguem.
    carro novo so em caso de necessidade mesmo tipo , vendedor, usa o carro diariamente.
    abraços

  • Janson Fliegner

    Excelente artigo! Deveria haver um fator de cálculo chamado: “NÍVEL DE VAIDADE DO COMPRADOR” na hora de comprar um carro.
    Agora, é um tanto hilário ver um artigo tratando de um assunto desta natureza com os “banners” dos anunciantes ao topo. E por acaso de quem?

    Da FIAT e da Citroen, kkkkkkkkkk

    O mercado tem que girar…………….

  • Navarro!!!

    Eu tb tenho minha história pra contar… haha.. (na verdade, eu já contei no blog, toda a saga da compra do meu Uninho 94).: à vista, sem dívidas, com manutenção baixa e enfrentando todas as pessoas brigando comigo dizendo q eu devia comprar um carro novo…

    Pra quê? Pra pagar o valor de dois carros no final do financiamento e chegar lá com um carro q já vale a metade? Ficar cinco anos sem ter dinheiro para estudar, viajar, fazer outra coisa pq meu orçamento está esganado com o carro?

    Pois é, infelizmente ainda poucas pessoas entendem. Comprar um bem durável à vista está fora do senso comum.

    Mas tb, pudera, a facilidade do crédito e o governo ainda incentivando com redução de imposto (o com o que mais a indústria automobilística exigir) faz as pessoas meio que se sentirem ‘na obrigação’ de terem um carro hoje. Preocupante.

    E tem vários outros aspectos que ainda precisam ser abordados: sustentabilidade, qualidade de vida.. mas aí já é outro post, né?

    Espero os próximos posts arrasadores 🙂

    Bjo!

  • Celina Dias

    Mais um artigo para a gente pensar na responsabilidade que devemos ter com o nosso dinheiro, tão difícil de se ganhar hoje em dia.

    Para facilitar a vida dos meus queridos amigos, já encomendei meia dúzia de exemplares do livro do Conrado Navarro, “Vamos falar de dinheiro? ” , que vai ser meu presente de Natal e final de ano para quem eu gosto muito.

    Parabéns pela iniciativa de tentar nos educar financeiramente, com certeza este espaço modificou a minha vida e a de muita gente.

    Forte abraço a todos.

  • Flávio José

    Alguns dizem que o carro traz a tão sonhada liberdade de ir e vir.

    Liberdade ?

    Em São Paulo a exemplo de óntem (04/12/2009) em que após uma chuva de 30 minutos vimos um trânsito de 218Km. Isso é mais da metade da distância entre SP e RJ (429 KM). Num esquentem a cabeça que mais uns 2 anos nós estaremos tomando água de coco em Ipanema. rsrs

    Mobilidade em horário de Pico : Péssima
    Mobilidade em dia de chuva : Horrível
    Mobilidade em horário de Pico num dia de chuva : Tem nome pra isso ?:

    Estacionamento : Quem vai pra bairros comerciais paga 10, 12, 15 por hora.

    IPVA : É a facada que todo começo de ano

    Manutenção : Qualquer coisinha que da defeito é R$ 100,00 ou mais.

    Junta-se isso a uma das 72 prestações que vão consumir boa parte do seu orçamento.
    Mais as viagens que o feliz proprietário não fazia e agora passou fazer para fazer uso do seu novo carro e colocar ele a prova.

    Desde começou esta crise vi um monte de gente “doando” seu carro que estava metade pago e não tinha como continuar pagando. Alguns simplesmente abriam mão daquilo já pago só pra poder se livra da dívida futura. Isso é muito triste quando uma pessoa abre mão de um sonho que lutou tanto pra conseguir.

    Resumindo, programe-se, economize, conteste, PENSE antes de comprar qualquer coisa na sua vida. Isso vale pra algo pequeno como um par de sapatos a algo grande como uma casa.

  • Marcelo

    Sou um cara simples, considero que estou na classe média-baixa e sempre andei de busão. Por 5 anos eu e minha mãe juntamos dinheiro e em 2007, conseguimos comprar um Mille 2006 a vista. Para falar a verdade, só ando de carro para faculdade e trabalho quando vou chegar tarde em casa ou em horário que não passa ônibus. Minha vida não mudou muito por causa disto, a diferença agora que tenho mais conforto para escolher as matérias da faculdade e posso ir para a casa da vovozinha nos finais de semana de automóvel.
    Os custos aumentaram sim, mas como consegui um trabalho logo depois de ter comprado o Mille, a situação financeira melhorou em vez de piorar. Agora se tivesse comprado, digamos um Vectra 1999 (quase o mesmo preço do Mille na época), estaria bem enforcado agora mas com um carrão na garagem.

  • Oi, passei pra conhecer o blog, e desejar boa semana
    bjsss

    aguardo sua visita 😉

  • ander

    caberia um artigo semi novos x carro zero..
    muito se fala da compra mas que tal levantarmos a lebre do carro semi-novo?
    abs
    Anderson

  • Thiago

    Ter trocado meu carro semi-novo financiado por um Fusquinha foi provavelmente o evento que marcou minha virada financeira. Eu estava trabalhando para o carro, e não o contrário. Não sobrava grana pra nada. Agora, vou segurar meu Fusca por um bom tempo, quem sabe até conseguir minha independência financeira.

  • ander

    Concordo plenamente com o texto e defendo estas idéias a muito tempo.
    Por outro lado o que não é levando em conta é que para muitos o carro não é simplesmente um meio de transporte, se fosse só isso poderíamos tranquilamente reduzir nossa frota em pelo menos 50% que nada mudaria, o carro para muitos é um hobby, uma fonte de alívio do stress do dia a dia, alguns preferem gastar em festas, viagens, coleções seja lá o que for.
    pelo menos para mim o “mexer” no carro e o ato dirigir, é um ritual onde esquecemos dos problemas …. a locomoção é uma mera consequência rsrsrs
    abs

  • Pingback: Pagar juros ou recebê-los? Você decide! | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos()

  • Muito bom Navarro!!!

    Mandei para uma série de amigos meus que estão prestes a fazer essa besteira… “comprar um carro de todo jeito, senão nunca vai conseguir comprar!”

    Gostei demais do seu artigo e esse ano vou ler todos os outros pois estou poupando para comprar o meu carro!!

    Abraço,
    Tiago Torres
    Recife-PE

  • excelente post, kibei seu rodapé no meu Orkut Profile.

    Saiu um artigo no G1 do presidente BID informando que a abertura de crédito como esta sendo feita hoje poderá levar a mais uma nova crise de crédito…
    O.o
    E Agora Jose?

  • Pingback: Valores Reais » [via Blog Elas & Lucros] Mara Luquet: “Meu carro tem 10 anos de uso”()

  • Pingback: Valores Reais » Como avaliar se *qualquer coisa* tem uma boa relação custo/benefício()

  • Vanilson Araujo

    Fantástico! Digam isso ao cara que bateu no meu carro! Nem o valor da franquia do meu seguro (reduzida) o infeliz tem condições de pagar! Como deixam esse povo andar nas ruas? SEGURO ERA PRA SER OBRIGATÓRIO EM TODOS OS CARROS!!!

    Um abraço.

  • Pingback: Como Escolher o Primeiro Carro ou Trocar Sem Erro | Automóveis | Feio Forte e Formal()

  • Pingback: TV Dinheirama: Quanto realmente custa ter e manter um carro? | Destaques | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos()

  • Patricia

    Rodrigo
    comentou em 01.12.2009 às 13:31..
    eu concordo com seu texto…
    esse povo é cheio de mimimi… DÚVIDO que aqui ninguém tem carro….

    Faça o que eu digo mas não o que eu faço!! #hipocrisiaModeOn!

    • Roberto Ferreira de Lima Junio

      “DÚVIDO que aqui ninguém tem carro…”,
      .
      .
      ….
      Não tenho carro, ando de ônibus, controlo minhas finanças e tenho poupança.

  • ANDERSON

    Patrícia a questão não é ter o carro, e sim qual carro, valor, condição de ter um, modo de pagamento etc.
    Se eu ganhasse R$2.000 por mês e tivesse uma família para sustentar, teria no máximo um fusca, porém o que se vê é esse pessoal comprometendo sua renda em um Celtinha básico zero km, que se bater ou estragar vai ter que encostar na garagem ou entregar para a financeira…
    SE NÃO TEM GRANA PRA SEGURO NÃO TENHA CARRO! isso deveria ser LEI !

  • chaeltre on

    Concordo plenamente com você e o admiro por ter inteligencia financeira. Quero muito mas muito um carro entretanto ganho pouco e minha prioridade é a universidade. Quando puder ter um vou fazer como você fez. Quem pode ter carrão, graças a Deus! Eu tô querendo é um veículo pra me locomover e dar conforto pra minha família.

  • Carlos Magno

    Simples e direto. Parabéns…

  • Leandro

    Excelente artigo! concordo com quase tudo, exceto a sua escolha ao gastar seus 45 mil em um carro 0km. Gosto muito de carros também como um hobby, e não só para locomoção, e sempre falo pra todos que perguntam minha opinião sobre qual carro comprar: só vou comprar carro 0km no dia que eu tiver condições de limpar a bund@ com dinheiro. Pra mim, comprar carro 0km a vista é burrice, pois no mercado de usados há muito mais possibilidades de barganhar e conseguir bons descontos, além da depreciação acelerada dos 0km nos primeiros anos. Como foi dito no artigo, você poderia comprar um semi-novo de categoria superior, mas também poderia comprar um de mesma categoria por um valor bem menor. Claro que estou falando de 0km, visto que os juros pra 0km são bem menores. Mas também acho que, quem compra um 0km sem dar ao menos 40% de entrada, não deveria comprar um carro. E se tem 40% para dar de entrada, pegue este dinheiro e compre um usado de menor valor a vista! Basta pesquisar bem!

  • Pingback: Governo divulga lista com os 22 carros menos poluentes! | Nerd Corporativo()

  • Babalu Soares

    tenho vizinhos que estão literalmente comendo arroz com ovo pra ostentar um prisma zero na garagem e ainda te olham de baixo pra cima!!!!!!!!! Fora aqueles que aparecem com um Honda Civic usado achando que estão com um Maseratti!!!!!!! Aff!
    Tenho pena!!!!!!!!