O grande segredo de ter metas financeirasSituação A
Você quer realizar uma viagem no começo do ano que vem com a sua família. Faz cálculos acerca dos custos envolvidos, tais como preço de passagens/combustíveis, diárias de hotel, passeios a serem realizados etc. Cota a mesma viagem em diferentes agências de turismo e chega ao valor total estimado de cerca de R$ 3 mil. Para realizar esse sonho de lazer, calcula que terá de poupar e investir aproximadamente R$ 250 por mês, em uma aplicação segura que renda juros, como a caderneta de poupança.

E começa já esse mês a construir o seu plano de férias[bb], a fim de tornar viável a realização da viagem no ano que vem, fazendo esforços coletivos, ou seja, com a família, por meio de corte de despesas desnecessárias no orçamento doméstico e mais disciplina com as contas e gastos do dia a dia. Tudo com o objetivo de conseguir realizar a viagem dos sonhos.

Situação B
Você quer comprar a casa própria em 5 anos. Consultando seu planejador financeiro, chegam juntos à conclusão de que, diante das alternativas de investimento[bb] atualmente disponíveis e levando-se em consideração sua situação financeira atual, a melhor opção é o pagamento do imóvel à vista. O imóvel que você planeja comprar custa cerca de R$ 100 mil. Logo, você conclui que é necessário poupar R$ 1.500 por mês e investir esse dinheiro em uma aplicação conservadora, como um fundo referenciado DI com baixa taxa de administração.

Animado com a possibilidade de alcançar essa meta financeira e vendo que a empresa em que trabalha tem um sistema de promoção em que o aumento de escolaridade proporciona um aumento real de salário, empreende desde já esforços no sentido de fazer cursos de reciclagem profissional. Afinal, tais cursos lhe promoverão no emprego, aumentando seu salário e, por conseqüência, incrementarão a disponibilidade de caixa existente para dar impulso ao planejamento e conquista da meta de aquisição do imóvel.

Dadas as situações, pergunto: o que ambas têm em comum? Intuitivamente, percebemos a existência de um objetivo financeiro, uma meta a cumprir: em um caso, financiamento de uma viagem, em outro, a compra de um imóvel. Ocorre que não é somente isso. Para a realização de tais metas, ambas as situações exigem a construção de planos de ação, ou seja, elas envolvem o planejamento. E o que é necessário para que o planejamento dê certo e a meta seja alcançada? Simples: o plano precisa “sair do papel”. Uma vez estabelecidas as premissas para a viabilização dos objetivos, é preciso agir!

Na primeira situação, a família deverá rever seu orçamento mensal, cortando despesas desnecessárias e diminuindo o valor das contas de consumo (energia, água, gás) a fim de fazer com que haja sobras no final do mês que possam ser aplicadas no investimento programado à finalidade específica – as merecidas férias.

Na segunda situação, o profissional que quer ter o imóvel próprio e sabe que a empresa valoriza os funcionários que mais estudam, deve criar espaço em sua agenda não só para freqüentar o curso que lhe dará direito a uma promoção no trabalho[bb], mas também motivar-se para saber que o aprimoramento profissional também lhe trará benefícios para a sua vida pessoal, traduzidos na aquisição da casa própria dentro do prazo estabelecido.

Refletindo sobre essas situações hipoteticamente descritas (mas cujos desejos podem muito bem ir ao encontro dos nossos) em um nível mais profundo de análise, finalmente conseguimos descobrir o grande segredo de ter metas financeiras: o segredo não reside no futuro que elas descrevem, mas sim nas mudanças que provocam hoje, aqui e agora.

A partir do momento em que você aspira a realização de um sonho qualquer, cuja realização se encontra no futuro (não importa se mais perto ou mais longe), percebe que, para torná-lo concreto, necessita praticar determinadas ações no presente. É preciso ter um comportamento ativo para a materialização do sonho. Assim, para conseguir uma aposentadoria financeira confortável, não basta ficar imaginando um futuro cheio de mais tempo para você e sua família, mas sim investir dinheiro hoje para que tal meta seja passível de realização.

Da mesma forma, para ter um patrimônio em ações bem construído e sólido, não basta especular quanto será o preço da ação “X” ou “Y” daqui 10 ou 15 anos, mas sim estudar hoje todos os aspectos importantes que envolvem esse tipo de investimento, tais como mecanismo de funcionamento da Bolsa, balanço patrimonial das empresas em que se quer investir etc. E efetivamente investir na Bolsa[bb].

Se a sua meta financeira for acabar com as dívidas, não basta ficar imaginando a sensação de alívio que terá no futuro ao “sair do vermelho”, mas sim procurar hoje meios de se ver livre dos problemas o quanto antes, renegociando as dívidas com as instituições financeiras, procurando orientação de especialistas etc.

Enfim, como diz acertadamente o Conrado Navarro, a educação financeira deve ser incorporada ao estilo de vida das pessoas que têm ambições e visões de futuro acerca de suas finanças. As mudanças que você provoca em sua vida do dia a dia por meio de eliminação de consumo excessivo, planejamento de compras mais conscientes, aplicação em investimentos mais coerentes com seu perfil de risco, necessidades pessoais e horizontes de tempo, dentre outros, são os grandes ingredientes que farão com que você consiga “acertar o ponto” nessa “receita de bolo” que permitirá que você alcance seus objetivos.

Meu desejo é que você, ao ter metas e visões financeiras realizáveis e factíveis – afinal, a meta não pode ser tão ambiciosa a ponto de exigir um esforço impraticável, nem tão pequena a ponto de desestimular o trabalho de buscá-la -, faça modificações positivas no seu cotidiano a fim de não só realizar o sonho um dia planejado, mas também ter um estilo de vida financeiramente mais saudável e próspero. Não apenas no futuro, mas igualmente no presente. Aqui e agora.

É isso aí! Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

PS: a minha fonte de inspiração para a elaboração desse artigo foi o livro “Faça Tudo acontecer”, de David Allen. Se quiser conhecê-lo, leia a resenha do livro em meu blog (clique aqui).

Crédito da foto para stock.xchng.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • É isso aí, a educação financeira tem que se tornar mesmo um estilo de vida. É um caminho sem volta: você aprende e nunca mais esquece, além de tomar gosto pela coisa e começar a acompanhar os mercados e a economia em geral. Legal isso de as metas futuras terem impacto no presente. Meu exemplo: quero morar em Recife daqui 5 anos (sou de SP). Sei que lá, o mercado de jornalismo tem foco em assessoria de imprensa. Logo, quero terminar a faculdade aqui e ter experiência nessa área, pra poder ir pra lá tranquila. Ah, e começar a investir também para atingir essa meta, assim que conseguir meu estágio (nem que seja 100 reais por mês). 😀

  • Pingback: Valores Reais » Os malefícios da televisão na descompressão diária do trabalho – e como fazer para eliminá-los()

  • Leticia

    Hotmar, gostei muito do artigo. É sempre bom refletir sobre as nossas metas e fazer os ajustes necessários. A minha meta é quitar o financiamento do meu apartamento em quatro anos, no máximo cinco. A educação financeira é algo qque praticamos todos os dias, e nem sempre acertamos. Tropeços acontecem, devemos ficar atentos a eles para que não se repitam e nunca esquecer do objetivo principal.

  • Thaís, ótimo comentário! 😀

    É muito legal observar que o estabelecimento de uma meta – morar em Recife daqui a 5 anos – está tendo repercussões positivas no presente – dentre as quais freqüentar cursos sobre investimentos, economizar dinheiro, montar um blog (muito bacana, por sinal!).

    São passos importantes que, bem conduzidos, lhe permitirão atingir com folgas suas metas de longo prazo. Parabéns e continue assim! 😀

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Letícia, obrigado pelo comentário!

    Concordo que a educação financeira é um processo, onde as lições precisam ser extraídas não só para que os erros sejam corrigidos e evitados, mas também para que haja manutenção nos acertos envolvidos, a fim de que o caminho para o cumprimento das metas seja atingido de forma aprimorada e, quem sabe, até antecipada! 😀

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Sem súvida eu acredito na educação financeira como o pontapé inicial para formar as bases psicológicas e trabalhar a postura em relação ao dinheiro. Com o tempo o indivíduo aprenderá também sobre os investimentos que existem e a longo prazo deverá atingir patamares muito melhores do que atingiria sem essa consciência financeira. No meu blog sobre investimentos e sustentabilidade também postei essa semana sobre isso. O site é http://investimentosesustentabilidade.blogspot.com/ e estão todos convidados a lê-lo e participar. Abraços.

  • Pingback: uberVU - social comments()

  • Jones

    Ainda bem que conheço esse blogs a tempos, pois iria me arrepender de perder um post desses ;DDD
    “Reply Mode On!”

  • Jones

    Forward*

  • Mais um excelente post! É essencial ter uma planeamento com todos os objectivos, sejam eles de curto, médio ou longo prazo.

    Não é possível querer tudo de uma só vez. É preciso tomar decisões importantes para que tudo corra pelo melhor nas nossas finanças pessoais.

  • Bruno, Jones e “Como ganhar”, fico feliz com os comentários! 😀

    O aprendizado é uma das bases fundamentais para construção de um patrimônio atrelado à conquista de objetivos tangíveis. E vamos que vamos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Ricardo G. Jabali

    Excelente artigo!
    Bem básico mas esclarecedor e motivador.
    Parabéns!!!
    Me levou a pesnsar que é exatamenteo que estou precisando, metas para ter algo concreto e objetivo para perseguir.

  • Pingback: Escolhendo produtos através da relação custo/benefício | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos()

  • OI MONTEI UM BLOG A POUCO TEMPO E NAO SEI MAIS OQ FAZER PARA OBTER VISITAS E SEGUIDORES ENTÃO SE VOCE PUDER ME DAR UMAS DICAS EU FICAREI MUITA GRATA dicasdetrabalho1982.blogspot.com
    por favor eu realmente preciso que me ajude, gostaria que me dissesse oq esta faltando e oq esta bom obrigado

  • Pingback: Escolhendo produtos através da relação custo/benefício | Mais Com Menos: vida simples e prosperidade sustentável()

  • Pingback: Valores Reais » Resenha: Gerencie sua mente, não seu tempo, de David Allen [GTD]()

  • Pingback: Minha retrospectiva 2010 aqui no Dinheirama | Finanças Pessoais | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos()

  • Daniela Souza

    parabéns pelo artigo…..
    e me levou seriamente a pensar no que estou fazendo financeiramente,preciso seguir essas dicas,obrigado!!

  • Eliana

    Bem, então acho que estou no caminho certo, tenho procurado economizar nos últimos 24 meses, pois quero comprar um carro, e não quero me complicar no financiamento, quero dar pelo menos 50 % de entrada e com fé em Deus eu vou conseguir logo.