Riqueza: ser rico sem ser milionário ou pensar em dinheiroRiqueza é um estado mental que se reflete em nossas atitudes, amizades, família e trabalho. Começo a perceber que a consequência para uma mente verdadeiramente rica é o dia-a-dia com qualidade de vida. Não consigo acreditar que o profissional bem remunerado que precisa carregar dois, três celulares e trabalhar 14 horas por dia seja uma pessoa rica. Ser rico é muito mais do que ter muito dinheiro. Você, o que acha?

A cada dia que passa fico mais convencido de que a riqueza[bb] não é uma busca, mas uma simples constatação. Ser rico é desfrutar o dia, sorrir para o estranho e usar palavras carinhosas para descrever seu amor à família; é viver ao lado de quem nos faz bem, perto de quem nos quer bem e podendo desfrutar de manias, momentos de reflexão e algum trabalho.

Ser rico é ter tempo para ser você, sem culpa pelo que abdica para que essa realidade se apresente.

A tecnologia avança, as barreiras deixam de existir. Fica fácil negociar com qualquer um, em qualquer lugar do mundo, a qualquer hora. O celular funciona como plataforma de trabalho e dele podemos extrair relatórios, fazer conferências e até mesmo comprar e vender ativos. Chamam isso de liberdade?

E o e-mail e o SMS que tiraram o charme da comunicação escrita? A mensagem sai daqui e chega lá num piscar de olhos, não dá tempo de se arrepender. Não dá tempo de dar tempo ao que realmente se pretende tecer com as palavras. Teclamos, teclamos. Se a resposta não chega em minutos, recebemos outra mensagem. Ou o telefone toca. A hiperconectividade gera ansiedade, qualquer medida é urgente, toda demora é digna de repreensão.

Não me admira que existam técnicas diversas para dar conta da “Caixa de Entrada”. Respostas a e-mails em poucas linhas, organização em pastas, respostas em lote. Como também existem técnicas para realizar reuniões mais rápidas, para usar melhor o telefone celular ou o computador. E quem ensina a amar? Quem ensina como valorizar a família? Quem ensina a ser mais feliz? Rico de Verdade, como bem diz Roberto Tranjan, é outra coisa.

Gerações passadas aproveitavam o domingo para reunir a família em torno de deliciosas pamonhas. Quem conhece a receita da pamonha sabe que é épico e demorado o trabalho para transformar o milho neste delicioso doce. A família sabia disso e fazia da tarefa na cozinha um momento de comunhão. Passavam o dia cozinhando, conversando e, mais importante, curtindo uns aos outros. O telefone não tocava, não existia ou era item de luxo. Não havia MSN.

Hoje existe uma profusão de restaurantes tipo Self-Service. O almoço de domingo dura pouco mais de uma hora, com os jovens reclamando da demora – a vontade de isolar-se no computador, em casa, é imensa – e os mais jovens grudados aos Nintendos DS[bb], iPhones enquanto esperam pela comida. A isso o genial educador Mário Sérgio Cortella chama de “despamonhalização da sociedade”.

Cabe lembrar a situação do profissional nas empresas. Em muitas delas, o funcionário tem apenas uma hora de almoço. Precisa correr, comer, corresponder. Regras. Procedimentos. Horário. Como ser humano sendo chamado de recurso? Humanizar as relações profissionais é tema urgente, como muito bem defende Bernadette Vilhena e Eduardo Cupaiolo.

Parece não haver saída, só justificativas. Resta aceitar o sistema (palavra da moda) porque dele se obterá recursos financeiros suficientes para melhorar o padrão de vida familiar, para viajar mais, para comprar isso, ter aquilo. Para morar em uma casa maior. Para dirigir um carro melhor. Infelizmente, para muitos a riqueza tem apenas fins de inclusão social. Ostentar para parecer mais. Para ser e fazer sombra.

Enquanto isso cada vez mais casamentos terminam, disfarçados pelos problemas financeiros, uns tantos filhos se apoiam nas drogas para experimentar o novo e carreiras promissoras são encerradas por delicados traumas psicológicos e de saúde. O arrependimento invade o lar como um tsunami e passa arrasador, levando consigo o significado de família, seus retratos felizes e momentos marcantes.

Nestas situações, o inventário é sempre triste: faltou o diálogo sincero, sem que alguém sempre precisasse ter a última palavra; faltou ouvir; faltou chegar em casa mais cedo e surpreender quem se amou com uma flor; faltou sujar-se na cozinha[bb] tentando fazer uma receita para o jantar familiar; faltou rir mais; faltou dizer “obrigado”, “por favor” com mais frequência; faltou ser criticado sem retrucar; faltou ser humilde.

Faltou ser fiel ao princípio básico da riqueza: enriquecer também o todo que nos cerca. De que adianta acumular dinheiro enquanto a família se desagrega? Achar possível que o dinheiro compre carinho, admiração e felicidade é ser ingênuo. Para estes, o dinheiro serve apenas como consolo, um misto de culpa e tristeza.

E daí? Onde é que tudo isso se relaciona com as finanças pessoais, tema principal deste espaço? Por que o desabafo? Dinheiro não pode ser problema, tem que ser solução. Ora, a riqueza pressupõe equilíbrio para que seja sustentável. Se tiver que escolher, escolha a qualidade de vida. Sempre. Se tiver que recomeçar, mudando inclusive de cidade e profissão, faça-o. Não hesite, aconteça. Se for chamado de hipócrita, ria. Sorria.

Ser rico não é ter a conta bancária recheada, o apartamento mais luxuoso e a roupa da moda. Ser rico é suspirar ao ler este artigo, deixar que os olhos fiquem marejados se isso trouxer algum conforto e permitir que a mente lhe encha a imaginação de flashes. Como é bom estar vivo, não? Pois o rico é estar vivo e despertar nos outros esta sensação. O dinheiro faz parte, depende de você ver nele possibilidades de ser mais feliz.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Pingback: Tweets that mention Riqueza: ser rico sem ser milionário ou pensar em dinheiro | Destaques | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos -- Topsy.com()

  • FabioL

    Segue também um post de assunto relacionado que gostei bastande do blog do leitão

    http://leitaoemacao.wordpress.com/2008/09/14/rico-vs-pobre-por-leitao/

    Abs,

  • Gonçalo Cabral

    Grande, grande, grande texto!

  • LEE ANDERSON

    Me senti Rico lendo este artigo! Parabéns pelo excelente artigo.

  • Carmen.

    Meu filho,

    Acabo de ler o seu artigo e não posso deixar de dizer o quanto você me enriquece a cada dia.

    A simplicidade e coerência com que você exprime seus pensamentos e sentimentos ao espalhar noções de riqueza interior por todo o mundo cibernético só fazem aumentar o meu orgulho e a minha certeza de que o seu trabalho é abençoado por Deus e por isso tem trazido tanto reconhecimento e retorno.

    Riqueza realmente não é e não deve mesmo ser a razão da busca, mas estará sempre esperando pelo caminho em direção ao objetivo que traçamos para nós, quando ele é claro e justo.

    Que Deus o abençoe sempre e continue iluminando o seu caminho com toda a riqueza necessária para a sua felicidade.

  • Navarro,

    Parabens pelo artigo… os pontos que você argumentou vão exatamente de encontro a minha visão Rico… acho que essa postura que vc disse deveria ser ensinada aos nossos executivos.

    Felizmente muitos já adontam essa postura o livro o “Jeito Mormon de Fazer negocios fala sobre homens de muito sucesso financeiro que não deixaram os valores familiares de lado se vc ainda leu… leia tenha certeza que vai gostar da leitura.

  • Ana Paula

    Grande texto!
    Parabéns!

    Vale sempre a pena lembrar que ainda existem ‘outras riquezas’ dentro de cada um de nós.

    Nada como um bom fds, ao lado de pessoas que amamos ou apenas lendo um bom livro. Riqueza que náo tem preço.

    Abraço.

  • Josiclei Silva

    Parabéns Conrado… esse foi o dos seus melhores textos. Realmente nos faz perceber que na vida a maior riqueza não custa nada.

  • Thiago-U2

    Muito contundente esse texto. Relata muito bem a realidade, além de ser comovente.

    Brilhante, bravo, excelente texto, Conrado.

  • Éverton

    Brilhante, parabéns

    • Amigos, queridos leitores, obrigado pelo feedback e por compartilhar da idéia de que riqueza é pessoal, subjetiva, mas principalmente sutil. Importa o que nos faz feliz e saber que o dinheiro serve para nos dar suporte. Espero que todos alcancem suas metas. Participem sempre das discussões, é um prazer tê-los aqui.
      Grande abraço.

  • Genial, parabéns pela inspiração Navarro.

    Dizem que só vamos ser felizes depois da crise da meia idade, momento em que percebemos que uma vida inteira de busca pelo dinheiro não nos satisfaz mais e começamos a enxergar as pequenas coisas. É também, provavelmente (porque não cheguei lá ainda), o momento em que enxergamos a beleza de ser criança e queremos voltar.

    Eu estava querendo escrever um post desses no meu blog mas achei o seu genial, não vejo como escrever melhor. Sendo assim coloquei uma mensagem rapidinha lá e linkei este seu post aqui, tudo bem?

    Um abraço!

  • E as lágrimas vieram foi quando eu li o comentário da sua mãe… Sensacional! Você sabe que acredito 100% exatamente nisso: ser rico de verdade é outra coisa além de dinheiro, símbolos de status e outras coisas que nos são sugeridas e que adotamos como verdadeiras.
    Espero que o grande diferencial do Dinheirama continue a ser o despertar da consciência – e a educação – que cada um dos seus autores e você, Navarro querido, colocam no ar todo dia.
    Obrigada.

  • “Ser rico é ter tempo para ser você, sem culpa pelo que abdica para que essa realidade se apresente.”

    Esse artigo me lembra o livro que comecei a ler ontem: “Mais Tempo Mais Dinheiro”

    Na maioria das vezes as coisas simples nos deixam mais realizados. Ter dinheiro e não ter tempo pra desfrutar dele é o mesmo que não ter dinheiro, ou pior, é ser alienado, já que se tem dinheiro, mas não se desfruta dele como deveria.

    Obrigado por deixar minha vida mais rica hoje. 😀

  • Alex Silva

    Amigo…..esse é o texto……falou tudo e muito mais.
    É isso que tento passar pros amigos, mas infelizmente nem todos entendem, ou não querem entender.

    Parabéns pela inspiração.

  • Excelente texto, adorei!!! Fiquei mais feliz quando cheguei no fim e meus olhos estavam marejados.

    Apesar de já ter “ajustado” um pouco minha rota para a felicidade, ainda falta um pouco e depois desse texto, com certeza o computador ficará menos tempo ligado nos fins de semana.

    Parabéns! Adoro seus artigos sobre reflexão.

  • Brilhante, Conrado, brilhante!

    Parabéns pelo excelente tempo. E aquela história da pamonha é a mais pura verdade, você tirou do baú essa, hein!?

    Sucesso a todos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  • Bia

    “E quem ensina a amar? Quem ensina como valorizar a família? Quem ensina a ser mais feliz?”
    http://www.swiss-miss.com/2010/10/the-school-of-life.html

    Achei a idéia sensacional!

    []s

  • Mateus

    Excelente texto Conrado!

    Não constumo deixar comentários, porém, tendo em vista a qualidade do artigo, não pude deixar de parabenizá-lo.

    Já repassei link para alguns amigos e familiares, para que também possam aproveitar o ótimo conteúdo do dinheirama.com!

    Abraço.

  • Sensacional Conrado!

    Que texto maravilhoso e profundo. Você conseguiu em pouco tempo dizer exatamente o que tento (com pouco sucesso) dizer aos mais próximo o que realmente é ser rico!

    Grande Abraço!

  • Parabéns pelo Texto.

    Nos faz perceber que o dinheiro só terá “valor” se “ele” for um meio de alcançarmos a Liberdade de desfrutar das coisas simples da vida!

    Abraço.

  • Muito interessante o texto!
    Me vi em vários pedaços dele….

    Parabéns

    Bruno Amaro

  • Excelente, realmente me senti mais rico, mas que deve ser bom passar em frente da loja da Ferrari e falar se eu quiser posso comprar uma agora, isso deve 🙂

    Mas o preço na saúde e família as vezes é alto demais para isso.

  • Muito bom!
    Parabéns pelo texto, concordo em gênero, número e grau em tudo que foi escrito

    Abraços

  • Anderson

    Tchê
    Acompanho a anos, posso dizer que praticamente desde o inicio deste blog e tenho certeza que este foi um dos melhores artigos teus, tocou num ponto que eu defendo a anos que é a qualidade de vida atrelada as finanças pessoais (http://administradores.com.br/informe-se/artigos/independencia-financeira-x-qualidade-de-vida/48048/) agradeço todos os dias a Deus por morar em uma pequena cidade, perto de minha família onde posso reunir meus amigos e familiares ao redor da mesa como uma tradicional família italiana, falando alto, tomando vinho e comendo o dia todo rsrsrs, conheço a realidade de SP e lhe garanto que não trocaria esta vida por nem uma outra oferta em uma grande metrópole, pq diminuiria minha qualidade de vida se já sou “rico”? apenas para aumentar o nº na conta? Não obrigado!
    Há, suas participações na VoceSA estão 10!
    Parabéns mais uma vez.

  • Artigo extraordinário, Conrado.

    Lemos diariamente artigos que nos ajudam, que trazem dicas ou que nos deixam eufóricos para aproveitar a oportunidade apresentada. Entretanto são poucos que nos fazem parar para refletir. E esse é um deles.

    Abração e muito sucesso!

  • agora eu tenho certeza que quero ser rica

  • Regina

    Conrado…Parabéns à sua mãe pela base ”rica”que lhe deu!!!…Parabéns a você pela riqueza do texto : M A R A V I L H O S O …V E R D A D E I R O !…
    Vivi os deliciosos tempos das ”pamonhas”, das pipocas em volta do braseiro no centro da grande cozinha da fazenda , escutando os ”causos” contados pela minha avó e meus pais,
    nas frias noites de junho. Quanto calor humano!… Quanta ”riqueza”!..Quanta saudade…
    Tento, mesmo no agito dos novos tempos, reunir meus filhos em almoços, cafés ou jantares
    que preparo com muito carinho.Tento trazer ao presente um pouco do passado. Passado esse que você retratou com tanta sabedoria e simplicidade.

    Grande abraço da Regina

  • Difícil evitar ser repetitivo, mas a melhor palavra já foi escrita várias vezes aqui: sensacional! Muito interessante mesmo o artigo, parabéns! Gostaria de convidar os leitores a conhecerem também o DVD Como Construir Riqueza de Forma Líquida e Certa (http://loja.comoconstruirriqueza.com.br/dinheiro-financas-pessoais.html). O que torna o projeto original e inovador é a utilização da água no lugar de números para fazer demonstrações financeiras, criando uma nova matemática financeira: lúdica, tridimensional e muito mais eficaz. No extra do DVD, uma entrevista exclusiva com Gustavo Cerbasi, na qual afirma que a busca pela riqueza é vazia por si só: “Coloque sonhos. Por mais que você conquiste patamares ou objetivos numéricos, vá sempre colocando sonhos na vida, porque a sabedoria milenar nos diz: ‘A felicidade é composta por três fatores importantes: estar com quem a gente ama, fazer o que a gente gosta e, principalmente, ainda ter sonhos a realizar.’ ”

  • Bruno Tavares

    Navarro,

    Parabéns pelo excelente artigo escrito de maneira única. Hoje temos o tempo como nosso inimigo, estamos sempre adiando aquela visita a um amigo, deixando de lembrar datas importantes como aniversários, comemorações, sempre em função da correria do dia-a-dia. Quantas vezes usamos a desculpa “Nossa, não estou tendo tempo pra nada”, e por tantas outras escutamos a mesma? Perguntamos Tudo bem para alguém por mera formalidade e acabamos por ficar irritados se a pessoa, em um raro dia de tranquilidade, resolve contar de seus problemas ou felicidades e acaba se estentendo mais do que o Tudo bem, e você? levaria.

    Estudamos enquanto trabalhamos, simplesmente para arranjar um emprego melhor, e não pelo prazer de aprender. Fazemos intermináveis jornadas de horas extras para cumprir prazos, agradar o chefe ou buscar aquela promoção. Mas realmente temos prazer nessas atividades, ou estamos buscando algo que nem mesmo nós sabemos ao certo?

    Não temos mais tempo de refletir sobre a nossa verdadeira riqueza pessoal. Gostaria que todos pudessem parar e pensar sobre o tema, talvez convidar os amigos e familiares para fazer uma pamonha enquanto conversam.

    • Gleibis Quadra

      Excelente comentário. Precisamos dar valor ao que estamos vivendo no agora. Ouço muito dizer que hoje trabalho ou estudo para amanhã poder viver, mas não posso viver e realizar outras tarefas ao mesmo tempo?

  • Bruno Tavares

    Finanças pessoas é o tema do meu TCC, gostaria de deixar o link da pesquisa que estou realizando e posteriormente compartilhar o resultado com o blog.

    http://migre.me/27nie

    Leva menos de 4 minutinhos!

    Obrigado

  • Pingback: Qualidade de vida e educação financeira | Quero Ficar Rico()

  • Pingback: O papel da frugalidade e da disciplina na construção de riqueza « Você mais rico()

  • Pingback: O papel da frugalidade e da disciplina na construção de riqueza « Mauro Beltrão()

  • saulo

    Tenho que parabenizar.
    Voce disse o q realmente importa.
    Obrigado.

  • Adorei o artigo!
    Ser rico é muito simples quando não colocamos os impulsos consumistas criados pela sociedade moderna a frente do verdadeiro significado de viver que é amar e usufruir deste convívio para crescimento, isto é riqueza! Se utilizamos nosso conhecimento e experiência para ajudar outras pessoas, iremos crescer com elas e ter o que sonhamos como riqueza. Seja material ou não! Pois cada um tem sua própria visão da riqueza.

    Engraçado como eu sempre pensei em tudo o que foi abordado aqui mas não tive palavras suficientes para expor o que levo dentro de mim.
    Trabalhei mais de 20 anos no mercado financeiro e hoje tenho o enorme prazer de estar adentrando em outra área e poder trazer para a consciência das pessoas o que é realmente importante na educação financeira.

    Estava inclusive procurando um termo que designe melhor o que tenho capacidade de fazer na área que atuo. Hoje achei o termo certo que é educadora financeira.

    Obrigada!

  • Pingback: Manual da Educação Financeira para iniciantes – Prof. Elisson()

  • 100000490953549

    muito bom o artigo, ser rico é ser feliz, ter uma otima qualidade de vida, isso é oq importa… parabéns pelo artigo Conrado Navarro

  • 100000490953549

    muito bom o artigo, ser rico é ser feliz, ter uma otima qualidade de vida, isso é oq importa… parabéns pelo artigo Conrado Navarro

  • Regina

    Muito bom! Concordo em gênero, número e grau?

  • 100000745410576

    Perfeito náo retiro uma unica virgula. A melhor definição de riqueza que ja li. O dinheiro é apenas uma ferramenta.

  • 100000457235503

    Por sugestão do meu amigo Sascha Löffelhardt.

  • 100000010355203

    Esse artigo é simplesmente sensacional!!
    Falou tudo e mais um pouco.
    Parabéns!!

  • 1175063648

    Parabéns pelo artigo, muito bom…
    Railda Santos

  • David

    Cara ,concordo plenamente,a riqueza não esta no dinheiro,mas nas coisas simples da vida,que temos no dia a dia e não damos o devido valor.

  • Carlos Bittencourt

    Sensacional!

  • Gleibis Quadra

    Palmas!!! Excelente texto. Optei por trabalhar perto de casa para obter qualidade de vida. Não me arrependo. Sei que num certo momento vou querer alçar novos voos e terei de sair desse emprego, mas procuro viver o melhor do dia de hoje.

  • José Maria

    Incrível. só dá para escrever uma palavra sobre o mencionado artigo. porque nele só cabe um: AMÉM.

  • Alzira

    Gostei muito! Sou coach e insisto nesta colocação. Vejo muitos dos meus clientes entristecidos, mesmo estando com os bolsos recheados de dinheiro. No “fim das contas” chegamos sempre no mesmo dilema: trocaram os verdadeiros valores essenciais (morais, familiares, espirituais) pelo consumismo desenfreado, permitiram que o poder da ostentação os dominassem. Assim, sigo ensinando-os a recomeçar, desta feita, considerando os seus primeiros sonhos de quando ainda eram meninos e seus pais os orientavam. Muitos sequer se lembram do que realmente gostam e lhes é fundamental. Um forte abraço. Que continue sempre assim, iluminando os nossos caminhos.

    • Oi Alzira, obrigado por comentar e insistir no alerta de que consumo em troca de tempo ou amor não faz sentido. Fico feliz que meu trabalho possa ser útil e agradeço pela mensagem carinhosa de apoio e reconhecimento. Desejo sucesso! Abraços,

    • Oi Alzira, obrigado por comentar e insistir no alerta de que consumo em troca de tempo ou amor não faz sentido. Fico feliz que meu trabalho possa ser útil e agradeço pela mensagem carinhosa de apoio e reconhecimento. Desejo sucesso! Abraços,

  • Lohanna Reis

    Conrado, grata pelo texto tão maravilhoso.

    Iniciei naquela “cadeia de indicações”: Henrique Carvalho, Cerbasi, Seabra e tcharam! Conrado Navarro. Com recém 24 anos completados, num momento em que a empresa em que trabalho arrisca entrar em colapso, resolvi aprender mais sobre Educação financeira, liberdade financeira etc. Caminhando por muita teoria e coisas novas a aprender, esse bálsamo escrito por você me aparece. E sim, esse é o verdadeiro sentido da riqueza.

    Muito obrigada a você e ao Dinheirama!

  • Neemias Oliveira Silva

    Estas palavras jamais passarão… ter consciência dessa realidade e dessa forma é algo que todo ser humano poderia parar para considerar. Um artigo que vale pra eternidade. Parabéns!