22 out Negociação

Um olhar sobre as liquidações, descontos e queimas de estoque

Liquidação? Promoção? Queima de estoque? Será que as lojas realmente oferecem produtos com preços mais baratos? Você pesquisa preços antes de comprar? Educação financeira para comprar mais e melhor!

por Rodrigo Silveira
há 4 anos

Um olhar sobre as liquidações, descontos e queimas de estoqueO escritório do Dinheirama.com fica na Av. Coronel Carneiro Junior, também conhecida como Rua Nova, principal rua do comércio em Itajubá-MG e lugar perfeito para observar o comportamento de lojistas e consumidores. Acabei reparando que certas lojas estão sempre em liquidação, com promoções chamativas, grandes faixas coloridas, papel picado, bexigas e sempre anunciando seus “saldões”.

Comprar produtos com preços mais atraentes, aproveitando as promoções, é uma dica recorrente no trabalho de consultores e especialistas em finanças pessoais[bb]. Mas o que dizer de lojas que estão sempre em promoção? Como pode uma loja lucrar (muito) mantendo seus produtos sempre em liquidação? Ela lucra, é fato. A questão a ser discutida é outra: os produtos estão mesmo em promoção? Seu preço é de fato mais baixo?

Eu sempre me sinto desafiado quando vejo um anuncio oferecendo 70% de desconto. É uma tentação não comprar algo que está “tão barato”. É aquela história: mesmo sem estar precisando daquilo, o consumidor fica tentado pelo preço e acaba comprando.

Pense em um tênis qualquer. Então, ao passar por uma loja, um grande anúncio mostra a foto do tênis, seu preço “oficial” devidamente riscado e, ao seu lado, o novo preço, escrito em letras grandes, acompanhado da indicação “50% de desconto”. Responda rápido: o tênis está barato ou caro? Pode ser que o negócio valha a pena. Pode ser que não. Depende. Qual é o valor real do tênis, aquele praticado no mercado?

O que fazer? Pesquisar preços. Faça uma busca rápida em sites de compras e também em outras lojas para descobrir o preço praticado no mercado. Só então faça uma análise em relação ao preço da liquidação. A dica é óbvia, chega a ser simplista, mas é deixada de lado por muita gente. É prudente também evitar a compra na primeira vez que você vê o produto. Você precisa mesmo dele? Se precisa, busque as especificações, compare preços, peça explicações. Decida-se com calma.

A sensação de experimentar o produto, os sentimentos que ele traz e o prazer associado ao consumo encobrem a determinação em busca pelo preço justo. Além disso, parece que “promoção” e seus sinônimos criam alvoroço em nossas emoções. Relembro um episódio de “Os Simpsons”[bb]: eles estão em um grande supermercado, que anuncia o preço de um produto e o associa a uma oferta relâmpago. Até ai, nada de novo. O engraçado é que eles aumentaram o valor do produto antes de anunciá-lo nos alto falantes da loja e, mesmo assim, todos no mercado saem correndo para pegar o produto na prateleira.

É claro que a manipulação, o trabalho com nosso subconsciente, vai além de inventar descontos. Os próprios preços praticados vivem com sugestões mentais de preços menores: os famosos “,90” e “,99” estão sempre presentes nas mercadorias. Passada a febre das lojas de R$ 1,99, agora produtos com outros valores insistem em usar a mesma tática. O tal GPS[bb] custa R$ 299,00, a TV LCD[bb] R$ 1.490,00, o que força nossa mente a arredondar valores para um valor menor e nos fazer acreditar que pagamos menos por um produto. Ora, R$ 1.490,00 está muito mais para R$ 1.500,00 que para R$ 1400,00. Óbvio, de novo.

Li recentemente uma coisa bacana: algumas cidades estão criando leis que obrigam o mercado a fornecer o preço por unidade de medida. Tal mudança facilita bastante a vida do consumidor e evita seu esforço com contas para saber se compensa levar a embalagem com 1 kg ou com 2,5 kg de sabão em pó, por exemplo. Ganha quem pesquisa preços, analisa as opções disponíveis e planeja suas compras.

Nem tudo está sempre em liquidação. Isso não existe! E nem toda liquidação deve ser olhada com desconfiança. A diferença não está no lojista ou no mercado, mas em aceitar que é dever do consumidor comparar preços, condições comerciais e pesquisar. Pagar o preço justo é o mínimo que todos devemos buscar. Continuo com a ideia de que educação financeira é um aprendizado diário. Analisar muito bem nossas decisões nos ajuda a conquistar nossos objetivos.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Rodrigo Silveira

Estudante de Engenharia Elétrica na UNIFEI, investidor, opera no mercado financeiro no curto/médio prazo através de Análise Técnica. É responsável pelos projetos de TI e ferramentas técnicas do Dinheirama.

Leia todos os artigos de Rodrigo Silveira
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • Pingback: Tweets that mention Um olhar sobre as liquidações, descontos e queimas de estoque | Destaques | Dinheirama - Economia, Investimentos e Educação Financeira ao alcance de todos -- Topsy.com

  • Bernardo Santos Maldonado

    A palavra “liquidação”, principalmente para as mulheres, faz com que se compre pelo instinto, ignorando a razão… Os homens também caem nessa, mas as mulheres…
    Às vezes se acerta, mas muitas vezes se erra quando se compra assim.

    Parabéns pelo texto! Muito bem escrito, e com um assunto muito interessante!!

  • Jorge Okamoto

    No Sam’s Club vários produtos são exibidos com o preço por unidade de medida. Então dá para saber se é mais vantajoso pegar um sabão de 3Kg ou 5Kg.

    Ótimo texto.

  • Rafael

    Isso do preço por unidade de medida é muito útil mesmo. Estou em um intercâmbio acadêmico e aqui na Alemanha já é assim. Facilita demais, já que assim não preciso ficar sacando minha calculadora no meio do mercado.

  • HUDSON D

    A tal da indução do mercado em geral é mais perigosa do que a gente pensa, tipo tem lugar que pratica certas induções do tipo, tem o produto de marca e produto vamos dizer “genérico”, de segunda linha, o produto de segunda linha atende as suas necessidades, no entanto elevam o preço dele, para competir com o produto de marca, tipo chega a ser irrisório a diferença do genérico para o de marca, ai jogam o de marca na promoção pra variar, ou seja, vc vai levar um produto muito além das suas necessidades, e vc não vai saber aonde o lojista levou vantagem, claro no estoque. E se vc for correr atrás de preço vc vai simplemente gastar combustível e tempo, e verá que vai cair em uma outra rede de preços. Mesmo tendo esse sistema de medida por preço pra conferir a relação custo benefício, a manipulação e a indução são bravas.