Ano Novo, velhas promessas, mesmos dilemas

28 dez Educação Financeira

Ano Novo, velhas promessas, mesmos dilemas

Por que poucas pessoas conseguem atingir as metas e promessas de Ano Novo? Porque aos outros falta cumplicidade, “acabativa” e organização. Você pode, mas precisa querer!

por Conrado Navarro
há 3 anos

Ano Novo, velhas promessas, mesmos dilemasO ano de 2011 finalmente chegou e com ele a renovação de muitos votos de sucesso, paz, felicidade e realizações. Você provavelmente se comprometeu com importantes metas: vai reforçar a construção de sua marca pessoal, estudar mais, vai poupar mais, limpar seu nome, voltar para a academia[bb], recomeçar a dieta etc. Ótimo! Começar o ano de alto astral e compromissado faz bem para autoestima, motiva.

O que esperar de 2011 senão a realização de tais objetivos e a sensação de “missão cumprida”? Pois é, você é o agente de mudanças de sua vida e pode transformá-la a partir de simples intenções e alguma ação. Mas isso você já sabe, não é novidade. Por que, então, poucos são aqueles que conseguem atingir seus propósitos?

Porque falta cumplicidade. Não adianta querer limpar seu nome e livrar-se do endividamento se em sua família o consumismo beira o ridículo, transformando a relação conjugal em mero contato físico e o gasto em terapia. É preciso coragem para abrir-se perante as pessoas que você ama e praticar ações capazes de transformar a promessa em motivação (diálogo, desprendimento, paciência, carinho etc.).

Um objetivo lançado sem grande convicção cria perspectivas distantes, incapazes de motivá-lo a agir através das pequenas coisas. A família tem que querer mudar, unida e com a participação de todos. Cumplicidade é fazer muito também pelo conjunto da obra, não apenas pelo benefício pessoal. É quase invisível, mas o querer individual e o egoísmo na realização de sonhos só alimentam a descrença no futuro.

Porque falta “acabativa”. Prometer, começar, provocar é muito fácil, mas dar cabo das tarefas e perspectivas exige dedicação, perseverança e traz alguma angústia. Lidar bem com a frustração do dia a dia enquanto se constrói patrimônio é tão importante quanto definir bem as metas[bb] pessoais e profissionais. Ora, nem tudo acontece logo ou exatamente do jeito esperado. Quem tem calma, bom senso e contumácia alcança seus sonhos.

Quantas vezes você começou a ler um livro e não terminou? Observe sua estante e a quantidade de livros com marcadores nas mais diversas páginas, nunca no final. O que são as promessas de Ano Novo quando delas realizamos apenas parte e por pouco tempo? De onde surgem tantas justificativas para o não cumprimento da meta estipulada? Falta ir até o fim, fazer de verdade! Precisamos terminar o que iniciamos ou corremos o risco de sempre recomeçar. E só recomeçar.

Porque falta organização e cuidado. Encaro a organização como uma das facetas do respeito. Manter as coisas sob controle, cuidar daquilo que você compra e dos recursos que administra geram a sensação de valor agregado, do “fazer a diferença”. O respeito alimenta a motivação na medida em que cria um elo mais resistente entre o indivíduo, seus sonhos e seu poder de realização.

Insisto na necessidade de manter um mínimo controle das receitas, despesas e investimentos familiares. Dedicar tempo às tarefas administrativas do lar dá a exata medida do quanto elas são importantes como suporte para a realização de metas. Afinal de contas, administração não é responsabilidade apenas de administradores de profissão, chefes e executivos.

Aprendeu algo novo? Provavelmente não. A realidade apresentada neste artigo não passa de um retrato óbvio do cotidiano. Gente sem motivação, portanto sem realização. Pessoas acomodadas, portanto desanimadas. Brasileiros mal acostumados, portanto paralisados. Cidadãos resumidos a promessas, esperança e muita iniciativa, portanto dependentes das exigências da sociedade. Uma turma que não faz e se esconde nas mais esfarrapadas desculpas.

Concordo com o que escreveu Gustavo Cerbasi[bb], consultor financeiro, em recente artigo para o jornal Folha de S. Paulo: “Pare de sonhar e comece a realizar!”. O ano já começou, pare de prometer! Prefira encarar o desafio de agir, fazer mais, falar menos e finalmente colocar em prática o que é tão comum nos discursos desta época: a mudança. A necessária mudança.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro

Educador financeiro, tem MBA em Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor dos livros "Dinheiro é um Santo Remédio" (Ed. Gente), “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec) e "Dinheirama" (Blogbooks), autor do blog "Você Mais Rico" do Portal EXAME e colunista da Revista InfoMoney. No Twitter: @Navarro.

Leia todos os artigos de Conrado Navarro
  • Rodrigo Silveira

    Conrado,

    Trocar somente o calendário da parede ou da escrivaninha não vai adiantar. 2011 está aí!
    A mudança tem que ser interna, mudarmos nossas atitudes, nossos pensamentos e planejar nosso ano.
    Comemorar com muita energia o ano que vai chegar, e agradecermos pelo o ano que fica para trás.
    Que em 2011 vivamos mais, encontremos pessoas especiais em nossos caminhos, o foco faça parte do nosso dia-a-dia, e que excelência faça parte da vida de todos.
    Um grande abraço.

  • Pingback: Tweets that mention Ano Novo, velhas promessas, mesmos dilemas: O ano de 2011 finalmente chegou e com ele a renovação de muitos voto... -- Topsy.com

  • http://investindo-mes-a-mes.criarumblog.com/Primeiro-blog-b1.htm Eduardo

    Pegou pesado,, mas esta é mais pura a verdade, para muitos!

  • Rosana

    Conrado,
    Gostei muito do seu artigo.
    É como você disse no final: “Aprendeu algo novo? Provavelmente não.”
    O grande problema é a tão presente procrastinação. Quando ela faz parte da nossa vida, muitas coisas não saem da forma como gostaríamos.
    Um Feliz 2011 à você e á toda equipe do Dinheirama!
    Abraços,

  • http://www.valoresreais.com Guilherme

    Ótimo artigo, Conrado!

    Hoje vi uma reportagem no jornal Gazeta do Povo em que você dá uma entrevista com dicas para poupar para viajar, na seção de Turismo. A capa do livro “Vamos falar de Dinheiro” também é colocada em destaque. Parabéns!

    Feliz 2011!

  • Pingback: Algumas metas para 2011 « Parucker