16 fev Orçamento

Os sites de compras coletivas, a educação financeira e seu orçamento

Como a febre dos sites de desconto, compras coletivas e cupons afeta seu planejamento financeiro, orçamento doméstico e a necessidade de educação financeira?

por Ricardo Pereira
há 3 anos

Os sites de compras coletivas, a educação financeira e seu orçamentoRecentemente, todos nós ouvimos falar que o Google estava disposto a entrar no mercado de compras coletivas. O gigante da Internet tentou adquirir o Groupon por algo em torno de US$ 6 bilhões. As negociações não prosperaram e as últimas notícias dão conta de que o Google irá buscar outras formas de entrar no mercado – talvez criando seu próprio site.

Fiz menção à tentativa de negociação entre Google e Groupon para mostrar o quanto esse modelo de compra cresceu, tanto no exterior quanto aqui. Trata-se de um empreendimento que cai como uma luva para as necessidades de consumo[bb] das pessoas. Preços baixos, comodidade e oferta (cardápio) em abundância.

Aqui e acolá percebemos novas empresas surgindo. Aliás, muitos sites de cupons e compras coletivas apareceram nos últimos meses – falam em mais de 1000. É certo que, aos poucos, os melhores continuarão se destacando e o consumidor escolherá os que definitivamente encontrarão o sucesso. Mas o que isso tem a ver com educação financeira? Muito.

Organização para obedecer ao orçamento
Sob o ponto de vista da educação financeira, podemos salientar alguns pontos desse novo mercado que toma corpo. O primeiro ponto trata das oportunidades que surgem para adquirir novos produtos ou serviços com preços e condições diferenciadas e descontos bastante agressivos.

Vejo os sites de compra coletiva como uma grande ferramenta para buscar e aproveitar boas oportunidades, especialmente se o consumidor[bb] for capaz de se programar e aguardar o melhor momento para a compra. Certo, mas independente se a compra será com cupom ou não, a máxima “se tem dinheiro, compre, caso contrário poupe e espere o melhor momento” tem de ser respeitada.

Porque, afinal, o consumo realizado de forma organizada e planejada é muito bom e garante o crescimento do país e de seu povo. Como educador financeiro, não concordo quando o consumo é realizado na base do impulso e do endividamento. O que se vê por ai? Pois é.

O outro lado…
Os sites de compra coletiva oferecem pechinchas à custa de um bombardeio constante de ofertas nem sempre tão interessantes. Porque para comprar não devemos olhar só o preço. Tem muita gente fazendo coisas completamente fora de seu cotidiano só “porque o preço pelo site de compra coletiva está muito baixo”. E dá-lhe consumo sem prioridade porque “o preço compensa”.

O consumo consciente continua sendo a melhor maneira de comprar. Como eu já disse em outra oportunidade, o dinheiro foi feito para ser gasto, mas existem maneiras e maneiras de gastá-lo. Quando ele é gasto de forma planejada e respeitosa (de acordo com o padrão de vida e os limites do orçamento), tudo se torna mais fácil e prazeroso.

Antes de decidir comprar, seja em promoções ou não, experimente buscar respostas para as seguintes questões:

  • A compra é realmente necessária?
  • Estou comprando esse produto mais pela “condição incrível”(preço) ou porque tenho necessidade? Ou as duas coisas?
  • Preciso comprar agora ou posso comprar quando tiver honrado outros compromissos mais importantes?
  • Quanto posso gastar de meu orçamento com compra em promoções? Tenho limites? Tenho um orçamento, ainda que simples?
  • A compra não irá comprometer a realização de meus objetivos futuros?

Se após responder essas questões você perceber que o consumo é consciente, possível e bem-vindo, ótimo! Compre e utilize sua nova aquisição da melhor maneira. Comemore tal aquisição brindando por sua disciplina[bb] e dedicação em construir uma sólida vida financeira.

Conclusão
A compra coletiva, pois, é mais uma (excelente) forma de consumir. Como tal, merece atenção, cuidado e um tratamento menos ansioso. Você vai receber “promoções” e “descontos nunca vistos” a todo instante. Consumir a um clique do mouse. Excelente para quem tem e respeita prioridades. Terrível para quem acredita que ser feliz é pagar menos sempre que possível. Você concorda?

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Ricardo Pereira

Educador financeiro, palestrante, Sócio do Dinheirama é autor do livro "Dinheirama" (Blogbooks), trabalhou no Banco de Investimentos Credit Suisse First Boston e edita a seção de Economia do Dinheirama. No Twitter: @RicardoPereira

Leia todos os artigos de Ricardo Pereira
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.