06 abr Finanças Pessoais

Seis formas de saber se você caminha para o sucesso financeiro

Seu sucesso financeiro depende muito mais de você, de seus hábitos e comportamento que de “grandes tacadas”, sorte ou negócios mirabolantes. Como chegar lá?

por André Massaro
há 3 anos

Seis formas de saber se você caminha para o sucesso financeiroO sucesso financeiro, que muitas pessoas associam com negócios ousados, “grandes tacadas” ou mesmo pura sorte é, em grande parte, resultado de bons hábitos. A consistência nas ações cria os hábitos, e bons hábitos criam o sucesso. A seguir detalho alguns desses bons hábitos. Se você já os cultiva, ótimo; se não, preste atenção e procure mudar sua realidade para comportá-los.

1. Você é capaz de cumprir compromissos consigo mesmo
Você estabelece para si determinadas metas como, por exemplo, “guardar 10% daquilo que ganha, todo mês”. Não é um compromisso assumido com o banco, com a financeira, com seu patrão, seu cônjuge ou seu pai. É um compromisso assumido apenas consigo mesmo. Se você falhar, ninguém vai lhe punir ou aplicar uma multa. Será apenas você com você mesmo.

A maioria das pessoas, infelizmente, só consegue cumprir compromissos quando há algum tipo de ameaça externa, uma perspectiva concreta de punição, ou então quando há o risco de magoar uma pessoa próxima. Mas poucos se preocupam em não magoar a si mesmos.

2. Você alimenta um ceticismo saudável
Você tem uma mínima noção de quais são os retornos esperados para a maioria dos investimentos e empreendimentos. Você pode não ser um PhD em finanças, mas tem um mínimo de senso crítico para saber que aquele esquema oferecido pelo seu primo, que promete 30% ao mês investindo na engorda de ovelhas ou em títulos financeiros de algum país obscuro, é uma barca furada.

Também sabe que aquilo que deu certo no passado não necessariamente repetirá o desempenho no futuro. Se seu vizinho conseguiu trocar de carro com as ações que ele comprou no ano passado, isso não significa que você conseguirá o mesmo comprando ações este ano.

3. Você controla seus impulsos
Você é capaz de passar na frente de uma vitrine, se apaixonar por determinado produto, mas ainda assim ter o autocontrole necessário para se retirar e pensar melhor na necessidade daquela compra. Pessoas que conseguem esperar pelo menos um dia após verem um produto “apaixonante” têm grande possibilidade de chegar à conclusão de que aquela compra não seria um bom negócio. No dia seguinte, se a necessidade ainda existir em sua cabeça, você irá à loja e comprará o produto, sem culpa.

Pessoas que não resistem à tentação da compra por impulso são o “sonho dourado” de todo vendedor, que usará todo seu arsenal de desculpas esfarrapadas (tipo “é a última unidade e o fabricante não vai entregar mais” ou “este preço só vale hoje, amanhã muda a tabela”) para criar um senso de urgência e uma falsa necessidade de adquirir aquele e outros produtos.

4. Você tem um fluxo de caixa positivo
Fluxo de caixa? Positivo? Bem, vamos colocar em termos mais simples: você gasta menos do que ganha. Você sabe que a quantia de dinheiro que tem é o resultado de uma operação matemática simples: aquilo que você ganha menos o que gasta é aquilo que sobra.

Se aquilo que você ganha não é tanto assim, você entende que terá que ter um padrão de vida mais modesto para que a conta “feche”. E se quiser elevar esse padrão de vida, o fará procurando aumentar aquilo que ganha e não gastando aquilo que não tem.

5. Você evita dívidas
Você sabe o quanto as dívidas podem comprometer sua vida e a vida de sua família quando elas se descontrolam e também sabe que o descontrole é algo que acontece muito facilmente. Você faz contas antes de comprar qualquer bem parcelado, para ver qual é o seu custo real.

Aquela conversa de que “a parcela cabe na orçamento” simplesmente não existe para você. E se passar por algum aperto financeiro, você sempre buscará alternativas antes de recorrer a um banco (ou a um agiota).

6. Você se interessa por suas próprias finanças
Você não tem medo de olhar para seu extrato bancário e nem “terceiriza” sua vida financeira, confiando cegamente em seu gerente de banco. Você procura saber o mínimo sobre opções de crédito e investimento para, pelo menos, conseguir se comunicar adequadamente com o responsável por sua conta.

E, quando precisa de alguma informação, você sabe onde procurar e não vai recorrer às “dicas infalíveis” daquele seu amigo que diz que entende tudo de finanças, mas vive endividado e “enrolado”.

Hora de valorizar os bons hábitos! Boa sorte e até a próxima.

André Massaro André Massaro

Palestrante, consultor e educador financeiro. É autor de livros de finanças pessoais e investimentos, autor do blog “Você e o Dinheiro” (Portal EXAME – Ed. Abril), apresentador do programa TopMoney (Infomoney) e integrante do conselho editorial do Dinheirama.com. Contato pelo www.andremassaro.com.br

Leia todos os artigos de André Massaro
  • Anônimo
  • Davi

    Uia…resposta SIM em 6/6!

  • Marcos André Oliveira Santos

    Excelente artigo ! Hábitos simples que, se cultivados, com certeza nos levarão a uma situação financeira favorável. Que bom é perceber que estou no caminho certo para não ter mais dificuldades financeiras. Já passei por alguns apertos e “descobri” o Dinheirama quando ainda estava bem no início… Gosto de ver a evolução que o blog/site teve e a quantidade de pessoas que são favorecidas pelos artigos e informações disponibilizadas aqui.

    Navarro, obrigado por manter este site e encontrar pessoas que sabem transmitir bem a ideia inicial do seu projeto e continua dando dicas valiosas !

    Sucesso a todos !

  • http://eumilionario.com.br/ Rizio Andrade

    Muito bom post, é para pensarmos melhor em todas essas áreas, mesmo aqueles que acham que estão bem em algumas ou em todas. Disciplina é essencial quando se trata de dinheiro, auto controle também.

  • Pingback: Guia Prático: como evitar a armadilha das dívidas at Desafiando Limites e Vencendo Barreiras

  • abcd zyx

    Esses são só bons hábitos que, no máximo, protegem patrimônio, mas apenas hábitos não levam ninguém muito longe. Faltou a ousadia aliada à inteligência: basicamente, se arriscar mais e estar sempre antenado para ter uma taxa de retorno efetiva maior. Em quê você está investindo? Renda fixa?! Volte à casa 01. Tem linha de crédito barato para se alavancar? Isso mesmo: dinheiro emprestado pra tentar fazer mais dinheiro. Sabe ao menos do que estou falando? E ações: já sabe analisar uma empresa? Analisar o gráfico log da evolução do valor de mercado? Já foi atrás pra ver como se adquire debêntures e se vale a pena? Imóveis e terrenos: está ao menos estudando o mercado ao seu redor? Já analisou se vale a pena entrar num financiamento só pra sacar aquele FGTS estagnado? E os fundos imobiliários? Não parecem uma opção mais prática? Ouro, dólar, análise macroeconômica: já se deu conta que o PT está quebrando o país em função da reeleição pro ano que vem? Está preparado pra quando a casa cair? Seu patrimônio tem liquidez pra você agir rapidamente quando um bom negócio aparecer? Está conseguindo fugir de taxas e impostos? Tem noção de que esse trabalho todo é só para sua taxa de retorno média (ao longo da jornada) aumentar alguns pontos percentuais mas que faz uma baita diferença a longo prazo? Creio que saibas o básico de Excel e já plotou várias linhas de evolução de seu montante ao longo do tempo em função de várias taxas de retorno. E é claro que você é realista e não está plotando retornos anuais acima de 25%, não? Isso é taxa pra George Soros e Warren Buffet, inside traders que só vivem disso. Você tem consciência disso, certo?