19 jul Economia

Economia brasileira: formação de uma bolha ou simples crescimento?

Economia brasileira: mais crédito, mais crescimento e mais perspectivas. Bolha ou crescimento econômico sustentável? Superaquecimento ou realidade?

por Conrado Navarro
há 3 anos

Economia brasileira: formação de uma bolha ou simples crescimento?Juliano comenta: “Navarro, o noticiário econômico tem dado especial destaque ao fato de a inadimplência estar crescendo muito em relação a períodos passados. Jornais e revistas falam do aumento da inflação, da alta dos juros e do crédito cada vez mais caro. As pessoas reclamam que não podem pagar, as dívidas aumentam e o ciclo parece ficar perigoso. Especialistas internacionais apontam risco de superaquecimento na economia, com possibilidade de uma bolha de crédito. É isso mesmo? E agora?”.

A situação econômica brasileira tem despertado diferentes interpretações, tanto aqui quanto lá fora. Crescimento econômico, ascensão social (pelo menos 30 milhões de brasileiros migraram de classe nos últimos anos) e crescimento da renda familiar são alguns dos fatos que levaram mais e mais brasileiros a consumir – especialmente aqueles que tinham desejos de consumo represados e antes eram marginalizados neste sentido.

Estes brasileiros compraram (muito!) e se endividaram ao longo dos últimos anos, quando os juros básicos da economia (Taxa Selic) encontraram seus patamares mais baixos na história. O crédito (dinheiro) na época ficou mais barato – financiar e comprar com dinheiro emprestado parecia uma opção atraente. O boom na venda de carros mostrou como a realidade do crédito para compra de bens mudou radicalmente em nosso país.

O momento agora é diferente. Como reflexo da elevação do consumo, veio a inflação. Com ela, novos e consistentes aumentos dos juros básicos. A alta na Taxa Selic tem reflexos diretos no custo do crédito, encarecendo os empréstimos e financiamentos. A decisão de “esfriar” a economia traz consigo alguns efeitos colaterais, sendo um deles o aumento da inadimplência.

O assunto ganhou destaque no jornal britânico “Financial Times”, que publicou mais de 12 matérias sobre isso em menos de 15 dias, e também na prestigiada revista “The Economist”, que colocou o Brasil entre os sete países com maior risco de superaquecimento. Isso sem falar da opinião da nova diretora do FMI, Christine Lagarde, que alertou para riscos de inflação e perigo de bolha de crédito.

Será que oferecemos crédito demais, sem critérios e sem a devida regulação/fiscalização?
Observar a evolução na concessão de crédito no Brasil assusta, mas é importante relacionar o indicador com outros índices e fatos da realidade econômica brasileira:

  • O volume de crédito é crescente, não explosivo. Como proporção do Produto Interno Bruto (PIB), o crédito representava 24,7% em janeiro de 2005; em abril de 2011 esse valor chegou a 46,6%. Uma alta expressiva, é verdade, mas muito distante de países como China e África do Sul, onde o crédito doméstico passa de 120% do PIB, ou de países como EUA e Inglaterra, onde os números passam de 200%. Os dados são do Banco Central (BC) e Banco Mundial;
  • O perfil do endividamento é diferente do de anos atrás. Apesar da alta na concessão de crédito, o foco são modalidades mais baratas e com juros em queda, como financiamento imobiliário e de veículos e crédito consignado. Opções como cheque especial e cartão de crédito perderam espaço. Para se ter uma ideia, em dezembro de 2007 o cheque especial representava 5,4% das operações, enquanto o cartão de crédito atingia 7,1%. Dados de maio deste ano mostram que o cheque especial representa 3% do total das operações, enquanto o cartão atinge 6%. Os dados são do BC;
  • A renda familiar e o nível de emprego estão em patamares históricos. Segundo estudos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), as classes mais pobres (D e E), que em 1992 representavam juntas 62,13% dos brasileiros, agora são 33,19%. Nossa classe C – renda entre R$ 1.200,00 e R$ 5.274,00 – atinge hoje 105,4 milhões de pessoas, ou 55,05% da população. O índice de desemprego atingiu patamar de 6,2% em junho, menor valor para o mês desde o início da série (março de 2002);
  • Nosso sistema financeiro é conservador se comparado ao de economias mais desenvolvidas. Depois de muitos problemas com fraudes bancárias e quebras generalizadas (vale lembrar do Proer em 1995), o BC adotou medidas mais rígidas em termos de regulação: aumento do compulsório, limitação de prazos para os empréstimos e exigência maior para o pagamento mínimo da fatura do cartão são alguns exemplos.

A situação de outros países como comparação
Como estamos lidando com a questão do perigo de uma escalada na inadimplência, vale observar como se comportam os países quando o assunto é o endividamento das famílias. Segundo dados da OCDE, no Brasil esse índice é de 42% da renda líquida; na Alemanha, o valor chega a 99%; no Japão, 126%; No Canadá, 148%; e no Reino Unido, 171%.

O que nosso Banco Central tem feito?
Nosso BC parece agir de forma pró-ativa em relação à expansão do crédito, com medidas pontuais visando controlar a inflação, diminuir a expansão do crédito e fiscalizar a concessão de empréstimos:

  • O BC anunciou em maio a criação do Comef, Comitê de Estabilidade Financeira, justificado da seguinte forma por Anthero Meirelles, diretor de fiscalização do BC: “Num momento em que a internacionalização dos bancos brasileiros é forte e o interesse dos estrangeiros pelo mercado local também é grande, queremos criar melhores condições para os sistemas decisórios e definir diretrizes para que as áreas trabalhem de maneira mais harmônica”;
  • O BC pretende antecipar a implementação das medidas previstas no acordo Basileia III, firmado no ano passado como resposta à crise financeira e que visa reforçar a solidez das instituições financeiras, aumentando a estabilidade de toda a economia. Para entender melhor as mudanças e o tema, sugiro a leitura de um boletim da RiskBank;
  • A partir do fim de outubro serão fiscalizados empréstimos com valor a partir de R$ 1.000,00. Antes da medida, apenas concessões com valores acima de R$ 5.000,00 eram monitoradas. O monitoramento completo dos empréstimos permitirá ao BC avaliar melhor informações como renda, nível de endividamento, histórico, dados cadastrais, modalidade de empréstimo e juros e localizar discrepâncias. O volume de informações monitorado pelo departamento de fiscalização vai se multiplicar por dez, segundo apurou o jornal Folha de S. Paulo;
  • O aumento nas taxas básicas de juros costuma ser seguido de avaliações nos prazos máximos dos financiamentos conseguidos e da necessidade dos bancos em manter reservas maiores (compulsórios).

Então não é bolha, mas crescimento?
Diante da situação exposta e da realidade dos fatos, sou da corrente que acredita que o momento presente está muito mais para um reflexo das mudanças sociais e econômicas de nossa população que para um movimento irracional de consumo. Observo com as devidas ressalvas, é claro, principalmente porque problemas decorrentes de avanços no crédito foram sentidos recentemente em outros países.

Se ainda não estamos em uma bolha, é preciso que cuidados continuem sendo tomados para que esta não seja a realidade do amanhã. Se as medidas tomadas serão suficientes para conter uma eventual formação de bolha, só o tempo dirá. É importante ficar de olho e torcer para que, nas conversas e decisões de nossos representantes, crescimento sustentável também seja sinônimo de crescimento saudável.

Foto de sxc.hu.

Conrado Navarro

Educador financeiro, tem MBA em Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor dos livros "Dinheiro é um Santo Remédio" (Ed. Gente), “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec) e "Dinheirama" (Blogbooks), autor do blog "Você Mais Rico" do Portal EXAME e colunista da Revista InfoMoney. No Twitter: @Navarro.

Leia todos os artigos de Conrado Navarro
Importante: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.
  • André M.

    Excelente artigo Navarro! Consegui entender muita coisa que havia lido… Dinheirama prestando serviço mais uma vez.
    Abraços.

  • Davi Aragon

    Mais um ótimo texto, Navarro!
    Nada como listar fatos para rebater teorias especulativas. O ruim é ver que esse crescimento vem acompanhado de muita porcaria na política. Imagine se ela estivesse funcionando de maneira mais honesta?
    Grande abs

  • http://www.blognacional.com blog nacional

    realmente o seu artigo deixa bem claro o teor de seu conhecimento…
    parabéns pelo artigo!

    mas vamos apostar no crescimento!

  • http://ilustracoesdennyfischer.blogspot.com Denny

    Genial a comparação com outros países!
    Parabéns pelo artigo!

  • Pingback: Economia brasileira: formação de uma bolha ou simples crescimento? | Brasil: Economia Global()