20 jan Economia

Economia: Um novo olhar sobre o Custo Brasil

Economia: Um novo olhar sobre o Custo Brasil, a participação da sociedade e das empresas (iniciativa privada) para a piora do cenário e seu futuro.

por Plataforma Brasil
há 2 anos

Economia: Um novo olhar sobre o Custo BrasilPor Gustavo Chierighini (@GustavoChierigh), fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caros leitores, passada a fase dos festejos de fim de ano, proponho aterrissarmos no solo árido da realidade que nos cerca, onde a tríade formada por desafios, percalços e, claro, oportunidades nos espera ávida por colocar em xeque a nossa capacidade de lidar com sua complexidade.

Lamento que esta abertura seja pouco, digamos, auspiciosa, com pétalas cintilantes de otimismo e frases feitas em eventos corporativos típicos (os que me conhecem sabem que não é esse o meu estilo). O fato é que o triunfo pertence aos sonhadores, é verdade, mas somente para aqueles que colocam a mão na massa, com prioridade aos que encaram a realidade com destemor.

Tratando o Custo Brasil
Então, sem temor, dó e nem piedade, abordo desta vez o famoso Custo Brasil, tema que reputo como um dos mais complexos, espinhosos e ariscados do universo econômico brasileiro. Um verdadeiro Triângulo das Bermudas para articulistas que, como eu, estão sempre correndo o risco de, induzidos pelas generalidades reinantes, cair no barranco das platitudes e obviedades tão comuns em algumas narrativas ditas “especializadas”.

Coloco desta forma, pois o Custo Brasil é um hóspede tão antigo e conhecido que de indesejável vem se transformando em figura quase folclórica, daquelas que com o tempo não podem mais deixar de existir, pois alimentam o riso (deprimente) do dia a dia e, porque não, eventualmente ajudam a explicar ineficiências inexplicáveis.

Mas antes de nos aprofundarmos, e já conhecedor do tom crítico com que colocarei as próximas linhas, faço aqui a ressalva às exceções de toda ordem, tanto no universo público/institucional como no privado, onde se observa o culto da eficiência, o apego à boa gestão, o triunfo da capacidade e do mérito. Não se trata de firulas, mas de justiça.

Uma outra forma de ver o Custo Brasil
Deixando de lado as exceções, convido-o a dirigir atenção ao que não dá certo neste amado Brasil varonil. E inicio com uma importante calibragem do senso comum.

O ponto central é que o costumeiro olhar sobre o Custo Brasil, onde se enxerga a escassez de infraestrutura, o complexo e avassalador modelo tributário, o déficit educacional com impacto direto na falta de mão de obra especializada, a insegurança e desfuncionalidade do sistema jurídico e a aberrante burocracia como os únicos elementos da composição desse ser tão pouco estranho, invariavelmente nos traz um panorama incompleto, e por conta disso injusto.

Existem outros componentes igualmente importantes, e que em alguns casos possuem um princípio ativo econômico com alta capacidade de potencialização dos elementos comumente citados. E, por mais difícil que seja admitir, residem não no universo público e suas instituições (como também costumeiramente se coloca), mas no mundo privado, incluindo a sociedade como um todo e seu comportamento ativado por nossa raiz cultural.

Assim, é importante destacar que a nossa atávica passividade, o nosso senso enraizado de não participação política/institucional, o otimismo que ecoamos tão facilmente diante de um ou outro ano bom, juntamente com a fragilização crescente do senso crítico muito contribuem para manter o hóspede a que nos referimos alimentado, e confortavelmente instalado. O Custo Brasil.

As empresas também contribuem para o Custo Brasil
A participação privada não para por ai. Na esfera microeconômica reside (ressalvadas as honrosas exceções) a insistente cultura da imprecisão, do não aprofundamento, do desapego com patamares essenciais de organização e eficiência, embalados por uma cultura de gestão que se infantiliza com o tempo, sempre pautada por modismos de última hora, com seus gurus tão imponentes quanto inoperantes.

Neste contexto, existe ainda o recente apego obsessivo ao politicamente correto corporativo, que dilui o senso de realidade e enfrentamento necessários para a sobrevivência empresarial.

Quem não conhece o caso típico da empresa que implementa um programa de responsabilidade social de primeira linha, mas ainda não é capaz de se preparar para se submeter a uma auditoria de primeira linha? O velho teorema onde “parecer” é mais importante do que de fato, ser.

Atitudes que não reconhecem limites e muito fazem para piorar o chamado Custo Brasil. Veja você que há “caça talentos” que recomendam aos seus clientes contratar para cargos de liderança pessoas que gostam de Rock, afirmando que o gosto ao gênero musical é indicativo da capacidade de liderança.

Também vi por ai que é preciso usar mais o “abraço corporativo” como forma de diluir tensões (que às vezes precisam existir). E que tal a conclusão de que candidatos que se divertem frequentemente em joguinhos eletrônicos são dotados de maior capacidade para resolver problemas?

Você já tinha pensado no Custo Brasil de forma mais abrangente, saindo das discussões e responsabilidades apenas dos governos? Já está mais do que na hora de conversarmos com o “hóspede” sobre seu “despejo”, mas antes uma autocrítica vai muito bem.

Até o próximo. Foto de freedigitalphotos.net.

  • http://wallysou.com/ Wallace

    olá!

    sugiro uma pequena correção: onde se lê “cheque”, leia-se “xeque”, visto que se quer fazer referência ao movimento de xadrez que ameaça o rei, e não à folha de papel que indica promessa de pagamento.

    att.

    • http://dinheirama.com/ Conrado Navarro

      Oi Wallace, obrigado pelo comentário e correção. Ajustamos com o autor o texto.
      Um abraço.

      • http://wallysou.com/ Wallace

        olá, Conrado.

        grato pelo retorno.

        abs!

  • Rafael

    O “custo Brasil” também está nos absurdos cometidos pela nossa classe política, como as reformas dos apartamenos funcionais para os deputados em Brasília (que deveriam ser trocados por menores!). Um país que aceita pagar e sustentar esse tipo de coisa, fica difícil dar certo …

  • Maglu

    O Custo Brasil é também o povo que joga lixo nas ruas, nas praias e das janelas dos carros, onibus e caminhoes, nas estradas como se isso nao provocasse custos. É o povo que, mesmo havendo falta de água, continua com o costume de lavar banheiros, calcadas (para ficar limpo nao é necessário jogar água!) e lavar carros em casa. O Custo Brasil sao as construcoes (caríssimas!) com paredes finas como papelao. Haja ar-condicionado para esfriar o calor que entra por paredes e janelas sem vedacao alguma.
    O Custo Brasil sao funcionários públicos aposentados que continuam recebendo “ajuda de custo para gasolina”.

  • Maglu

    Ah, esqueci uma coisa… Custo Brasil é um político do Rio de Janeiro ter protecao policial 24 hs (veja viatura policial na Rua Rainha Guilhermina esq. com Ataulfo de Paiva), mesmo quando ele, supostamente, deveria estar no trabalho e isso “só” porque ele foi assaltado ali. Imaginem se a moda pega e todo cidadao carioca que já foi assaltado exigir o mesmo. Os cofres do governo carioca estariam mais vazios ainda.

  • Igor

    Muito bom o texto, mas em relação aos modismos os quais o autor se refere, creio que não é uma exclusividade brasileira. Me parece que nos EUA esse problema é mais epidêmico, e algumas empresas por aqui apenas copiam as tendências sem ter um objetivo claro.

  • 100000341836663

    Parabéns pelo trabalho, muito bom. http://www.classeaflex.com.br

  • Pingback: Um novo olhar sobre o Custo Brasil | Custo Brasil