A mulher e sua relação com o dinheiro e consumoEscrever sobre a mulher e as finanças, no mês da Mulher, pede uma comemoração que identifique o reconhecimento de suas muitas lutas e conquistas e, principalmente, os diferenciais que este gênero opera no mundo e em nossa história.

Lutas por melhores condições de vida e trabalho, lutas pelo direito ao voto e depois para concorrer a cargos públicos, pela independência e liberdade sexual, reconhecimento profissional e outras que aconteceram no passado, ocorrem na atualidade e nunca terão fim, pois este é o tom da mulher do passado, do presente e do futuro.

Fazendo um paralelo entre todas estas lutas ou desafios e o tema finanças, é traço comum para o sucesso saber o que se quer. E isto, elas, as homenageadas, sabem muito bem. E são fartos os exemplos, nas escolhas que fazem a cada dia, seja nos papéis de mãe, profissional, dona de casa, companheira, entre outros.

Gloria Pereira, em seu livro “As Personalidades do Dinheiro” (Ed. Campus), nos informa que “o feminino do dinheiro é o receber, usufruir, compartilhar, realizar sonhos”. Isto já nos diz muito, mas sempre nos parece uma definição um tanto quanto subjetiva.

Mas quando ela nos oferece o masculino do dinheiro que “é o ‘fazer dinheiro’, criar oportunidades, trabalhar, negociar, comprar e vender, lucrar, investir.”, fica muito clara a maneira tão singular com que a mulher se relaciona com o dinheiro.

A autora, ainda, nos diz que “o autodesenvolvimento para a riqueza, tanto material quanto espiritual, visa ao pleno exercício tanto do masculino quanto do feminino na mesma pessoa”. E isto tudo para o século XXI.

A princípio pode parecer estranho, mas se observarmos o que vem acontecendo nos últimos tempos, verificaremos que as mulheres estão, sim, cumprindo muito bem o seu papel na construção de um mundo melhor, e plural, ao unir os conceitos do masculino e do feminino em seu jeito de lidar com dinheiro.

E quais são essas características das mulheres que, na prática, fazem tanta diferença? As mulheres são: criteriosas, perspicazes, ponderadas, cautelosas, previdentes, positivamente ambiciosas, persistentes, perfeccionistas (buscam excelência em tudo que fazem!), responsáveis, comprometidas, determinadas, fiéis aos vínculos estabelecidos – que são duradouros, sejam em relações pessoais ou corporativas, curiosas e sinceras.

Elas ainda são “multitarefas” e, aliado a tudo isso, gostam de segurança em seus diversos papéis, seja de mãe, filha, esposa, namorada, amiga, profissional, cidadã, entre outros.

Quando falamos de mulheres, não podemos esquecer a influência dos hormônios em suas vidas. Em seu livro “As Leis do dinheiro para mulheres” (Ed. Campus), outra autora, Eliana Bussinger, ensina como a mulher pode se beneficiar desta influência na hora de lidar com o dinheiro.

“Cada hormônio faz com que a mulher aja de determinada maneira: a prolactina faz com que se preocupe com o outro, o cortisol faz com que lute ou fuja, a testosterona com que seja agressiva, a oxitocina com que seja mais amorosa, o estrogênio, com que seja mais controladora, a progesterona, mais delicada, e a dopamina, mais cética”, ela escreve.

Mas, de onde elas tiraram esse repertório que, agora, faz tanta diferença em suas atuações?
Até muito recentemente, os homens trabalhavam e proviam financeiramente a família e à mulher cabia “somente” (sim, entre aspas) cuidar do resto: administrar a casa e seus empregados ou executar os trabalhos (numa condição mais humilde), cuidar da alimentação da família, supervisionar a educação e o estudo dos filhos, dos netos e dar suporte emocional e psicológico a todos.

O resultado é que a mulher desenvolveu competências e talentos para desempenhar diferentes papéis e atividades, simultaneamente – o que agora a diferencia num mundo que pede sensibilidade e simplicidade para fazer a diferença que os tempos atuais tanto exigem.

Elas já são responsáveis por 66% do consumo nacional. O percentual é alto porque as mulheres não compram só para si. Elas compram para os que as rodeiam: filhos, maridos, enteados, netos, avós e amigos. Por isso, as estatísticas também revelam que elas já correspondem a 52% dos cartões de crédito em uso no país.

Mulheres buscam para si e para os seus desde os mínimos cuidados com a saúde, até aquilo que lhes dá prazer e alegria. Elas são multimídia e dividem seu tempo entre sites, e-mail, mídias sociais, TV, rádio e web em geral.

Nos últimos anos, saíram de casa para o mercado de trabalho e conquistaram prestígio, independência e o sustento do lar. Elas se movimentam no sentido de atender necessidades financeiras, promover progresso e garantir, muitas vezes, tranquilidade não só para si mesma, como para toda a família.

Para todas vale o conselho de incluírem o hábito, também, de pouparem. Pesquisas mostram que 54% das mulheres poupam “nada ou muito pouco” de sua renda.

O número é preocupante considerando que, nos últimos anos, a expectativa de vida aumentou em 30 anos e estudos revelam que as mulheres vivem seis anos mais que os homens. Ou seja, o futuro delas (e de toda a sua rede) tem que ser planejado urgentemente.

Como consultor, não posso deixar de aconselhá-las a não consumir por impulso. E mais: mantenham orçamentos escritos; deem-se o direito de sonhar; estabeleçam suas próprias metas, deleguem decisões, preparem-se para o imprevisto; exercitem pensar primeiro em si mesmas para, que estando bem, possam contribuir com os demais. O próximo passo? Buscar informações e aprender investir.

Por tudo alcançado no passado e no presente, desejo um futuro ainda mais promissor para todas as mulheres.

Ah, já ia me esquecendo… O Dia Internacional do Homem também existe e é comemorado em 19 de novembro de cada ano. Mas este assunto já é pauta para outra coluna.

Foto de freedigitalphotos.net.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • 100000316943415

    Artigo muito bacana! Parabéns!

  • 100002175775240

    “È BOM PENSAR NO FUTURO DE NOSSAS CRIANÇAS”
    (Neusa Monteiro)
    A educação financeira deve ser apresentada desde desde a Educação Básica”
    Parabéns pelo artigo.

  • 100002175775240

    “È BOM PENSAR NO FUTURO DE NOSSAS CRIANÇAS”
    (Neusa Monteiro)
    A educação financeira deve ser apresentada desde desde a Educação Básica”
    Parabéns pelo artigo.

  • 100002175775240

    “È BOM PENSAR NO FUTURO DE NOSSAS CRIANÇAS”
    (Neusa Monteiro)
    A educação financeira deve ser apresentada desde desde a Educação Básica”
    Parabéns pelo artigo.

  • Pingback: EduFin – A mulher e sua relação com o dinheiro e consumo – Dinheirama()