erros-investimento-postSe uma de suas metas para 2014 é investir mais e melhor, os fundos de investimentos podem ser uma boa opção.

Por não exigirem um acompanhamento constante por parte do cotista e estarem sujeitos à administração de uma equipe de profissionais, os fundos de investimento são ideias para quem não pode gastar muito tempo ao investir.

Confira neste texto os cinco erros comuns ao investir em fundos de investimento e como evitá-los.

Erro #1: Investir nos fundos de investimento dos grandes bancos

Ao decidir investir, a grande maioria das pessoas escolhe os fundos de investimento disponíveis nos grandes bancos onde são correntistas. O problema desta prática é que geralmente os fundos de investimento destes bancos possuem altas taxas de administração, o que prejudica a rentabilidade esperada pelo investidor.

Como solução, procure uma boa corretora. Evite o comodismo de escolher a primeira opção que surgir pela frente, pesquise quais são as melhores corretoras, o valor das taxas cobradas e a rentabilidade dos fundos de investimento oferecidos.

As corretoras dos grandes bancos costumam ser as mais caras, portanto, também é bom evitá-las. Uma boa dica é escolher fundos de investimento que tenham taxa de performance ao invés de taxa de administração.

A taxa de performance só é cobrada pelos fundos quando os mesmo atingem resultados acima da meta anunciada pelo gestor do fundo. Dessa maneira, você só pagará a taxa quando estiver ganhando.

Erro #2: Pesquisar pouco antes de escolher os fundos de investimento

Segundo estatísticas, 66% dos fundos não conseguem superar o mercado. Isso significa que 2/3 das suas possíveis escolhas apresentam rendimentos menores em comparação com o índice Ibovespa. Logo, escolha bem para não se arrepender no futuro.

Outros fatores a serem levados em consideração na hora de escolher os fundos de investimento são taxas de administração ou taxa de performance, rentabilidade e risco.

Pesquise bastante para selecionar as opções que se enquadram melhor ao seu perfil e objetivos. Aproveite o fato de que muitas corretoras trabalham com fundos de diversas instituições financeiras e possuem várias opções em diferentes segmentos de mercado.

Embora rentabilidade passada não seja garantia de rentabilidade futura, deve ser um fator a ser analisado. Dê preferência para fundos que apresentam uma rentabilidade consistente ao longo do tempo e onde as taxas cobradas sejam menores.

Erro #3: Investir todo o capital no mesmo fundo de investimento

Quando você pesquisar sobre diferentes fundos de investimento, será natural encontrar opções com rendimentos mais elevados que outras. A tentação para investir todo o capital na opção mais rentável será grande.

Resista à armadilha de colocar todo seu dinheiro em um único fundo de investimento. Lembre-se que você será apenas um cotista, não terá poder de decisão sobre os rumos do fundo e não irá dispor de medidas de segurança para vender suas cotas automaticamente, caso ocorra uma desvalorização brusca.

Procure diversificar. Como sugestão, eu aconselho a escolha de no mínimo 5 fundos, lembrando também de aplicar parte de seu capital em renda fixa (Tesouro Direto e Letras de Crédito são as opções que indico neste caso).

Erro #4: Pegar dinheiro emprestado para investir (alavancagem)

Não aconselho ninguém a investir com dinheiro emprestado, ainda mais quando falamos de renda variável. Segundo o megainvestidor Warren Buffett, “alavancagem é o modo mais rápido de perder dinheiro”.

Quem pega emprestado para investir tem a obrigação de fazer esse capital render mais do que a taxa de juros cobrada por quem emprestou, caso contrário estará perdendo dinheiro.

O problema é que aqui no Brasil a taxa de juros dos empréstimos costuma ser mais alta que o rendimento dos melhores fundos do mercado. O que torna este jogo difícil de ganhar, embora em outros países isso seja uma realidade factível.

Mesmo que você encontre um fundo de investimento fantástico, que apresentou 10 anos de desempenho positivo, no qual você tenha a “certeza” de ganhar dinheiro, não vale o risco. Afinal, os maiores erros que cometemos acontecem quando temos certeza de alguma coisa.

Portanto, não corra riscos desnecessários; invista apenas com seu próprio dinheiro.

Erro #5: Não estudar para saber mais sobre investimentos (o maior erro de todos)

Esse com certeza é um dos maiores erros ao investir, não apenas em fundos mais em qualquer coisa. “O investimento em educação costuma render os melhores juros” (Benjamin Franklin).

Mesmo que não esteja nos seus planos gastar muito tempo para fazer seu dinheiro render, estudar como investir melhor deveria estar na sua lista de prioridades.

Investimentos são uma das melhores maneiras de colocar seu dinheiro para trabalhar por você, gerando a tão desejada renda passiva (um dos fatores chave da riqueza!).

Invista em educação financeira, acompanhe bons sites (Dinheirama e Você MAI$ Rico), compre livros, faça cursos. Aprenda para depois poder ensinar. Tenha em mente que pequenos investimentos em educação financeira poderão lhe trazer ganhos significativos durante toda sua vida.

Gosto bastante de uma frase que diz: “A real medida de sua riqueza é quanto você valeria se perdesse todo o seu dinheiro”. Já parou para pensar nisso?

Conclusão

Você chegou até o final de um artigo de quase 1000 palavras, parabéns! Seu nível de comprometimento com suas finanças é realmente diferenciado. Recapitulando os 5 erros mais comuns ao investir em fundos de investimento, temos:

  • Erro #1: Investir nos fundos de investimento dos grandes bancos

  • Erro #2: Pesquisar pouco antes de escolher os fundos de investimento

  • Erro #3: Investir todo o capital no mesmo fundo de investimento

  • Erro #4: Pegar dinheiro emprestado para investir (alavancagem)

  • Erro #5: Não estudar para saber mais sobre investimentos (o maior erro de todos)

Agora que você já tem ciência de quais são os erros e como evitá-los, não perca mais tempo. Comece a investir para ter um futuro mais rico! Espero que este artigo tenha sido útil. Deixe seus comentários no espaço abaixo. Obrigado e até a próxima.

Foto Shutterstock. Accounting

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Anônimo
  • FrankCastiglione

    Parabéns e obrigado pelas informações. Talvez vocês me vejam bastante comentando por aqui. Nunca tive problemas com dívidas, mas por N fatores fiquei num estado de estagnação durante uns 10 anos. Recentemente, larguei meu emprego para me dedicar durante um tempo a estudos diversos, Educação Financeira é uma deles.

    Já li vários artigos do site e ouvi alguns podcasts (tudo isso hoje, em pleno sábado, hehehe). Pretendo investir em ETFs e vocês já me ajudaram a evitar o Erro #1! Fora ele, acho que preciso me atentar ao Erro #2, no restante, acho que estou andando no caminho certo, por enquanto 🙂

    • Obrigado Frank!

      Agora que você já sabe quais são os erros, será plenamente capaz de evitá-los.
      Parabéns pela iniciativa de se dedicar aos estudos, lhe desejo sorte.

      Abraço.

  • VANIA GUIMARÃES

    Caro Bruno, estou lendo seu artigo 4 meses após escrito. Gostei bastante e vi que cometo erros! O principal é não procurar boas corretoras, fora dos grandes bancos. O problema é: não conheço nenhuma corretora. Como saber em qual confiar? Onde verificar a rentabilidade dos fundos que elas oferecem, mesmo sabendo que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura? Também estou começando a procurar educação financeira, e já listei os livros que você mencionou em “Os 10 melhores livros sobre dinheiro que você precisa ler”.

    • Olá, Vania

      Primeiro tenho que me desculpar pela demora em responder, fico mais atento aos comentários no Você MAI$ Rico.

      Quanto as suas perguntas, existem várias corretoras boas, eu particularmente gosto da XP e da Rico. Se quiser optar por outras, basta fazer uma busca rápida na internet procurando por termos como “ranking das melhores corretoras”, e pesquisar o melhor custo benefício.

      As corretoras trabalham com fundos de várias instituições financeiras e tem condições de apresentar a rentabilidade auferida nos períodos que você solicitar, basta pedir. Como reforço na sua pesquisa use o google para procurar por “ranking dos melhores fundos de investimento” ou “Ranking investimentos mais rentáveis”.

      Quanto ao artigo “Os 10 melhores livros sobre dinheiro que você precisa ler”, são ótimos livros e aconselho fortemente a leitura de todos. Você com certeza dará um salto em conhecimento.

      Continue acompanhando o Você MAI$ Rico!
      Abraço.

      • Bruno

        Formado em que? Especializado em que? Certificado em que?