Um dos temas mais fascinantes que envolvem dinheiro e cidadania é a educação financeira voltada para crianças e jovens. O desafio de ensinar conceitos importantes relacionados às finanças pessoais envolve pais, educadores e as próprias crianças. Não é nada fácil!

Conversei sobre o tema com uma autora da área que admiro bastante, Ana Paula Hornos. Ana Paula é Empresária, Educadora, Coach, Palestrante e Autora. Há mais de 5 anos se dedica a projetos de educação, coaching e consultoria financeira pessoal e empresarial.

Ela também é autora do material didático escolar “O Bê a Bá do Dinheiro” (Scortecci, 2014) para educação financeira de crianças e adolescentes e do livro de leitura infanto-juvenil “Crise Financeira na Floresta” (Scortecci, 2014).

Confira como foi nosso papo:

Ana Paula, sempre defendemos a máxima de que “as palavras ensinam, mas só o exemplo arrasta”. Com a educação financeira dos filhos, também é assim?

Ana Paula Hornos: A criança aprende de 3 formas:  através dos pais, do ambiente escolar e do que ela absorve do entorno dela. Se hoje temos um cenário desfavorável, com fortes apelos de consumo e influência da mídia sobre nossos filhos, aumentou a responsabilidade dos pais e das escolas na educação financeira.

Os pais, assim como as escolas, devem se preparar com metodologias, técnicas e ferramentas para ensinar as crianças a lidarem com o dinheiro. E, sem dúvida, o comportamento dos pais é uma das formas mais eficazes de ensinar aos filhos.

É importante que os pais também lidem com suas próprias finanças de forma saudável e equilibrada e que compartilhem, dentro da realidade de cada faixa etária, os desafios e projetos do orçamento familiar com os filhos e entre o casal.

Como devemos, como pais, lidar com o consumismo dos dias de hoje? Que atitudes devemos tomar para equilibrar as necessidades dos filhos com os seus desejos de consumo?

A. P. H.: Os tempos mudaram em relação à época dos nossos pais e de nossos avós. Aumentaram as ofertas, as seduções e com isso a ansiedade e o desejo por ter mais. Se o assédio da mídia e a ciência do comportamento do consumidor se aperfeiçoa dia após dia, o desafio hoje é preparar as crianças para lidarem com o dinheiro e para fazerem escolhas financeiras em um cenário mais complexo.

O grande desafio é ensinar aos filhos que o dinheiro é um recurso limitado, ensiná-los a diferenciar as necessidades e os desejos e a priorizar. Existe o aspecto técnico a ser ensinado, mas o mais importante é desenvolver musculatura emocional em nossas crianças para tomarem as melhores decisões financeiras quando adultos e a não reagirem por impulso frente a essas decisões.

Já é provado pela Psicologia Econômica que nosso cérebro, quando pressionado ou estressado, tende a tomar decisões pelo ímpeto, a evitar a dor e buscar o prazer. Para frearmos este processo, em uma situação de apelo ao consumismo, é necessário que nosso cérebro esteja treinado e saiba identificar o gatilho.

Nada melhor do que fazer esse treinamento emocional desde pequeno! Nos cursos e palestras que dou, abordo técnicas, ferramentas e metodologia para ensinar aos pais e escolas, a treinar as crianças e filhos desde pequenos tanto do ponto de vista técnico, mas também, e principalmente, emocional.

O endividamento como forma de adquirir patrimônio parece ser algo normal na maioria das famílias brasileiras. O crédito é bem-vindo em algumas situações? Como decidir quando usá-lo e, ao mesmo tempo, não passar a “mensagem errada” para os filhos?

A. P. H.: Hoje, mais da metade das famílias brasileiras encontra-se endividada. E isso traz uma pressão muito grande aos lares, aos casamentos e a saúde dos indivíduos de uma forma geral.

Empresas muito alavancadas, assim como famílias endividadas, ficam muito mais vulneráveis frente a situações de emergências, imprevistos ou tempos econômicos mais difíceis, de crise ou recessão. E sabemos que a vida é cíclica, e que tempos difíceis podem acontecer.

Algo é certo: imprevistos vão acontecer! Imprevistos são previsíveis! Com a educação financeira, aliada ao trabalho de “coach” financeiro que faço, ajudo indivíduos e famílias a buscarem um equilíbrio de suas finanças e a alcançarem suas metas financeiras, de forma a pouparem recursos para emergências, realização de sonhos e planejamento para a aposentadoria.

Para não passar “mensagem errada” aos filhos, é primordial mostrar a realidade familiar e inclui-los nas discussões do orçamento, prioridades, circunstâncias da vida, imprevistos familiares e projetos.

Do ponto de vista comportamental, um dos principais valores que podemos passar aos filhos é a paciência, o saber esperar. Saber esperar é o fiel da balança entre poupar e endividar-se, entre antecipar uma compra, através de parcelamento e crédito, ou conseguir esperar, guardar o dinheiro e se beneficiar dos juros. E a paciência pode ser ensinada e treinada desde o berço.

O que você pode dizer para nossos leitores sobre a mesada (ou semanada)? Trata-se de um bom instrumento de educação financeira? Como ele deve ser usado?

A. P. H.: A mesada é uma excelente ferramenta de educação financeira. A melhor idade para se começar a mesada é por volta dos 7 ou 8 anos, quando a criança já sabe as operações matemáticas básicas para saber lidar com o troco e fazer contas.

Os pais sempre perguntam quanto devem dar de mesada. A resposta do quanto dar volta com uma pergunta importante: qual é o objetivo que tenho como pai ou mãe ao dar a mesada? Essa é uma reflexão importante.

A mesada é saudável quando cumpre 3 finalidades: mostrar que o dinheiro é um recurso limitado, passar valores e princípios e praticar a autonomia. Os pais devem montar o valor da mesada em conjunto com seus filhos, através de critérios.

Para mostrar que o dinheiro é um recurso limitado, a mesada precisa realmente ser um recurso limitado. Por exemplo, eleger quais são os gastos que a mesada vai incluir. Se os critérios forem a cantina da escola, as figurinhas do álbum e o cinema, ela deve ser suficiente para tanto.

Ela deve ser justa, nos dois sentidos! Justa de justiça, que seja razoável dentro dos critérios escolhidos e justa de apertada, para que a criança tenha que exercitar escolhas e prioridades.

Na Educação financeira, existem alguns valores e princípios importantíssimos a serem ensinados. Podemos citar alguns como o saber esperar e poupar, saber priorizar, diferenciar entre necessidade e desejo, saber doar e repartir.

É importante que a criança aprenda a dar três destinos à mesada: a poupança, o uso e a doação. A mesada deve ser utilizada como exercício para passar valores e princípios. E a terceira finalidade da mesada é a pratica da autonomia.

Dentro dos critérios escolhidos para a mesada, é recomendável deixar a criança livre para suas próprias escolhas, mesmo que implique em erros. Pai e mãe não devem emprestar ou cobrir eventuais decisões erradas. Melhor cometer um erro e passar por um aperto financeiro com a mesada de pequeno do que ficar no negativo quando adulto.

Pais e mães devem permitir que seus filhos exerçam autonomia e deixem as consequências naturais ensinarem. É de pequeno que se aprende!

Você criou o curso “Filhos e o Dinheiro”, que acontecerá no dia 11 de agosto em São Paulo. Pode explicar melhor o conteúdo do curso e como nossos leitores podem participar?

A. P. H.: O curso “Filhos e o Dinheiro” se propõe a munir os pais de técnicas, ferramentas e metodologia para educar seus filhos ao longo de todas as faixas etárias, do zero aos 50 anos, para se tornarem adultos responsáveis, saudáveis, equilibrados e felizes em relação ao dinheiro.

Através do curso, vamos ajudar aos pais a desenvolverem musculatura emocional nos seus filhos para lidarem com o apelo de hoje ao consumismo, a ensina-los a lutarem por seus sonhos e principalmente a ensiná-los o valor do dinheiro.

Quem quiser saber mais sobre o curso pode clicar aqui e conhecer melhor a proposta. Há uma turma prevista para o dia 11/08, convido-o a acessar o site para detalhes.

Ana Paula, obrigado pela disponibilidade. Gostaria que você deixasse uma mensagem final sobre educação financeira e filhos para nossos leitores e também uma forma de entrarem em contato com você.

A. P. H.: Como mensagem final, tenho a dizer que a educação financeira para os filhos é fundamental para que eles se tornem pessoas felizes e equilibradas. O dinheiro é parte muito importante de nossas vidas. E indivíduos, casais, famílias que sabem lidar com as finanças de forma saudável serão mais felizes e terão mais sucesso.

Através do trabalho de coaching, cursos e palestras, minha proposta é ajudar pessoas e famílias a aumentarem sua autoconfiança, equilíbrio e o seu autoconhecimento ao lidar com o dinheiro, aprimorar o planejamento financeiro pessoal e familiar e a alcançar resultados positivos para si próprio, para o casal e para os filhos.

Através do material didático que desenvolvi, ajudamos escolas a trabalharem junto a seus alunos a educação financeira. Temos programas também para colaboradores em empresa. Convido o leitor do Dinheirama a conhecer mais sobre mim acessando www.anapaulahornos.com.br, será um prazer recebê-lo por lá. Parabéns pelo trabalho e obrigado.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários