Aqueles que conseguem acumular recursos para complementar a renda da aposentadoria invariavelmente se deparam com a seguinte questão: quanto eu posso retirar das minhas aplicações financeiras?

Determinar esse valor é uma tarefa de grande importância para aqueles que estão contando os dias para parar de trabalhar, ou pelo menos reduzir a carga de trabalho.

Nos EUA a “regra dos 4%” é amplamente utilizada para se chegar a esse valor. Neste post, vou comentar o resultado de um estudo que mediu a eficiência das principais estratégias utilizadas para se chegar ao valor da retirada na aposentadoria e como o investidor pode aplicar uma metodologia mais adequada.

Regra dos 4%

A regra mais utilizada para determinar a renda complementar anual do aposentado é bem simples. O valor de partida para a aposentadoria é obtido multiplicando 4% pelo saldo das aplicações financeiras acumulado. Por exemplo: o aposentado que conseguiu acumular $ 1 milhão, poderá retirar no primeiro ano $ 40.000 (4% x 1.000.000). Do segundo ano em diante, esse valor será ajustado para inflação. Dessa forma, se a inflação durante o primeiro ano for de 6%, o fluxo de caixa no ano seguinte será de $ 42.400 e assim por diante.

Essa regra é resultado da pesquisa realizada por Bill Bengen em 1994, ou seja, há mais de 20 anos.  Quando foi apresentada, foi bastante criticada. No entanto, tem sido aprimorada e bastante utilizada.

Críticas

Embora a regra dos 4% seja bastante fácil de ser aplicada, ter como base um valor fixo inicial é sua grande falha.

A metodologia não leva em conta as mudanças importantes que ocorrem ao longo do tempo como o aumento da expectativa de vida e os movimentos do mercado que vão impactar o desempenho dos investimentos.

Incertezas

As taxas de retorno que serão praticadas no futuro e o tempo que os recursos deverão durar são as maiores incertezas e fatores de preocupação de investidores e planejadores financeiros. Assim sendo, é difícil determinar com exatidão a renda que pode ser gerada pelos investimentos e que eliminaria qualquer possibilidade de o aposentado ficar sem dinheiro. No entanto, é possível adotar uma metodologia mais eficiente do que a regra dos 4%.

Estudo mais recente

De acordo com David Blanchett, da Morningstar Investment Management, muitos estudos foram realizados para definir o quanto o aposentado pode sacar de seus investimentos, porém pouco foi feito para comparar a eficiência relativa das diferentes estratégias.

Em seu trabalho (clique para ler), Blanchett criou uma medida para determinar a taxa de retirada mais eficiente.

Os resultados alcançados são bem intuitivos. Dado que os retornos de mercado e a mortalidade são variáveis aleatórias, os modelos que levam probabilidades em conta produzem resultados melhores.

Resultados

Os resultados obtidos na avaliação das cinco estratégias mais utilizadas sugerem que o método mais comum empregado, a regra dos 4%, não é eficiente. O objetivo principal desta estratégia se concentra no fluxo de caixa e não leva em consideração os retornos da carteira.

Na vida real, se os retornos da carteira forem muito baixos, a retirada anual deve ser reduzida, para assegurar que o dinheiro dure por toda a fase de aposentadoria. O inverso também é verdadeiro. Se os retornos forem altos, a renda complementar poderá ser aumentada.

Fazer ajustes nos valores retirados, de acordo com cada momento, garante que a renda complementar dure o tempo necessário para garantir uma aposentadoria tranquila. Todavia, a estratégia ótima de retirada incorpora as estatísticas de mortalidade e com ela o percentual de retirada é determinado com base em probabilidades.

Como se planejar

O modelo ideal para calcular a retirada das aplicações financeiras na aposentadoria não é fácil de ser empregado pelo investidor. Uma sugestão do autor do estudo, como alternativa razoável, porém que incorpora taxa de mortalidade, é dividir 1 pelo tempo restante de expectativa de vida.

Por exemplo, com base na tabela de expectativa de vida americana AT-2000, a expectativa de vida para uma pessoa de 65 anos é 28 anos. Através desse método, a retirada no primeiro ano seria 3,6% (1 /28).

Dado que o período de aposentadoria é reduzido a cada dia, o valor de retirada do segundo ano será baseado numa nova expectativa de vida e, consequentemente, a retirada será um percentual maior.

Concluindo

Embora pertençam a mundos completamente diferentes, o aposentado brasileiro se depara com as mesmas dificuldades na hora de se aposentar. Não temos nenhuma metodologia especifica para o nosso mercado, mas adaptações às técnicas testadas podem ajudar-nos a definir o valor de retirada das aplicações financeiras na aposentadoria.

Como vão seus planos para a aposentadoria? Você já está pensando o quanto poderá retirar anualmente ao se aposentar?

Se você tem alguma dúvida sobre como planejar seus investimentos para a aposentadoria, entre em contato comigo através do canal Fale com a Sandra, no site da Órama.

Nota: Esta coluna é mantida pela Órama, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto: seniors hiking in nature on an autumn day, Shutterstock.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários