Recentemente, alguns jornais publicaram questionáveis matérias comentando que os economistas não foram capazes de prever a crise que assola o Brasil atualmente. Mas você, leitor ou leitora do Dinheirama, sabe que foram feitos diversos alertas por aqui e em outros veículos com credibilidade (não necessariamente por economistas) no sentido de que o Brasil passaria por inúmeras dificuldades, como tem acontecido.

Especificamente em relação ao assunto envolvendo carros e finanças, em abril de 2014 eu publiquei um artigo com o título: Carros: o mercado na direção de uma crise. Caso tenha curiosidade, você poderá observar que todos os fundamentos e tendências expostos permanecem atuais e apenas foram intensificados nos últimos tempos.

É importante fazer essa lembrança porque, assim como salientado naquela oportunidade, o nosso modelo está esgotado e, caso não ocorram mudanças drásticas nas áreas econômica e política do país, não há nenhum sinal concreto de que haverá melhoras no futuro.

Nesse contexto, é possível dizer que 2016 será um ano ainda mais difícil para o setor e para os consumidores.

Para ilustrar, vou mencionar um exemplo vindo do mercado de caminhões. De acordo com a Scania, a expectativa é de que o mercado de caminhões acima de 15 toneladas (semipesados e pesados) deverá encerrar este ano com queda de (impressionantes) 67%. Além disso, espera-se que em 2016 ocorra outro tombo, na faixa entre 10 a 15%, conforme publicado nesta notícia.

Mesmo diante dessa realidade desoladora, a Volvo já pronunciou sua intenção de reajustar, a cada 3 meses, os preços de seus caminhões em 2016.

A análise dessas duas notícias combinadas pode servir como um indicativo do que vem pela frente também no mercado de carros. Apesar da queda das vendas e estoques em alta, há muitas pressões nos custos de fabricação e isso tende a ser repassado para os consumidores.

Leitura recomendadaCarros: cuidado porque os preços estão confundindo você

Os principais motivos fundamentam-se nas altas do dólar, do euro, da inflação, dos juros, da energia elétrica, combustíveis e demais insumos.

Entre esses fatores, a elevação das referidas moedas internacionais provavelmente trará muitos impactos futuros, principalmente no caso dos importados (ainda mais no momento em que houver a troca de estoques). Os carros nacionais também possuem componentes importados que se tornaram mais caros.

Esse panorama possivelmente trará mais quedas nas vendas de carros 0km, inclusive por conta da queda de confiança de empresários e consumidores, os quais também são afetados pelo crescente desemprego.

Por outro lado, o mercado de carros usados ainda poderá ter um espaço para manter o crescimento apresentado recentemente, mas talvez também pode enfrentar uma perda de fôlego.

Paralelamente, não podem ser esquecidas outras tendências, inclusive já comentadas em outros artigos meus no Dinheirama. Entre elas está o risco de mais marcas deixarem o Brasil.

Além disso, muitas outras concessionárias também serão fechadas, o que requer bastante atenção por conta das dificuldades na manutenção e revenda de veículos nas regiões afetadas.

Com as complicações apontadas, também é provável que novos projetos de carros sejam adiados ou cancelados. Em outros casos, poderá haver lançamentos de carros com projetos empobrecidos, como os destinados apenas a mercados emergentes e não os globais (as diferenças são explicadas no meu livro digital, o “Como Escolher o seu Carro Ideal” (clique agora para conhecer).

Ainda haverá casos de veículos de gerações defasadas sendo ofertados como zero quilômetro (inclusive convivendo com o modelo atualizado em determinados casos).

Leitura recomendadaCarros: O Maior Erro na Hora da Compra. Evite-o a todo custo!

Finalmente, é preciso repetir que esse cenário se baseia na manutenção da atual conjuntura política e econômica. Se houver mudanças significativas nesses aspectos, é possível que uma onda de otimismo e de elevação de confiança possa reverter, ainda que gradualmente, essas tendências.

Enquanto isso, cada vez mais a compra e a manutenção de carros precisa ser realizada de forma organizada e de acordo com a capacidade financeira dos proprietários.

PS: Caso você pretenda comprar ou trocar de carro, de forma consciente e bem planejada, o livro digital “Como Escolher o seu Carro Ideal” (clique agora para conhecer), de minha autoria, apresenta um roteiro completo com todos os passos fundamentais para evitar arrependimentos. E para começar 2016 controlando bem os gastos do seu carro, eu também elaborei uma planilha cujo download (gratuito) pode ser feito neste link: http://bit.ly/PlanilhaCarro

Obrigado pela atenção, um abraço e um forte desejo de superação dos desafios em 2016!

Foto “Automobiles”, Shutterstock.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários