Em se tratando de aposentadoria, a esmagadora maioria da população tende a cometer dois erros: não se preocupar com isso ou se preocupar tarde demais.

Temos a sensação de que a velhice é algo distante e, dessa forma, vamos postergando indefinidamente uma decisão que deveríamos tomar no início das nossas vidas profissionais: o planejamento da nossa aposentadoria.

A previdência privada é uma das alternativas para quem quer uma renda complementar na aposentadoria. Existem basicamente dois formatos: PGBL – Plano Gerador de Benefícios Livre –  e VGBL – Vida Gerador de Benefícios Livre.

A diferença entre os dois é que no PGBL é possível deduzir do IR até 12% da sua renda bruta tributável, ou seja, a base sobre a qual irá incidir o imposto na sua renda é menor. Em contrapartida, nesse formato o imposto irá incidir sobre o total acumulado, incluindo os aportes. Ou seja, o imposto sobre a sua renda será menor, mas o imposto sobre a previdência será maior.

Já no VGBL, não existe esse benefício tributário da dedução do imposto, entretanto, o imposto irá incidir apenas sobre a rentabilidade do capital investido e não sobre os aportes, como acontece no PGBL. O VGBL, na verdade, funciona como um seguro de vida. Se o contribuinte vier a faltar, a família recebe o benefício. No entanto, caso isso não ocorra, ele pode se beneficiar do investimento realizado.

Leitura recomendadaReserva para emergências é uma coisa, para aposentadoria é outra

Vale lembrar que existem duas opções para se beneficiar desse investimento:

  • A primeira maneira é fazendo o resgate da previdência, o que contempla o valor investido mais a rentabilidade do plano;
  • A outra opção é deixar o montante investido e escolher uma renda mensal ao longo dos próximos 10, 15 ou 20 anos. Essa renda será proporcional ao montante disponível para resgate.

Antes de iniciar uma previdência privada é importante que se faça uma pesquisa de mercado nas instituições financeiras e se compare os diversos produtos ofertados. O investidor precisa ter dois cuidados básicos:

  • Verificar a idoneidade da instituição na qual ele pretende iniciar seu plano;
  • Verificar as taxas que são cobradas por essa instituição.

Muitos planos tornam-se inviáveis financeiramente devido às taxas cobradas. Fuja de previdências que te cobrem taxa de carregamento – qualquer que seja ela – e taxas de administração superiores a 2% ao ano. Fazendo isso, você já terá se livrado de boa parte dos problemas.

Como em qualquer outro investimento, mais importante até do que a quantidade de capital investida é quanto tempo o dinheiro ficará trabalhando para você.

Um jovem de 20 anos que inicia um plano de previdência vislumbrando 30 anos a frente, provavelmente terá um retorno maior do que alguém que inicia aos 45 anos, para se aposentar aos 65. Quanto antes o investidor começar, melhor. Mas se ainda não começou, comece, independente da idade! Afinal, antes tarde do que nunca.

É importante o investidor entender que a previdência privada é apenas um dos mecanismos de se investir para a aposentadoria. É fundamental para o futuro financeiro de uma família ou indivíduo que haja esse planejamento financeiro com horizonte de longo prazo.

E-book gratuito recomendadoO novo aposentado

No entanto, existem outras modalidades de investimento, além da previdência privada, que podem ser até mais vantajosas, dependendo do seu perfil de investidor e dos seus objetivos. Independente do formato escolhido, o importante é investir. Se você ainda não começou, comece… Já! Até a próxima.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Inacio

    Quando falamos da modalidade VGBL, a tributação pode chegar a 10% para resgate após 10 anos, correto?

    Seriam 10 anos após a pactuação do investimento ou 10 anos após o último aporte?

    Exemplos: (i) assino o contrato em 10/08/2016 e fiz aportes regulares por 10 anos. em 11/08/2026, poderei resgatar o valor investido + rendimentos com a alíquota de 10% OU (ii) assino o contrato em 10/08/2016 e fiz aportes regulares por 5 anos (até 11/08/2021), até que decidi que não queria mais investir na PP. Em 11/08/2026 eu poderei resgatar o valor com alíquota de 10% ou terei que esperar até 11/08/2031?