Luciana comenta: “Navarro, tive contato há pouco tempo com o site Dinheirama e me apaixonei! Nunca tinha lido e estudado sobre dinheiro de forma tão agradável. Eu sempre detestei falar sobre finanças, mas agora percebo sua importância e quero que meus filhos cresçam com uma visão diferente, vendo o dinheiro como ‘instrumento de liberdade’, como você diz. Tem dicas pra mim? Obrigada”.

É muito gratificante para todos nós da equipe Dinheirama receber mensagens de apoio e reconhecimento. Como não consigo responder a todas as mensagens, gosto de agrupar os assuntos semelhantes e responder em forma de artigos, como este de hoje.

Você certamente já se viu diante de uma questão essencial para a continuidade familiar e o saudável dia a dia entre pessoas queridas: como tratar a questão da educação financeira envolvendo os filhos? Sim, trata-se de um assunto muito importante e que deve ser colocado na vida dos filhos o quanto antes.

Regras? Fórmulas? Esqueça isso. Não há uma idade específica, pois o desenvolvimento e as experiências vividas variam de acordo com os hábitos familiares. E isso é bom! Hoje vou abordar algumas práticas simples, mas que funcionam muito bem (deixei de lado a do “porquinho” porque essa você já conhece muito bem).

Dica #1: Envolva os filhos na rotina de consumo

Enfrentamos, diariamente, supermercados, padarias, lojas de roupas, farmácias e inúmeros outros “desafios”. Em muitas destas ocasiões nossos filhos estão presentes, portanto, não faltam oportunidades para praticar a educação financeira.

Por outro lado, ainda falta muita disposição por parte dos pais. Poucos deles têm a paciência necessária para explicar aos filhos a importante da relação “trabalho x dinheiro x consumo”.

Logo que a criança começar a manifestar seu desejo de possuir alguns produtos e pedir para você comprar, já é o momento de começar a explicar. Normalmente, as frases “eu quero” ou “compra pra mim” acompanham estas situações.

Explique que apenas “querer” não resolve. É necessário “poder”. Este poder, associado ao ato de comprar, é possível através do uso do dinheiro (em espécie ou nos formatos eletrônicos, como cartões de débito e crédito, por exemplo).

Em seguida, explique que o dinheiro é uma conquista que vem pelo trabalho, e que ele faz a “ponte” entre o trabalho e o poder de compra. A ordem também é importante de ser explicada. Primeiro o trabalho, depois o dinheiro, depois as compras.

Leitura recomendada: Não subestime as crianças: elas são muito mais espertas que nós!

Dica #2: Envolva os filhos na rotina de trabalho

Outra etapa importante do processo é envolver os filhos em alguma rotina de trabalho. Dessa forma, desde cedo eles irão aprender a valorizar o esforço de suas atividades e a natureza desafiadora do dia a dia de quem trabalha.

Aqui há um cuidado que precisa ser observado. Não misture as tarefas obrigatórias da idade da criança com trabalhos que poderão ser remunerados com pequenas quantias de dinheiro. É meio óbvio, mas vamos lá: escovar os dentes, tarefas da escola, arrumação da cama e dos brinquedos, ser educado com as pessoas, entre outras coisas, são obrigações e não devem ser remuneradas.

Alguns pais se sentem tentados a barganhar essas coisas com os filhos diante da preguiça dos pequenos em executá-las. Estes são momentos para você exercer sua autoridade e não para recompensar com dinheiro ou presentes. Cuidado para não “comprar” seu filho, isso não é educação financeira.

Por outro lado, ajudar na limpeza geral da casa, na lavagem das roupas ou do carro são exemplos de tarefas que podem ser remuneradas. Digo “podem”, pois cada família tem uma dinâmica diferente de vida. Se você paga (ou pagaria) alguém para fazer uma atividade, seu filho também pode executá-la mediante pagamento.

Estas tarefas precisam fazer sentido para a criança dentro do contexto familiar, além de se enquadrarem neste processo pedagógico. Você quer ensinar os pequenos, transmitir valores e princípios e não apenas “comprar a paz”, certo?

Para crianças maiores, criar objetos (como artesanatos) ou fazer comidas (como doces e lanchinhos) que possam ser vendidos é melhor ainda. Isso os fará trabalhar outro ponto importante na vida de todos nós: aprender a vender.

Leitura recomendada: Mesada: como transformar essa experiência em grande aprendizado

Dica #3: Envolva os filhos no manuseio do dinheiro

Outra coisa também muito relevante é ensinar os filhos a lidar o dinheiro. Ainda existe um tabu que diz que a criança não pode “tocar” no dinheiro, pois ele é “sujo”. Bem, o chão também é sujo, os bichos de pelúcia estão empoeirados, os cobertores podem conter ácaros e por aí vai.

Em um quadro do famoso Dr. Bactéria (que passava no Fantástico, da Rede Globo), uma análise mostrou que a casca do limão era mais “suja” que mais suja nota de 1 Real (naquela época, ele ainda existia).

A questão, portanto, não é de higiene, afinal basta lavar as mãos após o manuseio. Por outro lado, a criança crescer com a ideia de que o dinheiro é “sujo” pode prejudicar a sua relação emocional com esta importante ferramenta, alguns “estragos” podendo ser muito grandes e duradouros.

Assim que os filhos começarem a adquirir noções matemáticas, comece a explicar as diferenças de valores das moedas e cédulas. Mais adiante, explique que os meios de pagamentos eletrônicos (cartões, principalmente) possuem limites e devem estar sempre associados com o patrimônio e orçamento familiar.

Na hora de pagar as compras no caixa, relembre todo o processo. Repita isso várias vezes, da mesma forma que você faz para ensinar outras coisas aos pequenos. Funciona!

Vídeo recomendado: 4 Dicas para que seu filho adolescente tenha um futuro melhor

Seja você o maior exemplo

Por fim, seja você, pai ou mãe, o exemplo para os seus filhos. A todo instante ele está observando atentamente o seu comportamento, e com dinheiro não é diferente. Esqueça aquela coisa de “Faça o que eu falo, não faça o que eu faço” e simplesmente faça o que precisa ser feito: pratique a educação financeira.

Não adianta você falar uma coisa para a criança, mas na hora de executar, agir de forma diferente. Isso causa confusão na mente delas e atrapalha o processo de aprendizado.

Quando toda a família entende a importância da educação financeira e adota seus princípios como um estilo de vida, todos são beneficiados (no presente e no futuro). Os filhos, em especial, poderão, desde cedo, contar com o tempo, outra importante ferramenta de enriquecimento.

Conclusão

Há muito que falar sobre educação financeira infantil. Para aprender um pouco mais e melhor (e sem gastar nada por isso), deixo aqui os links de acesso para três eBooks que a equipe Dinheirama preparou para você. Basta clicar nos títulos:

Estes materiais ajudarão com mais alguns insights e dicas para você ter sucesso nesta jornada. Boa leitura! Um grande abraço e até a próxima!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários