Ao longo da nossa vida nos deparamos com oportunidades e vontade de mudar. Começar a empreender, mudar um hábito, mudar de emprego, de país etc.

Mesmo que a vontade seja forte e você já saiba quais são os prós e contras, muitas vezes, o medo nos impede de seguir para o novo.

Se você, leitor, já se deparou com esse frio na barriga quando o novo está à sua frente, esse artigo é para você! Fomos conversar com a coach Claudia Barros, que auxilia pessoas em seus desafios. Ela compartilhou com a gente valiosas lições! Confira como foi nosso papo:

Por que sentimos medo de mudar por mais que a oportunidade na nossa frente pareça muita boa?

Claudia Barros: Existem muitas pesquisas sobre a mudança, inclusive, o tema “zona de conforto”. Mas eu sinceramente acredito que este sentimento de medo muito tem a ver com nossas questões internas e a forma com que fomos educados; e que consequentemente fomos nos educando.

Aprendemos desde a nossa mais tenra infância a seguir modelos e padrões, e não que isso seja ruim, pelo contrário, isso é base para a maior parte da formação que nos sustenta no nosso dia a dia.

Mas a questão é que ao seguir certos modelos acreditamos que temos que nos adequar.

E com isso criamos uma forte identificação com um determinado padrão que adotamos e daí surge a tal “zona de conforto”, porque ao nos identificarmos criamos uma certa afinidade, e esta nos faz crer que sair dela, não nos sentiremos mais confortáveis… é onde aparece o tal sentimento de medo da mudança.

Ainda que a oportunidade pareça irresistível, é quase impossível pensar em desconstruir a identificação e a afinidade com aquele conforto que já conhecemos.

Ebook gratuito recomendado: Ter uma Vida Rica Só Depende de Você

Como lidar com os medos de fatores que não podemos controlar? Por exemplo, a crise no país? Um fator externo que atrapalha a vontade de mudar de carreira, por exemplo.

C.B.: Eu acredito que todos estes fatores que não nos trazem o controle são verdadeiras fontes de aprendizado. Eles sempre vêm carregados de lições e de grandes descobertas.

A crise é em grande parte uma oportunidade de mudança de estado e, sobretudo de percepção.

Por isso eu acredito que para lidar com algo novo, que não temos um padrão pré-definido, é preciso vê-lo sob um outro prisma, é preciso mudar a percepção e ver em perspectivas diferentes, para então buscar outras formas de encará-lo.

O que as pessoas que não ficam na zona de conforto têm em comum?

C.B.: A meu ver são pessoas que estão sempre em movimento e que talvez, por isso, tenham percepções diferentes das coisas, eventos e situações.

Desta forma colocam-se sempre em novos eventos, novas situações, alimentando um ciclo que pode ser virtuoso ou vicioso de mudanças.

Como manter o pensamento positivo durante uma transição?

C.B.: A transição é como todo momento de vida e pressupõe altos e baixos, pensamentos positivos e pensamentos negativos, bons e maus tempos, e isso é algo que merece atenção.

Aprendemos desde muito cedo a não gostar do negativo. E não acredito ser possível manter algo positivo o tempo todo, principalmente pensamento.

A minha receita é trabalhar para que o pensamento venha positivo naturalmente mas, se não vier, aceite e acolha o que vier e pense que é passageiro, buscando mais uma vez alterar a percepção sobre aquele pensamento.

É sempre possível positivar algo negativo, lembre-se daquela aulinha básica da matemática em que você aprendeu a multiplica por -1, lembra?

Leitura recomendada: Caminhe suas palavras: um exemplo vale mais que mil delas

Você recomenda algum exercício ou técnica para que a pessoa possa avaliar se deve ou não encarar uma mudança?

C.B.: Não sei se é uma crença ou um costume, mas tendo vindo da área de Planejamento, acredito que um exercício interessante de se fazer sempre que se apresentam dúvidas na vida é a análise SWOT ou análise FOFA em português.

É uma ferramenta que analisa forças, oportunidades, fraquezas e ameaças, desta forma é a análise fica mais embasada.

Outra coisa que posso sugerir é aplicar a técnica ou Método Socrático de conhecer-se a si mesmo, algo que na atualidade remete ao autoconhecimento.

E ao aplicar esta técnica automaticamente, você será convidado a entrar em um caminho sem volta e eu acredito que ao trilhar este caminho, você irá desvendar muitos segredos e revelar chaves para muitas portas, que parecem abertas, mas que podem não ser boas oportunidades de entrada.

E se após uma decisão, a pessoa sentir que falhou? Como lidar com a sensação de frustração?

C.B.: Falhar é uma das grandes possibilidades, afinal só falha quem age.

Acredito que lidar com as sensações é uma das coisas mais difíceis na nossa vida, mas esta tentativa é também uma ação. Para ficar bom em algo é preciso treinamento e, sobretudo tirar algum aprendizado do fracasso e mesmo da frustração.

Algumas perguntas que podem ser feitas – e que muito auxiliam este processo:

  • Qual a real razão de eu estar me sentindo frustrado?
  • O que eu poderia ter feito diferente e que talvez me levasse a outro resultado?

E ir se aprofundando até encontrar a real causa da frustração, às vezes é uma crença que poderá ser ressiginificada.

Leitura recomendada: Você tem medo? Que bom, então é alguém normal!

O que você diria para as pessoas que querem fazer algo novo, mas estão com receio?

C.B.: Eu diria, faça com receio mesmo. Existe uma máxima que diz: “Tá com medo? Pois vai com medo mesmo!” Para viver é preciso agir.

Não haverá resultado diferente se não houver uma ação diferente, é uma citação atribuída a Einstein, mas não sei se é verdade que ele disse, mas eu acredito muito nela: “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes.

Você tem algum livro que mudou a sua vida em relação a esse tema?

C.B.: Tenho alguns livros que me inspiram, mas um em específico me auxiliou – e tem me auxiliado ainda – nos muitos momentos em que preciso provocar alguma mudança em minha vida.

“A coragem de ser imperfeito” da Brenee Brown é o livro. A palestra no TED, foi como a descobri é “O poder da vulnerabilidade” – E na verdade eu conheci o livro após ter visto a palestra, que é simplesmente transformadora!

Sobre Claudia Barros, por ela mesma:

Uma eterna aprendiz, assim eu me defino. Formei-me em Engenharia Mecânica e fiz algumas especializações, mas muito mais que isso passei por vários desafios sempre buscando aprender um pouco mais.

Trabalhei essencialmente com pessoas, mobilizando-as a entregar o seu melhor para as organizações em que trabalhei. Atualmente trabalho com desenvolvimento humano em trabalhos assistenciais e como voluntária.

Sou coach certificada e facilitadora de dois jogos de autoconhecimento e desenvolvimento humano: o MiracleChoice® e o PointsOfYou®. Adoro auxiliar as pessoas em seus desafios de buscarem ser suas melhores versões a cada dia.

  • Facebook – BarrosClau (coachclaubarros)
  • Instagram – barros.clau (Claudia [email protected])
Daniella Gomes
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários