Em algum momento todos nós já ouvimos a frase “você nunca deve colocar todos os ovos na mesma cesta“. Afinal, se a cesta cair, é provável que todos os ovos se quebrem.

Se os ovos estiverem em cestas diferentes e apenas uma cair, poucos irão se quebrar. A diversificação é uma maneira de reduzir os riscos nos seus investimentos, quando ocorrem fatos imprevisíveis.

Diversificação da carteira de investimentos

A diversificação, quando aplicada em uma carteira de investimentos, atua como um fator que reduz os riscos sem necessariamente diminuir o retorno esperado, e isso é muito bom!

No entanto, precisamos ressaltar que a diversificação deve ser um instrumento utilizado por investidores que já alcançaram um bom grau de disciplina.

Por exemplo, se você tiver R$ 100,00 para investir, faz sentido para você colocar esse valor em uma ação? A resposta pode ser positiva, se estiver certo do que vai acontecer no futuro.

No entanto, quando há incertezas (como no caso das ações) é melhor investir em mais de uma ação. É o conceito das diferentes cestas de ovos, que no contexto do mercado financeiro, é o mesmo que diferentes setores industriais, tipos de ativos ou até geografias.

Hoje, diversificar é algo relativamente fácil. Ao investir em instrumentos passivos, como os Fundos de Índice ou ETFs ( Exchange Traded Funds), podemos deixar de fora o risco de um administrador de um Fundo de Investimento realizar operações com retornos piores que o próprio mercado.

Mais de dois mil ETFs estão listadas na Bolsa de Valores de Nova York, por exemplo, e temos algumas boas opções no Brasil também.

Ferramenta recomendadaSimulador de carteira de investimentos personalizada

Vantagens da diversificação

A maior vantagem é que a diversificação funciona como um seguro para uma carteira de investimentos. E claro, esse “seguro” tem seu maior valor quando precisamos dele.

Os melhores casos de diversificação ocorrem quando os ativos da carteira tem baixa correlação, ou melhor ainda, uma correlação negativa.

Isto significa que quando alguns ativos tiverem retorno negativo, os outros, provavelmente, terão um retorno positivo, mantendo o equilíbrio da carteira e protegendo as perdas.

Vamos dar um exemplo do comportamento das ações nos EUA contra títulos do tesouro americano. Esses dois ativos estão negativamente correlacionados de forma que, em média, quando um ativo perde, o outro ganha, e vice-versa.

Estamos falando dos EUA, pois eles possuem um mercado financeiro muito maduro, onde a população em geral é bem educada financeiramente.

Situações similares também ocorrem no mercado brasileiro, e o fato de você estar lendo este texto já contribui para amadurecermos mais o nosso mercado, e para você multiplicar o seu dinheiro, é claro!

Entendendo a diversificação

A maioria dos métodos usados atualmente para diversificar uma carteira, são variações da teoria de Markowitz, desenvolvido pelo vencedor do Prêmio Nobel Harry Markowitz.

Quando olhamos na figura 2 abaixo, temos uma dado bastante revelador. Em um exercício simples, onde presume-se que todos os ativos possuem o retorno esperado de 10%, o desvio padrão de 15%, e a correlação entre elas de 0,20, marcamos o desvio padrão da carteira. Os resultados variam conforme aumentamos o número de ativos na carteira.

Diversificação de investimentos: isso é mesmo algo bom de ser fazer?

Neste caso, estamos usando o desvio padrão como uma medida de risco. Ainda que esse exemplo tenha sido complicado para você, o que importa perceber é que na medida que aumenta o número de ativos, o risco diminui.

Não é necessário muitos ativos para diversificar

Na verdade, os primeiros ativos adicionados fornecem a maior parte da redução do risco desejado, e em seguida a redução do risco é muito pequena. Assim, não é necessário ter um grande número de ativos em uma carteira.

Em termos práticos, você só precisa ter entre 5 e 10 ativos na carteira para que ela seja diversificada. É importante escolher muito bem estes ativos, a partir de uma amostra maior.

Também existem desvantagens para a diversificação das carteiras, que têm sido documentadas na literatura acadêmica, quando aplicados ao mundo real.

Por isso é muito importante que o seu consultor financeiro tenha um modelo quantitativo confiável e robusto para realizar a diversificação correta da sua carteira. Isso fará uma grande diferença para proteger o seu dinheiro.

Como ter uma carteira diversificada e personalizada

Para você ter uma visão de como seria a sua carteira diversificada, baseada nos seus objetivos financeiros, basta você clicar em uma das opções abaixo, e responder algumas perguntas.

Iremos simular a criação de uma carteira de acordo com o seu perfil e objetivo. Você poderá ver quais são os ativos recomendados e como serão distribuídos no seu portfólio. Experimente agora! É gratuito! Abraços e até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Alkanza, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Alkanza
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários