Como todos sabem, nesta sexta feira, dia 10, começará a corrida pelos saques do FGTS para os que possuem contas inativas até dezembro de 2015. Para consultar se você terá direito a algum valor, basta acessar o site da Caixa Econômica Federal clicando aqui.  Você precisará ter em mãos  o número do PIS/PASESP/NIS.

Agora em março, terão direito ao resgate, as pessoas que  fazem aniversário em janeiro e fevereiro.

No entanto, apesar dessa medida “agraciar” os trabalhadores, o grande incentivo do governo visa a retomada da economia através do consumo. Por outro lado, não podemos deixar passar desapercebido o quão ruim é a rentabilidade do FGTS, que rende anualmente (apenas) 3% somada a Taxa Referencial. É bem verdade que esta taxa será modificada e deverá apresentar um retorno equivalente a poupança nos próximos anos.

Para mostrar a nossa atual realidade, preparamos 5 imagens que apresentam alternativas de investimentos muito mais atrativas do que o FGTS.

Sugerimos também que, para aqueles que não forem utilizar os recursos para o pagamento de dívidas ou para o consumo, que resgate da mesma forma o dinheiro que está no fundo e que realizem aplicações mais vantajosas que certamente farão diferença na aposentaria de cada cidadão.

1) Nesta primeira imagem apresento a rentabilidade do FGTS, da Poupança e dos títulos do Tesouro Selic nos últimos 10 anos. Levo em consideração a média da taxa de juros (Selic) em cada ano e não apenas seu número final. Veja que o Tesouro Selic foi muito superior em todos os anos, mesmo em épocas de taxa de juros baixa como ocorreu em 2012.

Neste mesmo gráfico veja que o melhor ano da poupança sequer conseguiu bater o pior ano de Tesouro Selic, o que mostra que inclusive a poupança apresenta baixas taxas de retorno aos poupadores.

Gráfico 1

2) Seguindo na linha da imagem acima, agora apresento esses mesmos números em valores, iniciando as aplicações em R$5 mil. Veja que o retorno para aqueles que investiram nos títulos do Tesouro Selic se comparado ao FGTS foi quase o dobro nos últimos 10 anos.

Gráfico 2

3) No próximo gráfico, apresento a rentabilidade do FGTS e da inflação oficial do país, medida pelo IPCA, nos últimos dez anos. É um número de certa forma desconhecido por muitos, mas a inflação acumulada no período foi de 82,6% enquanto o retorno do FGTS foi de 49,2%. Isso mostra que o trabalhador que manteve os recursos no fundo ao longo deste período teve perda relevante no seu poder de compra.

Outro dado que chama a atenção é que a inflação foi superior ao retorno do FGTS em todos os anos. Em 2015, a inflação chegou a “dar” mais que o dobro do FGTS. Certamente são números bastante surpreendentes para aqueles que não vivenciam o dia a dia do mercado.

Gráfico 3

4) Agora iniciamos uma sequencia comparativa do retorno do Fundo de Garantia, da Poupança e de um CDB de uma instituição financeira pequena ou média oferecido a uma taxa de 110% do CDI – uma taxa referencial da Selic, a taxa de juros no Brasil, considerando os últimos 5 anos.

Um investimento com taxa de 110% do CDI é facilmente encontrada. Para os que não conhecem, o CDB (Certificado de Depósito Bancário) é um título privado emitido por bancos, com o objetivo de captar recursos para financiar atividades como, por exemplo, o crédito. Uma explicação mais simplista poderia ser que o cliente da instituição empresta seus recursos ao banco por um prazo acordado e ele devolve esse montante acrescido de uma taxa de juros no período.

Gráfico 4

5) Para finalizar, seguindo na mesma logica da imagem acima, acompanhe o retorno financeiro nos últimos 5 anos para quem posssuía recursos no FGTS, na poupança e em um CDB com taxa de 110% do CDI. Apenas nesse período, o FGTS obteve um retorno de 21,8%, a poupança de 42,1% e o CDB com esta taxa de 76,2%.

Gráfico 5

Conclusão:

Acredito que com estas imagens, fica cada vez mais claro a necessidade de resgatar os recursos do FGTS liberados pelo Governo Federal e investir com qualidade olhando para um futuro com mais qualidade.

Invista nos títulos do Tesouro ou realize outros investimentos, mas antes busque conhecer as taxas de administração e de retorno sobre as aplicações.

Nota: Esta coluna é mantida pela Rico.com.vc, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Roberto Indech
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • malanar11

    O saque do FGTS para aquecer a economia é uma piada. Muitos vão usar para pagar dívidas, ou seja, dar dinheiro pros bancos, e duvido que a maioria dessas dívidas sejam zeradas com esses trocados e outros vão investir na poupança, ou seja, dar dinheiro pros bancos. Em outras palavras, esse ato “bonzinho” do governo é basicamente um repasse de dinheiro para os bancos usando o povo como entregador e o governo ainda sai de bom moço na conversa e babau aquecimento da economia. O que o governo devia fazer e não da a mínima é atuar nessas taxas (dívidas) abusivas cobradas pelos bancos e cartões de crédito que chegam a passar de 300% ao ano enquanto que uma excelente aplicação em renda fixa fica próxima dos 15% (sem descontar o imposto).

    • André Leão

      É so não fazer divida o que voce propoe chama-se calote, consumir e nao pagar, são as pessoas que querem consumir tudo pra ontem e vao atras dos bancos. Eu prefiro nao consumir do que sustentar banco, mas cada um na sua.

      • Aline Silva

        Concordo plenamente!

      • malanar11

        Não estou propondo calote ou outra coisa qualquer. Quem tem divida tem que pagar ela pra não aumentar demais. Li em algum lugar que mais de 60% das pessoas possuem algum tipo de dívida (não lembro que grupo de pessoas era). Parece que somos a exceção.
        Os bancos dizem que as taxas são altas porque o risco é alto, eu digo que não é risco, já é certeza, com essas taxas altíssimas (das maiores do mundo). Quer aumentar o “risco” basta aumentar a taxa e tornar qualquer dívida impagável. Aí as pessoas passam o resto da vida trabalhando para os bancos. A grande maioria das pessoas não sabe analisar esse tipo de coisa e o governo nada faz.