Muitas vezes eu ouço alguns amigos e clientes dizerem que não precisam de seguro de vida. Diante da afirmação, eu proponho a seguinte situação: o que acontece quando você morre e seus filhos, sua esposa (ou esposo) ou outros parentes dependem de sua renda para cobrir despesas como aluguel, escola e financiamento imobiliário?

As respostas começam a mudar e uma saudável discussão surge. Sim, você provavelmente precisa de um seguro de vida, uma vez que vai ajudar a fornecer para a sua família, no caso de sua morte ou invalidez, o conforto financeiro para que possam se restabelecer e seguir com os objetivos de vida já definidos.

Se você tem dependentes, como por exemplo, crianças em idade escolar ou um parceiro que depende de sua renda, uma apólice de seguro de vida pode fornecer a eles o conforto e segurança por um período.

Ah, tem outra coisa: lembre-se que caso você tenha bens imóveis e/ou investimentos, isso tudo provavelmente será inventariado e o custo de inventário costuma ser bem alto. Quem pagará por isso? Com que dinheiro?

As apólices de seguro de vida poderão auxiliar sua família com uma quantia fixa ou com pagamentos regulares. As apólices são projetadas para fornecerem ao segurado uma garantia em caso de acidente ou doença, além de assegurar seus dependentes no caso da sua falta. A indenização depende do nível de cobertura que você contrata.

Está cada vez mais comum os clientes buscarem pela opção de seguros resgatáveis. Para isso você deve falar com um especialista, que poderá ajudá-lo na contratação da melhor cobertura de acordo com o seu perfil de investimento.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Quem não precisa de seguro de vida?

Se você é solteiro ou se o seu parceiro ganha o suficiente para sua família viver, você pode não precisar de seguro de vida. Mas você pode querer reservar dinheiro suficiente para cobrir quaisquer despesas em caso de uma doença ou acidente que possa impossibilitá-lo de continuar suas atividades.

O seguro também é importante para situações que envolvem acidentes de trabalho e invalidez, algo comumente subestimado pelos profissionais, principalmente os autônomos. Como compor a renda se você não tem condições de saúde adequadas para executar seu trabalho?

Portanto, embora tecnicamente alguns adultos não se enquadrem em um caso de necessidade de seguro de vida, é aconselhável que todos os que trabalham e exercem alguma atividade profissional façam pelo menos um seguro complementar para invalidez ou acidente. Pense bem e verá que ele faz muito sentido.

Aplicativo gratuito recomendado: Controle suas finanças na palma da mão com o DinheiramaOrganizze

Quanto custa uma apólice?

O seguro de vida pode variar muito de valor e é por isso que nessa hora você deve contar com a ajuda de um profissional do mercado. Muitas vezes, apenas alguns Reais por dia é tudo que você precisa para fornecer para sua família uma excelente proteção financeira e emocional (a tranquilidade não tem preço).

eBook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

Seguros resgatáveis são uma boa?

A opção de contratar os seguros resgatáveis é uma excelente alternativa, pois proporciona aos clientes a cobertura desejada por 10, 20 ou até 30 anos e a opção de resgate. Ou seja, caso o cliente queira, poderá fazer o resgate de parte do prêmio pago.

Algumas seguradoras fazem o estudo atuarial de forma que o cliente consiga resgatar até 100% do que pagou ao longo dos anos. Trata-se do que existe de mais moderno no que diz respeito ao seguro de vida individual.

Muito comuns em países da Europa e nos EUA, esses produtos estão disponíveis no Brasil. Por se tratar de um produto diferenciado, sugerimos que você fale com especialista no assunto, pois apenas algumas seguradoras disponibilizam essa modalidade de seguro.

Podcast recomendado: Crise, picaretagem, desemprego e os cuidados que você deve tomar

Características dos seguros de vida

Diferentemente do produto previdência privada, o seguro de vida não permite dedução fiscal. Por isso não podemos comparar um produto com o outro, pois são para diferentes finalidades.

Seguros de vida não permitem a dedução fiscal, enquanto que em alguns produtos de previdência isso não só é possível, como é um dos atrativos do plano para quem quer reduzir a base de cálculo de Imposto de Renda

Muitas empresas costumam oferecer o benefício de seguro de vida para seus funcionários, seja por deliberação da empresa ou, em muitos casos, por exigência da convenção coletiva da classe de trabalhadores.

Atenção porque essas apólices nem sempre são completas, considerando todas as coberturas possíveis. Vale a pena analisar o que as seguradoras podem oferecer para complementar a apólice que a empresa fornece.

Se você possui o seguro de vida da empresa em que trabalha, verifique os detalhes, pois quase sempre essas apólices cobrem múltiplos salariais – e provavelmente você irá precisar de um valor adicional. Além disso, caso você saia da empresa, provavelmente não terá direito de permanecer com o seguro.

Já falamos também, em textos anteriores, que algumas empresas oferecem planos de previdência complementar para seus funcionários. Vale a pena, sempre que for possível,  aderir a esse benefício.

A previdência complementar corporativa é, sem dúvida, um dos melhores benefícios e um dos mais desejados pelos funcionários de empresas privadas, principalmente se levarmos em conta a recente discussão a respeito das reformas de previdência que o Governo tenta aprovar.

Podcast recomendado: Reserva de emergência e aposentadoria: 96% dos brasileiros não tem

Conclusão

A gestão de riscos da vida pessoal e profissional é um assunto que deve ser uma prioridade no seu lar. Além disso, seus aspectos precisam ser revisados ano a ano, mantendo os familiares atentos para tudo que você contratou e alterou (coberturas, planos, prêmios, benefícios e etc.).

Afinal de contas, são muitas as opções de coberturas e no momento de uma necessidade é fundamental que sua família esteja amparada por produtos adequados no que diz respeito a seguros, não é mesmo?

É melhor pagar o seguro de vida e não usá-lo do que não contratá-lo e viver uma situação dramática em que ele seria fundamental para equilibrar as contas e o lado emocional de todos. Pense nisso e lembre-se sempre da proteção para você e sua família. Obrigado e até a próxima.

Abraão Rodrigues
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Rachel Carvalho

    Parabéns. Excelente texto. Sou do mercado de seguros e muito raramente vejo profissionais do mercado explanando tão claramente.