Tanto já foi escrito sobre o poder do networking que fiquei pensando sobre como poderia começar a falar do assunto de forma um pouco menos teórica e mais relacionada ao lado prático da coisa. Vamos pensar juntos então?

Não sei quanto tempo você tem de carreira, mas nos últimos 5 ou 10 anos, quantos trabalhos chegaram até suas mãos através da indicação de amigos? No meu caso foram muitos!

Desde indicações para freelas rápidos até grandes empresas que se tornaram clientes fixos de uma agência que eu tinha. Agradeço todos os dias por poder contar com bons amigos e colegas de trabalho. E com relação a isso, me entendam, não tenho tantos assim, mas tenho bons, e neste caso a qualidade importa tanto ou mais do que a quantidade!

É fato que, se você está procurando trabalho, pode ser que muitas vezes se canse ao enviar currículo para determinada vaga. A internet proporcionou tantos canais novos para isso, mas, ao mesmo tempo, um único job pode ter centenas de pessoas na disputa. A gente já envia o currículo com certo cansaço, não é mesmo?

E fica complicado até para os RHs e headhunters fazerem uma seleção de forma simples. É natural, portanto, que indicações sejam mais do que bem-vindas! No caso de vagas seniores então, os chamados cargos de confiança, quanto mais no topo, mais favoráveis as indicações, afinal, neste caso é preciso, além das características relacionadas à vaga, contar com gente em quem se possa confiar.

Pensei em algumas questões que acredito serem importantes para fazermos a nós mesmos e avaliarmos como anda o nosso networking. Vamos lá!

  1. Quanto tempo você dedica a manter boas relações?

Primeiramente, vamos falar sobre o tempo dedicado para networking. Admito que não sou a melhor pessoa para isso, pois muitas vezes acabo me enrolando e não consigo ver pessoalmente os amigos com a frequência desejada, mas é fundamental incluir na agenda este compromisso.

Tente encontrar de vez em quando com pessoas que já trabalharam com você em outras oportunidades, com aqueles que estudaram com você em algum momento, e até com aquelas que trabalham com você atualmente, mas dada a correria, mal conseguem se falar em ambiente de trabalho.

Você pode fazer isso seja através de um almoço rápido no meio da semana, um café no meio da tarde ou uma festa em um sábado à noite. O importante é não se isolar e, para manter uma frequência de encontros, vale até programar na agenda como um compromisso mesmo.

Lembre-se também que, além de trabalhos já realizados, cada curso que você faz também é uma oportunidade de conhecer pessoas e mostrar que é um bom profissional. Eu já consegui desde oportunidades para escrever em revistas super legais até vagas fixas de emprego por indicação de estudantes e professores com quem estudei. E quer melhores indicações do que essas?

eBook gratuito recomendado: Freelancer – Liberdade com muito trabalho e resultados

  1. Que legado você tem deixado?

Algo importante é que, para ser indicado, você precisa fazer por merecer. Por mais amigo que alguém que seja, dificilmente alguém vai querer se queimar indicando alguém que já lá na faculdade ou naquele curso de verão já se mostrava pouco disposto a colaborar, não entregava as coisas no prazo, etc.

Ou, ainda, quem vai querer indicar para uma empresa nova aquele antigo companheiro de trabalho que só sabia reclamar e falar mal das pessoas? É fundamental, além de praticar networking, fazer dos seus exemplos a sua cartilha.

Saiba que tudo que você faz hoje pode ter consequências lá na frente, inclusive quando você trata mal um profissional que hoje pode não te interessar muito, mas que, no futuro, pode ser aquele que terá o poder de te indicar para uma vaga legal.

Aplicativo gratuito recomendado: Controle suas finanças na palma da mão com o DinheiramaOrganizze

  1. Antes de ser bom profissional, seja um bom ser humano

Muitas vezes a gente pode não ter muita experiência para mostrar ou até perdeu o contato com pessoas com quem já trabalhamos, por isso nossos amigos de hoje não participam muito do nosso mundo profissional. Ainda assim, eles podem, sim, ser uma boa fonte de relacionamento para eventuais indicações futuras, nunca se sabe.

E seja com quem for que você esteja se relacionando, lembre-se que, mais do que ser um bom profissional, é ser um bom ser humano o que acaba valendo mais. Muita coisa é possível de ser aprendida, mas certos valores infelizmente já vêm com a pessoa, por isso invista em si mesmo e procure melhorar-se a cada dia.

Em minha agência sempre damos mais valor a este tipo de coisa e procuramos ensinar o resto se necessário. Felizmente eu e minha sócia tínhamos ideias parecidas com relação a este quesito, e foi a melhor coisa que fizemos, pois estar com pessoas legais na equipe, dispostas e preocupadas a ajudar sempre nos trouxe bons resultados.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

  1. Use o poder do mundo virtual ou do telefone

Finalmente, você pode me dizer que vive na correria e, por isso, fazer networking acaba se tornando algo quase impossível. Mas que tal, então, aproveitar o poder das redes sociais ou de um simples telefonema para manter relações importantes para você?

Se não há tempo para encontrar pessoalmente, mande uma mensagem, escreva um e-mail, telefone para ter aquele dedinho de prosa que acaba sendo tão importante quando a pessoa precisar indicar alguém e você estiver ali, fresquinho, na memória dela. Viu como não é um bicho de sete de cabeças?

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Só uma correção: Posso te garantir que nos “cursos de verão” que fiz não achei ninguém que fosse pouco disposto a colaborar ou não entregar as coisas no prazo. Esse tipo de gente nunca iria “desperdiçar” o verão dentro de uma sala de aula. No mais, o texto serviria para muitas pessoas do meu círculo de amizades. Vou repassar para elas.