Como todo ano, chegou a hora de prestar contas ao Leão. O animal, símbolo do Imposto de Renda (IR), passa a mensagem do rigor adotado na apuração, o que deixa claro que planejamento é essencial para evitar surpresas no momento da declaração do Imposto de Renda.

Um dos aspectos que merece destaque é a utilização dos planos de previdência privada como instrumento de diferimento tributário, bem como a correta forma de inserir cada uma das modalidades destes produtos no IR.

Para começar

Então vamos lá. O primeiro passo é separar os documentos pessoais, comprovantes de pagamentos, recibos (como o de doações), notas fiscais (como as utilizadas em médicos e dentistas, por exemplo, do titular e dos dependentes) e, por fim, os Informes de Rendimentos.

Se você for autônomo, inclua também os comprovantes de despesas do seu livro-caixa. Note que neste ano a Receita fez algumas mudanças, como a obrigatoriedade de apresentar CPF de dependentes e a unificação do programa para download – que agora serve tanto para o preenchimento quanto para a transmissão de dados. Baixe o programa disponível no site oficial.

eBook gratuito recomendado: Educação Financeira no Ambiente de Trabalho

E como declarar minha previdência privada?

Mas vamos voltar aos planos de previdência. Quem possui um plano VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) deve declarar o montante de contribuições feitas ao plano, até o final do ano base, na ficha de Relação de Bens e Direitos (código 97).

Os rendimentos dos planos não devem ser incluídos, por isso use sempre o valor informado no Informe de Rendimentos enviado pela empresa de previdência.

Já o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) traz um diferencial muito atrativo para quem declara o IR no modelo completo e também contribui para o INSS ou regimes próprios de previdência.

Neste caso, pode-se deduzir as contribuições da base de cálculo do IR até um limite de 12% da renda bruta anual tributável, sendo que no momento do usufruto do benefício o IR incide sobre a totalidade (contribuições mais rendimentos). Estas contribuições devem ser mencionadas na ficha de Pagamentos e Doações Efetuadas (código 36).

Webcurso gratuito recomendado: Tudo o que você precisa saber sobre Tesouro Direto

Fique atendo às novidades

É importante salientar que desde 2013 vigora a Medida Provisória (597/2012), que determina regras relativas à tributação do Imposto de Renda no pagamento de Participação de Lucros e Resultados. Pelo que prevê a MP, os valores recebidos a título de PLR são tributados exclusivamente na fonte.

Aproveitar o benefício fiscal é financeiramente vantajoso, já que a economia faz uma grande diferença no longo prazo se o valor obtido com o diferimento for reinvestido anualmente.

Por exemplo, uma pessoa que mantém um PGBL e tem renda bruta anual de R$ 100 mil, ao deduzir 12% desse valor, reduzirá a base de cálculo do imposto de renda para R$ 88 mil.

Com um imposto devido de 27,5% ao ano, a economia anual é de R$ 3.300,00. Em dez anos, serão mais de R$ 30 mil extras para investir nos seus projetos de vida, e o resultado pode ser ainda melhor por conta da rentabilidade gerada com a aplicação desse valor ao longo do tempo.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

E se eu fiz resgates?

Outra informação indispensável em relação aos planos de previdência privada: em caso de resgates ou recebimento de renda, lembre-se de informar a fonte pagadora, as receitas e os rendimentos do benefício.

No caso dos planos que estão na Tabela Progressiva Compensável, os resgates ou rendas serão tributados na fonte e estão sujeitos à compensação. Neste caso, devem ser declarados como Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoa Jurídica pelo Titular.

Se o plano estiver na Tabela Regressiva, a tributação ocorre de forma definitiva e integral na fonte, não entrando na compensação. Por isso, estes devem ser declarados no campo Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva / Definitiva.

eBook gratuito recomendado: O novo aposentado

Corra, ainda dá tempo!

E, para o seu próprio conforto, quando terminar o preenchimento, verifique se não se esqueceu de nenhum detalhe. Não deixe para a última hora! O prazo-limite de entrega neste ano é 28 de abril.

Guilherme Rossi
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Fernanda Mendonça

    Excelente! Informações que irão auxiliar muitos na elaboração de um adequado planejamento tributário e financeiro!

  • Rogerio Ziruolo

    Informação relevante e clara, sendo útil e num momento crucial. Obrigado.