Agora você confere as principais notícias de 16/05/2017, terça-feira.

Dólar cai e Bolsa sobe com maior disposição do investidor a tomar risco

O dia foi de vencimento de opções sobre ações na Bolsa, o que aumenta o volume financeiro negociado —o total do dia foi de R$ 12,24 bilhões, enquanto a média diária do ano está em R$ 8,06 bilhões.

O vencimento de contratos de opções sobre ações movimentou R$ 3,7 bilhões, de acordo com a B3, dona da BM&FBovespa.

O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas na Bolsa, subiu 0,37%, para 68.474 pontos, no maior nível desde 22 de fevereiro deste ano.

O dólar comercial recuou 0,54%, para R$ 3,10, menor patamar desde 17 de abril. O dólar à vista, que fecha mais cedo, teve queda de 0,47%, para R$ 3,10, menor nível desde 18 de abril.

A desvalorização da divisa americana não ocorreu apenas no Brasil. Das 31 principais moedas do mundo, 29 se valorizaram em relação ao dólar nesta sessão.

Aproveite! Tesouro direto com taxa ZERO!

‘Prévia do PIB’ cresce 1,12% e sinaliza retomada da economia no 1º trimestre

O desempenho do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) do primeiro trimestre reforça a expectativa do mercado de que o Produto Interno Bruto (PIB) deve voltar a apresentar um número positivo no primeiro trimestre, após uma sequência ininterrupta de oito trimestres de retração na comparação com o período imediatamente anterior.

O IBC-Br avançou 1,12% no primeiro trimestre ante o quarto, em linha com a mediana da pesquisa do Projeções Broadcast, de 1,10%, a partir do intervalo de 0,60% a 1,30%. Em março, contudo, o indicador recuou 0,44%, taxa melhor que a mediana prevista, de queda de 0,90% (intervalo de -2,50% a zero).

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Rio quer estender estado de calamidade financeira até 2018

O governo do Rio quer estender a validade do estado de calamidade financeira para enfrentar a crise econômica até o fim de 2018, um ano a mais do que o previsto no decreto original, publicado às vésperas da Olimpíada de 2016.

Apresentada pelo governador Luiz Fernando Pezão, a proposta será votada nesta terça (16) na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). A justificativa é o atraso na aprovação do programa de recuperação fiscal dos Estados no Congresso.

O estado de calamidade pública permite ao governo descumprir, sem sanções, limites estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Tesouro Direto: O melhor investimento para você com taxa zero

Temer deve anunciar amanhã parcelamento da dívida do INSS dos municípios

Na reta final das negociações para a aprovação da reforma da previdência na Câmara, o presidente Michel Temer pretende anunciar nesta terça-feira (16), Medida Provisória com a previsão de parcelamento da dívida dos municípios com o INSS.

Os últimos ajustes da proposta foram discutidos em reunião realizada na manhã de hoje no Palácio do Planalto. O evento contou com a presença de Temer, do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy, Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco e lideranças da base aliada.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários