Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque é o novo recurso de identificação de produtos liberados pelo app Instagram.

Instagram cria recurso para identificar divulgação paga de produtos

O aplicativo de compartilhamento de fotos Instagram anunciou nesta quarta-feira (14) ferramenta que tornará mais fácil classificar postagens como promoções pagas. O novo recurso é um passo em direção à transparência em uma área que tem chamado a atenção de autoridades dos Estados Unidos.

A recomendação de produtos tornou-se mais comum no Instagram, de propriedade do Facebook, à medida que celebridades e outras pessoas com muitos seguidores na rede social fecham acordos para falar bem de roupas, alimentos e outros itens.

As pessoas que promovem produtos, conhecidas dentro da indústria como influenciadores, são obrigadas nas regras da publicidade verdadeira a informar os fãs sobre sua compensação, de acordo com a Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC). Não está claro quantos o fazem.

O Instagram disse em nota que começará a permitir que as pessoas que publicam uma imagem adicionem um rótulo “parceria paga com”, que apareceria acima da foto. Os usuários já podem adicionar essas divulgações abaixo de uma imagem.

eBook gratuito recomendado: Ter uma Vida Rica Só Depende de Você

Dificuldade de uso de novas funções afasta consumidor da Apple

A Apple, que na semana passada apresentou suas novidades para iPhones e outros aparelhos, tem enfrentado uma questão bastante difícil: muitas das suas funções atuais são complicadas demais para boa parte dos usuários.

No ano passado, o principal executivo da empresa para o desenvolvimento de software, Craig Federighi, apresentou no evento anual de desenvolvedores como pedir comida e enviar imagens divertidas pelo aplicativo Messages.

A ideia era tornar o Messages, um dos aplicativos mais populares do iPhone, uma ferramenta tão útil como o chinês WeChat.

Mas o processo de encontrar e instalar outros aplicativos no Messages é tão complicado que muitos usuários não têm nem ideia de que poderiam fazer isso, segundo desenvolvedores e analistas.

Webcurso gratuito recomendado: Tudo o que você precisa saber sobre Tesouro Direto

Golpe no WhatsApp oferece cupom falso do McDonald’s para infectar usuários

Um novo golpe surgiu no WhatsApp envolvendo a promessa de um cupom no valor de RS$ 70 na rede de fast food McDonald’s. Em menos de 24h, mais de 100 mil usuários brasileiros já foram afetados, de acordo com dados da startup brasileira de segurança PSafe.

Em troca de um suposto vale para refeições no restaurante, o usuário precisa fornecer dados pessoais em um cadastro em sites maliciosos, que podem fazer cobranças indevidas no nome da pessoa, ou baixar aplicativos falsos, que infectam o smartphone.

O golpe usa a mesma identidade visual de campanhas do McDonald’s, o que torna mais difícil para o usuário perceber a fraude. Segundo especialistas da PSafe, o alto número de usuários atingidos pela falsa promoção se deve ao fato de o golpe pedir que a pessoa compartilhe o link do anúncio com outros 10 contatos para validar o “cupom”.

 

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários