Aqui no Dinheirama temos a felicidade de estar sempre em contato com empreendedores de todos os nichos e áreas de atuação, e muitos deles nos dão lições preciosas sobre seu trabalho e seus negócios.

Eu sempre tive uma curiosidade bastante grande sobre o mundo das lojas virtuais, principalmente se considerarmos que está cada vez mais difícil competir com gigantes como Amazon, por exemplo.

Felizmente, descobri que os mercados nichados oferecem excelentes oportunidades para quem deseja começar seu e-commerce. Produtos de nicho oferecem maior valor percebido e criar uma loja menor, com apelo restrito também significa investimentos menores.

Não perca: Hangout exclusivo dia 22/6 às 20h sobre a caderneta de poupança. Mais informações aqui ou botão abaixo:

O aprendizado sobre o tema foi de certa forma validado por uma pesquisa realizada pela Loja Integrada, plataforma para criação de lojas virtuais com mais de 400 mil lojas criadas. Segundo ela, mais da metade dos empreendedores digitais brasileiros investem até R$ 1 mil para abrir sua loja virtual.

O número de lojas virtuais no país cresce a cada dia e a expectativa de faturamento desse setor para 2017 é de 10% a 15% mais do que em 2016, segundo um levantamento feito pela ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico).

Ainda de acordo com o levantamento, o comércio eletrônico vive um bom momento e, conforme comentei acima, cerca de 56% dos empreendedores digitais começam o seu negócio com R$ 1 mil.

“As pesquisas mostram o bom momento do comércio eletrônico no Brasil. Em 2016, foram criadas em média 500 novas lojas por dia em nossa plataforma. Isso mostra que as pessoas estão investindo e vendo oportunidade de negócio no e-commerce”, explica Adriano Caetano, especialista em comércio eletrônico e fundador da Loja Integrada.

Mas o que é preciso para abrir uma loja virtual? Quais são os primeiros passos? Quais os melhores produtos para obter lucro mais rápido?

Especialistas apontam algumas dicas e ideias para iniciar seu negócio com investimento inicial de até mil reais. Acompanhe:

1. Pesquise seu público alvo

Antes de ter o seu produto, pesquise quem será seu cliente. Converse com amigos e gente desconhecida para ter opiniões sinceras (e sem vícios) sobre seu negócio e para entender melhor as necessidades das pessoas.

Leia e pesquise outras lojas (que serão concorrentes). Transforme esse conhecimento sobre o mercado em ações que vão lhe ajudar a se destacar no meio eletrônico. Promoções e programas de fidelidade com desconto podem atrair mais clientela nesse início, por exemplo, mas será que o seu público é realmente sensível a isso?

eBook gratuito recomendado: Freelancer – Liberdade com muito trabalho e resultados

2. Defina muito bem seu produto (pense no problema primeiro)

Invista em algo que você já conheça ou tenha afinidade. De acordo com a pesquisa da Loja integrada, o segmento que mais cresceu em 2016 foi o de moda e acessórios, com 24,7%, seguido por cosméticos e perfumaria, com 10,4%.

Nesses setores, por exemplo, é possível abrir uma loja virtual com investimentos bem mais baixos, pois são produtos mais baratos e com excelente margem. A facilidade também implica maior concorrência, inclusive de vendedores do modelo porta a porta.

A dica é focar em um nicho específico, assim é mais fácil ser reconhecido. Por isso é importante fazer a pesquisa de mercado e definir muito bem quem é o seu cliente e qual o produto a ser oferecido para ele. Faça com que sua loja seja a “melhor vitrine” do produto que escolheu.

3. Divulgue. Converse. Comunique.

Lembre-se que sua loja é virtual, então ela precisa aparecer bastante na Internet, mas do jeito certo (e para as pessoas certas). Seu objetivo deve ser comunicar-se de forma inteligente com seu cliente ao mesmo tempo em que instiga potenciais compradores a conhecer suas novidades.

Invista em anúncios, divulgações e promoções nas redes sociais, mas também no relacionamento humano sincero, direto e em uma grande quantidade de conteúdo de valor.

Com o choque de conteúdo existente hoje, é fundamental que seus clientes saibam das novidades através de você (e seu negócio) e tenham na sua empresa uma fonte sempre interessante de conhecimento e produtos do nicho.

Tenha opinião. Esse é um grande passo para que seu negócio dê certo. É importante ressaltar sobre os mecanismos de busca no Google, pois quanto mais acessível e preparado seu e-commerce estiver, mais fácil será encontrar sua loja (e seus produtos).

4. Dê muita atenção à entrega do seu produto

Esse é o principal desafio para quem quer abrir uma loja virtual. Você já pensou em fazer a entrega para todo o país? Isso talvez seja simplesmente inviável no começo, não apenas financeiramente, mas do ponto de vista logístico – esperar demais pode criar uma péssima experiência de compra.

Você precisa garantir que seu cliente receberá seu produto no prazo estipulado e em boas condições. Se possível, programe-se de maneira a surpreendê-lo, seja entregando antes do prometido ou de uma forma diferente, especial (embalagens, recadinhos dentro da caixa e por aí vai).

Ah, fique esperto com a loucura do calendário brasileiro e planeje também a entrega das compras associadas a datas comemorativas e feriados. Especifique em seu site sobre prazo e limitação de entrega e certifique-se de sua comunicação com o cliente é direta e eficaz o suficiente para não restarem dúvidas sobre este processo.

eBook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

5. Seja mobile e transparente em relação aos meios de pagamento

Talvez você não saiba, mas mais de 60% das compras no Brasil são provenientes de dispositivos móveis, principalmente celulares e tablets. Verifique a compatibilidade do seu site para essas plataformas.

Se o seu site não for “responsivo” (termo utilizado para definir sites que se adequam aos diferentes tipos de aparelho usados pelo cliente), você certamente perderá clientes (e muitas vendas). Se estiver no começo de sua operação, dê preferência ao mobile, sem dúvida.

Pesquise também sobre os meios de pagamento, gateways existentes, serviços de terceiros e compatibilidade com o sistema de sua loja online. Todo o processo de compra precisa ser simples o suficiente para tornar a transação rápida, mas precisa ser segura e completamente transparente, com informações precisas e sistemas de segurança adequados.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Paulo

    Não sei por que aqui no nordeste não criam lojas online. Quer dizer, até tem algumas, mas só de grandes empresas. É um pouco difícil encontrar na internet algum produto de um comércio local, desta região. Hoje mesmo eu estava em busca de pet shops e não encontrei nem um site que me atendesse. Apenas referências em sites de classificados com número de telefone, e a maior parte ocupado o tempo todo.
    É como se no nordeste a internet não existisse. É preciso sair de casa em busca de lojas ou comprar lá de SP/RJ/MG com frete caro.

    Eu adoraria que fizessem uma matéria sobre essa ‘invisibilidade’ da internet. A maior parte das pessoas no nordeste não anuncia seus produtos.