Agora você confere as principais notícias de 21/07/2017, sexta-feira.

Governo dobra tributo e preço da gasolina pode aumentar em R$ 0,41

Em nota divulgada nesta quinta (20), os ministérios da Fazenda e do Planejamento informaram que o PIS/Cofins que incide sobre a gasolina vai dobrar, de R$ 0,38 por litro para R$ 0,79 por litro.

Com isso, o litro do combustível poderá ficar até R$ 0,41 mais caro nas bombas.

As novas alíquotas serão publicadas na edição desta sexta (21) do Diário Oficial da União. Os aumentos passarão a vigorar a partir de então.

O PIS/Cofins pago pelo distribuidor de etanol, hoje zerado, vai a R$ 0,19.

O litro do diesel poderá ficar R$ 0,21 mais caro, já que alíquota subirá de R$ 0,24 para R$ 0,46.

O governo informou que espera arrecadar R$ 10,4 bilhões neste ano com o aumento de imposto.

Além disso, o Ministério da Fazenda informou que vai bloquear mais R$ 5,9 bilhões em despesas do Orçamento.

O aumento de impostos e o bloqueio extra ocorrem em um momento em que o governo enfrenta dificuldades em obter receitas.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Com volume baixo, dólar cai a R$ 3,12. Bolsa cai

O dólar comercial teve queda de 0,69%, para R$ 3,128. É o menor nível desde 16 de maio, dia anterior ao vazamento da notícia da delação do empresário Joesley Batista, da JBS.

O dólar à vista, que fecha mais cedo, recuou 0,63%, para R$ 3,133, menor patamar desde 17 de maio.

O Ibovespa fechou em baixa de 0,37%, aos 64.938,01 pontos. Em julho, o índice acumula alta de 3,24%, e em 2017, avanço de 7,82%. O giro financeiro desta quinta-feira, 20, ficou em R$ 5,84 bilhões, segundo dados preliminares. Enquanto isso, o dólar manteve trajetória de baixa e fechou no patamar de 3,12 reais, devolvendo toda a alta acumulada desde o agravamento da crise política em meados de maio, em meio a perspectivas de ingresso de recursos no Brasil e acompanhando o cenário externo.

Palestras gratuitas recomendadas: Conrado Navarro e convidados falam sobre finanças pessoais e empreendedorismo

‘Prévia da inflação’ tem menor variação anual desde março de 1999

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou queda de 0,18% em julho, após subir 0,16% em junho.

Com o resultado, influenciado pela queda no preço dos alimentos, dos transportes e dos artigos de residência, o IPCA-15 acumula aumento de 1,44% em 2017. A taxa acumulada em 12 meses até julho foi de 2,78%. Este último resultado é a menor variação acumulada para o índice em um ano desde março de 1999 (2,64%).

A deflação de 0,18% em julho repete o patamar registrado em julho de 2003 (-0,18%), além de ser o resultado mais baixo alcançado pelo indicador desde setembro de 1998, quando a queda foi de 0,44%.

eBook gratuito recomendado: Riqueza pessoal é possível

Temer indica apoio a ‘contribuição por negociação coletiva’ para sindicatos

O presidente Michel Temer indicou a sindicalistas que apoia a adoção de uma nova “contribuição por negociação coletiva” a ser paga pelos empregados no lugar do atual imposto sindical derrubado pela reforma trabalhista. A nova forma de financiamento dos sindicatos não será imposta aos trabalhadores, mas a tendência é que seja paga por todos que se beneficiem dos acordos coletivos. Sindicatos debaterão detalhes do novo modelo nas próximas semanas.

Após reunião com o presidente, o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, demonstrou satisfação com o sinal de apoio do governo à adoção de uma nova contribuição não obrigatória para os trabalhadores. “Já que a ideia é fortalecer a negociação coletiva, tratamos de uma contribuição por negociação coletiva. Ela não será obrigatória e terá as condições decididas em assembleia entre os sindicalizados e não sindicalizados”, disse o representante da Força.

No novo modelo, trabalhadores sindicalizados ou não serão convocados para as assembleias que decidem, por exemplo, o reajuste anual de salários. Nessa reunião, também será debatida a própria forma de contribuição ao sindicato que lidera essa negociação. Um dos modelos citados pelos sindicalistas é a antiga contribuição assistencial – derrubada pelo Supremo Tribunal Federal para não sindicalizados – que poderia retirar entre 6% e 8% de um salário mensal em troca do suporte dado pelo sindicato ao trabalhador.

eBook gratuito recomendado: O novo aposentado

Acompanhe o fechamento do mercado 20/07 com Alvaro Bandeira

Clique para ouvir

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Negao

    O que adianta aumentar impostos se eles próprios desviam tudo agora o temer eos deputados fica mais rico