Ao longo do desenvolvimento de uma startup nos deparamos com diversos desafios que visam a melhoria da experiência dos usuários. Isso vai desde verificar necessidades básicas de uso até entender como a tecnologia pode melhorar a vida das pessoas, especialmente daquelas que mais precisam.

Nem toda plataforma digital é inclusiva, mas todas podem buscar formas de serem mais acessíveis. Com essa premissa, tenho buscado durante minha trajetória no GetNinjas encontrar meios de tornar o aplicativo mais acessível a todos os tipos de usuários, incluindo quem possui necessidades especiais de uso.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Recentemente, relatamos uma história de sucesso especial dos profissionais cadastrados no GetNinjas. Marcela Mahayana, professora de canto e deficiente visual, nos contou que usa o aplicativo com o auxílio do assistente de voz VoiceOver do iOS para conseguir alunos.

Segundo ela, o aplicativo foi determinante para alcançar a tão sonhada independência financeira. Essa história nos comoveu e reforçou o tamanho do impacto social que nossa plataforma possui.

Com isso, vemos também a responsabilidade que temos, em termos tecnológico e humano, de ajudar a evoluir esses processos e tornar o mercado de serviços mais acessível.

Assim como a Marcela, milhares de brasileiros ainda têm dificuldades de acesso à tecnologia, seja porque possuem necessidades especiais, sinal de internet ainda falho, uso de dispositivo móvel com recursos limitados ou, simplesmente, pela dificuldade de lidar com novas tecnologias.

Sempre digo que a tecnologia é a ponte que permite mudanças construtivas na sociedade. Empresas como Hand Talk, ProDeaf, Projeto Giulia e HooBox nasceram de ideias que têm a inovação como instrumento para solucionar problemas de acessibilidade.

Estou falando de soluções como assistentes de voz para uso de smartphone por deficiente auditivo, assistente virtual em libras, leitor de QR-Code para tradução de embalagens, programa que usa inteligência virtual para permitir a mobilidade de pessoas tetraplégicas, dentre outros.

Hoje no Brasil mais de 45 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência, isso é o equivalente a cerca de 24% da população do país, segundo dados do IBGE. Essa é uma população altamente produtiva e que pode agregar um alto valor à economia.

eBook gratuito recomendado: Educação Financeira no Ambiente de Trabalho

Diante de números tão expressivos, torna–se cada vez mais importante que tanto startups quanto empresas já estruturadas comecem a pensar e desenvolver iniciativas para inclusão social.

Somente assim será possível amenizar obstáculos e buscar uma maior inclusão da sociedade, em todos os âmbitos, de forma a possibilitar um melhor convívio e a promoção da cidadania para todos.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários