Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque são os testes de uma ferramenta que o WhatsApp está desenvolvendo para empresas.

WhatsApp anuncia teste de ferramenta para empresa falar com clientes

O WhatsApp anunciou que começará testes de novas ferramentas para serem usadas por empresas para sua comunicação com consumidores.

É a primeira vez que a empresa, criada em 2008 e comprada pelo Facebook seis anos depois, cria uma iniciativa para o mercado corporativo.

A ação também indica um caminho para a companhia começar a gerar receita —a empresa tem mais de 1 bilhão de usuários ativos em seu aplicativo por dia, todos usando o serviço gratuitamente.

Os testes serão feitos a partir de pilotos com companhias selecionadas. O WhatsApp não informou quantas empresas participam desta etapa do desenvolvimento das ferramentas.

A empresa afirmou que ainda não há uma data de lançamento das novas funções, mas elas devem chegar ao mercado em alguns meses.

Segundo o WhatssApp, é possível que empresas venham a pagar uma taxa pelo uso do app, mas isso não deve acontecer no curto prazo.

Em um post em seu blog oficial, o WhatsApp afirma que o aplicativo já é usado para a comunicação entre consumidores e companhias, porém de modo rudimentar.

A ferramenta deverá trazer novas formas de gerenciar múltiplas conversas e maneiras mais eficientes para reconhecer se uma comunicação corporativa vem de conta confiável, desafios que o WhatsApp reconhece existir para empresas que usam o app hoje.

Haverá um aplicativo gratuito para pequenas empresas e uma solução mais robusta para grandes, como companhias aéreas, lojas virtuais e bancos.

Elas poderão usar o serviço para oferecer informações como horários de voos e confirmações de entrega, por exemplo.

O que são dividendos? Como escolher ações que pagam dividendos?

Apple mira estúdio de ‘Matrix’ para fazer investida em Hollywood

A Apple está de olho no estúdio onde foram produzidos filmes como “Cidadão Kane” e “Matrix” para servir de base para a sua grande investida na produção de Hollywood.

A fabricante do iPhone está em negociações para transferir a sua divisão de conteúdo original para o Culver Studios, que já teve entre seus proprietários RKO, Howard Hughes e Cecil B. DeMille.

O interesse da Apple pelo estúdio que faz parte da história de Hollywood surge em um momento em que está cada vez mais quente a disputa entre as gigantes do Vale do Silício pelos melhores roteiros de filme e projetos de TV.

O YouTube, que pertence ao Google, está produzindo séries de TV com conteúdo original, assim como a Amazon, que recentemente ganhou dois prêmios Oscar, além de quatro indicações, pelo filme “Manchester à Beira-Mar”. A empresa comandada por Jeff Bezos também já demonstrou interesse pelo Culver Studios.

A aquisição do estúdio daria espaço para a Apple expandir às suas ambições, na medida em que a companhia tem feito investidas em diversos profissionais de Hollywood, segundo pessoas familiarizadas com as negociações.

Ferramenta recomendada: Super planilha para seu controle financeiro

Acesso à internet está presente em 54% das casas brasileiras, diz estudo

O acesso à internet teve um leve crescimento no Brasil entre os anos de 2015 e 2016, conforme mostra pesquisa TIC Domicílios, divulgada hoje pelo Comitê Gestor da Internet (CGI). O levantamento mostra que 54% dos domicílios do País (36,7 milhões de lares) tinham alguma conexão à internet no ano passado, o que representa um avanço frente aos 51% do ano anterior.

A banda larga fixa é o tipo de conexão mais popular, com um total de 23 milhões de residências conectadas. Em seguida vem a banda larga móvel, com 9,3 milhões, e o acesso apenas por meio de celulares, com 4,4 milhões.

O acesso por celulares tem mostrado o maior avanço, segundo a pesquisa. A proporção de domicílios com acesso à internet, mas sem computador, dobrou em dois anos, passando de 7% em 2014 para 14% em 2016.

Entre os usuários de internet pelo telefone celular, o Wi-Fi se mantém como o tipo de conexão mais mencionado: 86% dos usuários afirmam utilizar a rede sem fio, enquanto 70% utilizam a rede 3G ou 4G.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários