No Brasil, 74% das startups encerram operação após cinco anos de existência e 18% antes mesmo dos dois anos. Os dados são da aceleradora Startup Farm.

Olhando os números, a pergunta mais lógica é: qual seria o motivo?

Pode ser o simples desentendimento entre sócios, mas, principalmente, porque essas empresas não entregam uma proposta condizente com o mercado. Nesse último caso, a implementação de uma estratégia de MVP (Minimum Viable Product) poderia ter salvo o negócio.

Imperdível: 5 ações para comprar agora

MVP a estratégica que pode salvar seu negócio

O conceito de MVP nada mais é do que estruturar a proposta de negócio de forma que se crie primeiro um protótipo, com recursos ainda que de uso limitado. Essa primeira versão já colocada no ar permite ouvir desde o início as necessidades e sugestões dos usuários e remodelar o produto de acordo com o que o mercado realmente precisa.

Onde, então, os empreendedores falham nesses primeiros anos de criação de uma startup? Muitas vezes por acharem que precisam colocar o produto no ar somente quando estiver perfeito. Sem realizar testes com os usuários fica quase impossível saber o que de fato é bom para o mercado e realmente necessário.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Risco: é fundamental saber lidar com ele

De acordo com o conceito de startup enxuta proposto por Eric Ries no livro de mesmo nome, ou The Lean Startup, as startups fracassam por terem uma fascinação associada a um bom plano, uma estratégia sólida e uma pesquisa de mercado completa. Segundo ele, planejamento e previsão são precisos apenas quando baseados num histórico operacional longo e estável, e num ambiente relativamente sério. Considerando isso, as startups não têm nenhum dos dois.

Sempre que me perguntam como fazer um negócio ter sucesso e superar os cinco primeiros anos de trabalho e esforços, digo que antes de mais nada é preciso saber correr risco e ser rápido para tomar decisões ou mudar o rumo do negócio. No conceito de Ries, isso seria o equivalente a permitir realizar previsões que podem ser testadas e alteradas, se consideradas erradas.

eBook gratuito recomendado: Freelancer – Liberdade com muito trabalho e resultados

GetNinjas: mudanças e evoluções

A primeira versão do GetNinjas que lancei no mercado sofreu inúmeras evoluções ao longo desses seis anos. Isso porque decidi comprar uma plataforma na Índia por US$700, trabalhar nela em apenas duas semanas e já lançar no mercado. A ideia era um protótipo bem simples, mas que já atendia a necessidade básica de mercado.

Você pode imaginar como essa primeira versão estava longe do que se tornaria hoje. Porém, já funcionava o suficiente para iniciar. A partir dessa versão, fomos ouvindo os usuários e melhorando os recursos até chegarmos ao que somos hoje.

Por isso, vejo o risco e a agilidade como duas das melhores qualidades de um empreendedor. É preciso aceitar que não é de primeira que se vai conseguir disponibilizar a melhor proposta para o mercado. Pelo contrário, é o mercado quem vai ajudá-lo a encontrar a melhor solução, juntos, numa interação colaborativa.

eBook gratuito recomendado: Do Endividamento ao Investimento

Siga o exemplo das grandes empresas

Grandes e valiosas empresas de hoje, como Facebook, Apple e Dropbox, também utilizaram o conceito de MVP para se consolidarem em suas áreas de atuação. Hoje, líderes em seus segmentos, elas continuam ouvindo os usuários, porque sabem o peso que isso tem na experiência do produto.

Para quem está começando, ou já teve experiências intensas de empreender, mas não inseriu o conceito de MVP na estratégia de negócios, posso garantir que tem sido algo essencial para o crescimento e desenvolvimento do meu negócio ao longo desses anos e muito possivelmente o que levará a empresa para o futuro.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários