Muitos jovens reclamam dos altos valores despendidos para participar de uma festa de formatura. Apesar de estarmos falando de um evento marcante e com caráter único de celebração e conquista, muitos universitários têm razão. Os valores são altos e, muitas vezes, descolados da realidade econômico-social do país.

Mas você sabe quanto, na média, cada formando gasta para aderir ao baile no Brasil?

E sabe quanto as festas de formatura costumam custar no total?

A média do valor da adesão (compra da mesa) para festa de formatura está em R$ 3000,00. Na maioria das vezes, esse pacote inclui dez ingressos para o evento repleto de atrações com direito a mesa, open bar, buffet e atrações artísticas. Ou seja, em um pacote de adesão, cada pessoa custa em média R$300,00.

Mas esse valor varia bastante não só de acordo com a região do país, mas também de acordo com o curso e com a instituição de ensino. É necessário considerar, também, se a faculdade em questão é pública ou privada, já que as universidades particulares costumam ter adesões mais caras.

Ferramenta grátis: Calculadora de Adesões para Comissões de Formatura

De qualquer forma, a média dos valores não é nada barata, ainda mais se considerarmos que 76% dos universitários têm, segundo pesquisa do Data Popular, renda individual de R$324,00 a R$1387,00 e renda familiar média de até R$ 2295,00.*

Mas por que, então, esses pacotes costumam ser tão elevados?

Porque estamos falando de festas que chegam a custar alguns milhões de reais. A festa de 2014 da turma do direito da PUC-SP, por exemplo, teve um show da Ivete Sangalo como uma de suas atrações.

Hoje em dia, há festas de formatura que chegam a custar quase R$ 4.500.000,00. Por outro lado, são raras as festas que custam menos de R$100.000,00.

Segundo estudo do Banco de Formaturas, no estado de São Paulo, cerca de 60% das adesões vêm com a venda de extras. O restante vem da venda de rifas, brindes, convites individuais e da realização de eventos para angariar fundos.

Por isso, o valor da festa fica muito concentrado nas adesões dos universitários.

Grátis: estime o quanto vai custar para cada formando!

E como fazer para baixar ao máximo o custo da festa sem perder a qualidade?

Hoje em dia existem formas de diminuir esses valores sem que a qualidade da festa seja afetada. Basicamente, essas formas consistem em oferecer às comissões de formatura relatórios de controle para aumentar o seu poder de negociação com as agências de formatura, além de permitir que as turmas comecem a arrecadar antecipadamente com uma empresa exclusiva de arrecadação e gestão financeira, sem depender de ter algum contrato fechado com alguma produtora de eventos.

Os relatórios, além de possibilitarem um controle maior das finanças da turma, também impedem que a produtora inclua outras receitas disfarçadas – o que, infelizmente, não é incomum no mercado de formaturas.

Ao arrecadar antes de fechar contratos com as empresas que organizam os eventos e com os fornecedores, as tratativas começam com a turma já tendo dinheiro em caixa e, por isso, com maior força para definir possibilidades de pagamentos.

É nesse ponto que entra a importância de um serviço independente de arrecadação. O Banco de Formaturas, por exemplo, cuida de toda a parte legal, burocrática e trabalhosa – como emitir boletos, elaborar relatórios, realizar as cobranças e garantir que o dinheiro dos formandos está seguro.

O mais importante é que as comissões de formatura ouçam os formandos para definir expectativas comuns sobre a festa e entender o quanto os formandos estão dispostos a pagar. O baile deve ser para todos!

Henrique Soares
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários