Dizem que um dos pontos que diferencia alguém que realmente lidera daquele que apenas chefia é o quanto esta pessoa sabe estimular os outros à sua volta a encontrarem motivação naquilo que estão fazendo.

Em outras palavras, lidera mesmo quem incentiva os outros, direta e indiretamente, a crescerem por conta própria, sem a necessidade de serem empurrados o tempo todo ou à espera de respostas, ajudando o crescimento da organização (e da vida pessoal) de forma geral.

Aliás, se relacionarmos essa discussão com as pesquisas realizadas em ambiente de trabalho, normalmente o que dá para observar é que motivação funciona mais que dinheiro para manter bons funcionários. E esta motivação pode se dar de diferentes formas, contanto que contribua para que as pessoas se sintam bem. Quer um exemplo?

Uma pesquisa realizada pelo professor de psicologia Dan Ariely, da Universidade de Duke, na Carolina do Norte, mostrou que ¾ dos funcionários de uma fábrica israelense preferiam receber um bônus de premiação em pizza do que em dinheiro.

Parece maluco? Não se pensarmos que no fim das contas a pizza ajudaria muito mais a alegrar o ambiente e motivar as pessoas do que o simples acréscimo no salário do mês, que poderia até passar despercebido. E quem não gosta de se sentir bem, afinal de contas?

Desta vez resolvi tratar sobre o tema de maneira mais ampla, pois no mundo em que vivemos se torna cada vez mais importante não apenas fazer e agir por nós, mas estimular os que estão à nossa volta também. E você não precisa ter uma equipe no trabalho para isso.

Você pode ser o líder que impulsiona em qualquer parte onde esteja, seja na família, em um grupo de amigos, em uma comunidade… Enfim, o quanto você tem impulsionado quem está à sua volta? Vamos pensar um pouco sobre isso?

Aprendeu? Ensine!

Se você está aqui lendo este texto é porque já demonstra uma inclinação a aprender e educar-se financeiramente e dentro de outras questões.

Talvez você conviva com muitas pessoas que já estão seguindo este mesmo caminho ou, ao contrário, talvez se sinta um peixe fora d´água pois parece ser o único entre familiares e amigos que está realmente se esforçando para planejar um futuro melhor.

Mas, vamos lá, como seres únicos que somos, é natural que nossos estágios de aprendizado também sejam diferentes, e o fato de você estar aqui é porque pode não apenas aproveitar o conhecimento que está adquirindo para si mesmo, como também repassar aos outros.

É importante, claro, que tudo que queira repassar não esteja somente na teoria, pois é realizando as mudanças necessárias que você vai se desenvolver e servir de estímulo e exemplo para o restante.

E se você tiver filhos, como é meu caso, se torna ainda mais importante dar exemplos que sirvam de lição, afinal, não há quem aprenda mais com teoria do que com prática – essa é uma das regras universais.

Como ajudar na transformação dos outros

Para ajudar, pensei em alguns pontos que você deve considerar para que possa se tornar um líder inspirador aos que estão à sua volta. Vamos lá?

  1. Sirva de exemplo: Como coloquei anteriormente, o exemplo é a maior fonte de inspiração para os outros. Quando você se mantém equilibrado em meio às turbulências, quando vai atrás de seus sonhos, quando não tem medo de recomeçar, e etc. você também impulsiona outras pessoas a fazerem o mesmo. Comece a treinar, será bom para você e para os que estão ao seu redor. Permita-se desafiar a si mesmo;
  2. Julgue menos: Ninguém estimula ninguém a melhorar quando apenas julga o tempo todo. Julgamento, veja bem, é diferente de crítica construtiva. Todo mundo pode melhorar naquilo que faz, mas tome um pouco de cuidado no momento de criticar alguém. Como dizem por aí e há muito tempo, primeiro elogie o que há de bom, depois contribua para o que precisa ser melhorado;
  3. Ouça: Muitas vezes queremos tanto repassar uma experiência a alguém que sequer ouvimos o outro lado. Permita-se ouvir, seja um funcionário ou seja o seu filho. Pode ser que ele realmente não tenha razão no que vai dizer (ou tenha), mas se você não o escuta e já quer impor uma opinião, dificilmente vai impulsioná-lo a qualquer coisa na vida;
  4. Dê asas: É verdade. Geralmente as pessoas (incluindo eu e você) só aprendem quando erram. E como errar se não há espaço para fazer? Quando você oferece liberdade para alguém tomar as rédeas da situação, pensar em alternativas e por efetivamente a mão na massa, pode até ser que a solução final não seja lá a melhor dos mundos, mas numa próxima, certamente, a pessoa vai melhorar. E assim, cada vez mais e mais;
  5. Estimule: Finalmente, nada melhor para motivar alguém a crescer do que realmente dando estímulo. Isto significa que, além de todos os pontos indiretos que falei acima, você pode simplesmente oferecer o seu apoio e dizer aquela frase que todo mundo gosta de ouvir: “Vai lá, você consegue!” E claro, se não der certo, lembre-se de oferecer o ombro para um recomeço. É assim que funciona!

Uma das coisas que sempre aparecem quando o assunto é estimular e fazer diferente para “contaminar” os demais com essa energia é a preguiça. Ah, a preguiça… Um perigo! Eu fiz um vídeo sobre isso e compartilho com você para saber sua opinião:

Clique para assistir

Conte sempre comigo nesta jornada de aprendizado. Sucesso sempre por aí!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários