Confesse: você já tentou diversas vezes começar a organizar as finanças, diminuir os gastos, aumentar as receitas, investir e etc., mas volta e meia algo acontece e você “precisa” voltar atrás, de forma com que seus planos não se concretizam.

Acontece? Hum, será que todos esses empecilhos não têm um nome similar? Que tal chamá-los de autossabotagem? Você sabe o que é isso?

Tendemos a ter uma série de comportamentos repetitivos durante a vida. Boa parte deles, ou talvez a maioria, realizamos de forma inconsciente. O grande problema é que eles podem nos prejudicar de maneiras bastante distintas, inclusive duradouras, o que vale para a vida financeira também.

Já falei muito sobre os diversos significados de riqueza aqui, em geral positivos, afinal, quando queremos enriquecer normalmente é por boas razões, não é mesmo? Ah, sim, também existe o outro lado da moeda, que nem sempre está claro, aparecendo de forma transparente para os nossos olhos. Vamos pensar um pouco a respeito?

Descubra: LCI e LCA, ainda dá para investir?

O que dinheiro significa na sua vida?

Conheci uma pessoa que tinha como plano de vida comprar um imóvel próprio para gerar receita passiva com aluguel, sempre pensando no futuro.

Ela ganhava razoavelmente bem, conseguia poupar certa quantia por mês, mas a cada vez que acumulava uma quantia X, alguma outra necessidade aparecia e o dinheiro “ia embora”.

Depois, essa figura reclamava que tanta gente conseguia e ela não, que não adiantava ficar esperando isso ocorrer, que a sorte era de quem já nascia com dinheiro, mas que os ricos – veja bem – eram todos uns “exploradores” porque não precisavam trabalhar, viviam de renda, entre outras besteiras.

Perceba que, no fundo, no fundo, a visão de dinheiro desta pessoa trazia em sua base algo extremamente negativo: a ideia de que todo rico é explorador e não precisa trabalhar.

Serei mais objetivo sobre o problema deste amigo: internamente, ainda que não estivesse se dando conta, o que ele dizia para si mesma era algo como: “Não quero ser rico, não quero parar de trabalhar, não sou como eles e não pretendo mudar isso”.

E não importa se os fundamentos de uma ideia assim têm razão de ser ou não, o fato é que, como fazemos associações que muitas vezes sequer conhecemos e que em sua maioria vêm lá da infância como algo correto a se pensar, fica mais difícil ainda acertar o rumo e passar a agir de maneira diferente. Será que isso não está ocorrendo com você?

eBook gratuito recomendado: Educação Financeira no Ambiente de Trabalho

Preste atenção nos detalhes

Poderíamos falar aqui, passando das finanças para a vida a dois, de alguém que sempre reclama que está sozinho. Alguém que gostaria de se casar, ter uma família, mas no fundo sempre está com alguém que não tem esses mesmos planos.

Então, quando aparece alguém legal, de acordo com o “esperado”, já começam a saltar aos olhos uma série de defeitos. Hum, espera aí, tem algo errado nesta história, não tem não? Você conhece pessoas assim? Tenho certeza que sim.

Será que também não está havendo uma autossabotagem aí? Talvez porque no fundo os conceitos de casamento que ela tem registrados não são lá tão positivos assim?

Muitas vezes afirmamos uma coisa, mas pensamos outra; isso é fato. Quando inventamos desculpas, procrastinamos, não ouvimos, fazemos sempre diferente daquilo que falamos é porque algo está errado e estamos, sim, nos autossabotando. E “passar a perna” em si mesmo é algo que fazemos bem como ninguém.

Somos nós mesmos que não nos permitimos chegar onde queremos, seja por medo ou por outras razões. O importante é começar a ter consciência sobre o que anda acontecendo, tentando assumir mais o controle e sendo mais diligente.

Sabe aquela frase: “Se você quer fazer algo encontrará uma maneira. Se não quer, encontrará uma desculpa”? Ela vale bastante para estes casos. Quantas desculpas você anda inventando para se autossabotar?

eBook gratuito recomendado: Invista e Construa o Futuro dos seus Filhos

E agora? O que fazer?

Se depois de ler até aqui você começou a pensar que, por mais esforçado e comprometido que seja, você realmente pode estar se autossabotando inconscientemente, está na hora de fazer algo.

Sendo verdadeiro com você, confesso que não será fácil mudar padrões mentais que estão se repetindo há anos em sua cabeça, mas o simples fato de começar a tomar consciência deles já pode torná-lo mais atento quando resolver agir diferente daquilo que gostaria sem ao menos entender o porquê, meio no automático.

Desta forma, será preciso estar mais atento a cada pensamento ou ação, e para fazer isso você precisará:

  1. Definir e planejar melhor seus objetivos

Pense e repense no que realmente quer e faça um planejamento. A cada vez que algo te levar a não cumprir este planejamento, pare e reflita se aquilo é legítimo ou pode ser uma autossabotagem.

  1. Compreenda a importância do dinheiro em um nível amplo

Já falei outras vezes sobre isso, mas sempre é bom retomar. Que tal começar a pensar – e até colocar no papel – o quanto você conseguiria melhorar sua vida e a das outras pessoas se conseguisse mais dinheiro. Substitua as ideias ruins relacionadas à ganância, egoísmo e exploração por outras melhores. Não seria ótimo poder proporcionar mais conforto à família? Ajudar um projeto social que você admira?

  1. Acredite e substitua os pensamentos relacionados à escassez

Pare de pensar e de falar sobre escassez. Não se coloque na posição de vítima nem ressalte uma possível falta de dinheiro ou de emprego, pelo contrário.

Aproveito o finalzinho desse texto para compartilhar um vídeo que gravei recentemente e trata justamente das mentiras que contamos para justificar os erros que cometemos ao postergar decisões importantes. Acompanhe!

Espero de verdade que você não caia na tentação de usar essas “muletas” e siga em frente utilizando a educação financeira como um porto seguro para uma vida sustentável.

Imperdível: 5 ações para comprar agora

Se você ainda não estiver na posição financeira que gostaria, comece hoje a mudar certas atitudes e acredite que esta fase é temporária, focando no que precisa ser feito para sair dela. E claro, conte comigo para ajudá-lo nesta empreitada!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • “Se você quer fazer algo encontrará uma maneira. Se não quer, encontrará uma desculpa”?
    Frase provocadora, bom para provocar uma reflexão sobre nossas atitudes.

    Como contribuição para o texto, lembro que pequenos passos na direção certa são melhor que nada, o que vale inclusive para pequenas mudanças de hábitos.

  • Conrado,

    Suas dicas são bem adequadas para quem quer obter bons resultados financeiros.
    Gostei especialmente da 3º dica, pois pensamentos de escassez não nos levam mesmo à nenhum lugar bom, muito pelo contrário, nos afastam cada vez mais dos nossos melhores objetivos.

  • Eu passei anos da minha vida me sabotando, somente comecei a combater isso nos últimos 3 anos, após melhorar minha relação com o dinheiro e minhas crenças consegui de fato acumular dinheiro.

    Realmente é muito importante eliminar a autossabotagem.