Agora você confere as principais notícias de 15/11/2017, quarta-feira.

Número de milionários no Brasil deve crescer 81% até 2022, diz Credit Suisse

O número de milionários no Brasil deve crescer 81% até 2022, passando dos atuais 164 mil para 296 mil, de acordo com relatório do banco Credit Suisse publicado nesta terça (14).

O banco ressalta que, como outros países latino-americanos, o Brasil tem uma parcela maior de pessoas na faixa de renda entre US$ 10 mil e US$ 100 mil que o restante do mundo, mas uma fatia menor nas esferas superiores.

“Isso pode dar uma impressão incorreta de que a desigualdade é menor que a média”, diz o estudo. “Na verdade, a desigualdade é relativamente alta, como apontado pelo índice Gini (que mede a desigualdade de renda) de 83%, e nossa estimativa é que 1% dos brasileiros detenha 44% da riqueza do país.”

O maior avanço percentual será registrado pela Argentina, com alta de 127%, de 30 mil para 68 mil. No mundo, o crescimento previsto no número de milionários é de 22% nos próximos cinco anos, de 36 milhões para 44 milhões, indica o Credit Suisse.

Governo contraria Rodrigo Maia e faz ajustes na reforma trabalhista por MP

O governo editou na noite desta terça-feira (14), a Medida Provisória (MP) 808 com ajustes à reforma trabalhista. A publicação aconteceu com atraso de quase quatro dias, já que a promessa do governo era que a MP fosse publicada junto com a entrada em vigor da reforma, que ocorreu no último sábado (11).

A demora para a edição da MP foi gerada por um disputa política entre o presidente Michel Temer, que queria a MP como instrumento para o ajuste da reforma trabalhista, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que rejeitava a opção do Planalto do Planalto e pedia um projeto de lei para que a Câmara pudesse participar da discussão sobre o ajuste.

A disputa foi vencida pelo presidente Temer, mas Maia não escondeu a contrariedade e ainda sinalizou que pode atrapalhar a tramitação na Casa. Em entrevista ao Jornal O Estado de São Paulo após o anúncio de que as mudanças seriam feitas por MP, o presidente da Câmara classificou a decisão como um “erro histórico”.

“Quando a matéria chegar à Câmara, vou decidir o que vou fazer. Mas acho um erro histórico. A gente pode correr o risco de uma insegurança jurídica brutal no início da implementação (da reforma trabalhista) ao entrar com uma medida provisória que tem efeito imediato”, declarou Maia.

Petrobras desaba 8% após balanço e Bolsa brasileira cai 2,3%

As ações da Petrobras desabaram após o mercado avaliar que o lucro da estatal ficou abaixo do esperado e levaram a Bolsa ao menor patamar em quase três meses. O dólar fechou em alta, na contramão da tendência de enfraquecimento do exterior por causa das incertezas em torno da reforma tributária nos Estados Unidos.

O Ibovespa, que reúne as ações mais negociadas da Bolsa, recuou 2,27%, para 70.826 pontos, no menor nível desde 23 de agosto.

O dólar comercial subiu 0,42%, para R$ 3,312, maior nível desde 30 de junho. O dólar à vista avançou 0,15%, para R$ 3,302.

Acompanhe o fechamento do Mercado Financeiro com Alvaro Bandeira

Clique e ouça

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários