O mercado brasileiro está passando por um momento de total disrupção nos mais variados setores graças a tecnologia, que aparece como peça-chave nesse movimento de mudança. Segundo levantamento do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), as empresas consideradas “Mestres em Transformação Digital” são, em média, 26% mais lucrativas. Já dados da IDC (International Data Corporation) mostram que 60% dos investimentos das organizações até 2020 serão direcionados às transformações digitais.

Diante deste cenário, é preciso estar à frente para não acabar comprometendo o futuro do seu negócio. Hoje, vivemos em uma sociedade de jovens Millennials que estão à procura de inovação e processos cada vez mais digitais, práticos e ágeis, não se contentando mais com serviços burocráticos. Por outro lado, com a tecnologia também cada vez mais presente no dia a dia de pessoas das mais diferentes gerações, todos vem buscando soluções mais rápidas e eficientes.

eBook gratuito recomendado: Como falar sobre dinheiro com o seu filho

Por isso, é importantíssimo se adequar a essas novas demandas, aproveitando o boom da conectividade presente em praticamente todos os momentos. Isso mostra o quanto esse movimento de transformação é indispensável para o futuro das empresas disruptivas, que devem utilizar as novas tecnologias a favor do seu negócio.

Em 2008, quando resolvi aceitar o desafio de estruturar a área de crédito imobiliário do Conglomerado Financeiro Barigui, parte do Grupo paranaense Barigui, ainda não imaginava o quanto estas mudanças digitais seriam fundamentais para mudar o rumo da empresa e fazê-la alcançar o sucesso. Assim, desenvolvemos o produto no modo “old school”, com muito aprendizado e crescimento.

Foi depois de estudar bastante sobre Empreendedorismo durante meu MBA na Kellogg School of Management (EUA), que consegui pensar fora da caixa e perceber que a tecnologia tinha que ser o centro do nosso projeto para ser inovador e para fazer o negócio dar certo.

Isso porque tínhamos um produto com enorme potencial, mas que não se sustentava no mercado atual graças as novas demandas de tecnologia e análise de dados. Desta forma, após um ano investindo e aprendendo a lidar com a tecnologia, decidimos recomeçar o projeto do zero, com uma arquitetura mais robusta e preparada para escalar. Foi quando, efetivamente, nasceu a Bcredi como fintech voltada ao crédito imobiliário.

Baixe grátis: Guia completo sobre investimentos

Agindo e pensando em modelos disruptivos, o mercado das fintechs hoje, no País, representa muito para a economia, com um potencial de faturamento de 75 bilhões de reais nos próximos 10 anos. Com a maioria dos brasileiros insatisfeitos com os serviços prestados pelos bancos, estas empresas vêm inovando em um mercado historicamente tradicional ao trazerem alternativas para quem busca produtos mais eficazes e com menores custos.

Em relação à identidade destas empresas, é interessante focar em suas principais características: otimização de processos, modelo inovador, redução de custos, agilidade na tomada de decisões, garantia de novas experiências ao cliente e criação de produtos e soluções que, de fato, resolvam problemas que afetam um grande número de pessoas – aquelas que irão consumir o seu produto.

Trabalhando todos esses fatores em conjunto é possível gerar serviços realmente inovadores com produtos mais acessíveis e dinâmicos. A ideia de substituir papeladas, filas e horas de espera por apenas alguns cliques via celular em processos online, por exemplo, facilita o dia a dia dos consumidores e vai ao encontro da praticidade que eles esperam.

eBook gratuito recomendado: Freelancer – Liberdade com muito trabalho e resultados

Ademais, isso permite baratear custos e oferecer novas oportunidades ao cliente, utilizando maneiras simples de se comunicar, facilitando os processos e se colocando no mercado como uma empresa criativa e diferente – o que agrada, e muito, a nova geração.

Além da transformação digital, é importante lembrar também que, para inovar, não basta apenas mudar a estrutura da empresa, mas também a mentalidade de seus colaboradores. Uma equipe engajada em inovação, que pensa fora da caixa e propõe soluções diferenciadas, é fator essencial para o crescimento de uma startup.

Maria Teresa Fornea
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários