Em eras mais antigas, a função da moeda era exercida por mercadorias ou animais, trocados entre si em uma prática que recebeu o nome de escambo. Com o tempo, esse tipo de negócio foi substituído por cédulas de papel, talões de cheque e cartões de crédito. Agora, na era digital, estamos testemunhando o surgimento das criptomoedas.

A valorização das moedas digitais, em especial o Bitcoin, foi bem rápida, e tornou-se um dos assuntos mais comentados deste final de 2017. Neste ano, o valor do ativo cresceu 1.500% entre janeiro e novembro, chegando a ultrapassar US$ 18 mil e R$ 60 mil, intensificando as discussões sobre o estouro (ou não) dessa bolha.

Não surpreende, portanto, que o Bitcoin tenha ganhado força nos principais veículos de comunicação, com notícias sobre investimento e tecnologia Blockchain, sistema de registros responsável por garantir a segurança das operações realizadas pelas moedas digitais.

2017: o ano das criptomoedas

As conversas sobre criptomoedas em 2017 não se restringiram aos temas “valorização” e “riscos”, abordando também as diferentes formas de pagamento que possibilitam. Atualmente, as transações com esse tipo de ativo podem ser feitas por internet, celular e máquinas específicas para moedas virtuais, estas já disponíveis em estabelecimentos no Brasil.

Por tudo isso, o começo de 2018 será crucial para saber o futuro do Bitcoin e demais criptomoedas, como Ethereum e Litecoin. Acho que vale investir desde que se “coloque” pouco dinheiro e se tenha em mente que, a qualquer momento, há o risco de perder esse investimento, já que é um ativo ainda muito volátil.

2018: Bolsas o papel delas no futuro das criptomoedas

Outro ponto importante é o papel dos fundos tradicionais e das bolsas começando a operar o Bitcoin – estreou em alta no mercado futuro da Bolsa de Chicago (CME). Acredito que, em 2018, outras bolsas e corretoras tradicionais também começarão a operar a moeda, aumentando sua popularidade e o número de investidores.

A corrida pelo ouro digital, mesmo com um futuro incerto, ainda não terminou. O Bitcoin terá sim o seu espaço para transações financeiras e será mais uma alternativa ao dinheiro de papel, consolidando-se como maneira rápida e segura de fazer pagamentos e investimentos.

Em um futuro próximo, a maneira como nossos filhos irão lidar com o dinheiro será totalmente diferente do que nós aprendemos.

Daniel Coquieri
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários