Quando eu era criança costumava ser muito criativa. Lembro que sempre gostei de escrever e meu irmão sempre desenhou muito bem. Então criávamos álbuns de figurinhas com histórias e desenhos e oferecíamos para a familia.

Também fazia casinhas com caixas de papelão, botas para Barbie com papel alumínio, agendas que eu mesma inventava e um batalhão de outras coisas. Quando me tornei adulta, porém, por diversas vezes me questionei para onde tinha ido toda aquela criatividade. Teria sido tolhida pelas regras do mundo corporativo? E como fazer para dar voz à tão essencial criatividade em um mundo cheio de “nãos” e “formas certas de fazer”? Vamos pensar um pouco sobre isso?

Onde está a criatividade?

O mercado e o mundo em geral parecem exigir criatividade. Não é à toa que as startups, com todas as suas ideias inovadoras, acabam se destacando em meio a tantas regras. Por outro lado, quando você precisa criar e fazer de forma diferente, mas não tem liberdade para isso, parece que as ideias não aparecem, não é mesmo? E a culpa é da empresa, do chefe, e do todo o resto. Mas, espera lá, será que precisa ser assim?

Se você está pensando em ampliar a criatividade, que tal pensar que, muitas vezes, é nos cenários mais complicados que acaba sendo mais necessário ser criativo?

Quem não se lembra daquele filme “A vida é bela”, onde em um campo de concentração o pai decide criar um mundo de fantasia para tornar os dias do filho menos penoso? Muitas vezes, no lugar de reclamar da falta de liberdade para criar, precisamos usar o momento em que nos encontramos como uma ferramenta para inovar. É exatamente o contrário do que costumamos fazer, entende? É mais ou menos isso, inclusive, que as startups fazem.

Observar é palavra-chave

Certa vez perguntei a um CEO como era o processo criativo deles. Ele me respondeu que acontecia especialmente com base em “muita observação”. Não apenas da área em que o negócio se enquadrava, mas de outras áreas. Eles costumavam observar o que estava dando certo e poderia se aplicar a outros segmentos. Depois, observavam o que acontecia fora das fronteiras, ou seja, em outros países. E observavam especialmente as demandas das pessoas e as necessidades do mercado. Ou seja, o que estava tão ruim que requeria imediatamente soluções melhores. Ou seja, a receita é estar de olhos abertos para tudo, inclusive o que não está legal, e colocar em prática novas soluções para velhos problemas.

E como fazer então para colocar mais criatividade em todos os setores das nossas vidas e tentar conseguir resultados melhores? Separei seis sugestões. Vamos lá?

1- Valorize as suas ideias e pare de pedir opinião para tudo

Quem pede opinião para tudo não cria nada. Já imaginou se, na hora de compor, um artista passasse a pedir opinião sobre as melhores palavras para um poema? Ou se um pintor quisesse saber qual a melhor cor para uma pintura? Nenhuma obra nasceria. O mesmo vale para ideias criativas em geral. Para você criar coisas novas precisa se dar liberdade para pensar, independente da opinião dos outros. Valorize as suas ideias, pense e somente depois mostre-as ao mundo.

2- Lembre-se de quando era criança e observe as crianças de hoje

Crianças são extremamente criativas, especialmente porque não foram tolhidas por um milhão de regras como acontece como nós, adultos. Experimente passar uma tarde observando como crianças brincam e resolvem problemas. É uma aula de criatividade que você pode levar para algumas situações na sua vida.

3- Observe os animais

Eu sou suspeita. Convivo com três cachorros e tenho uma gatinha, e eles me ensinam muito sobre processos criativos. Se você tem animais, sabe o que estou dizendo! Quando um brinquedo de um deles cai atrás do sofá e precisam pensar em uma solução para pegá-lo, ou quando precisam avisar que o pote está sem ração, e etc. É claro que é uma criatividade ligada a coisas simples, básicas, de instinto, mas não deixa de ser interessante ver como resolvem as coisas, pois muitas vezes eles nos surpreendem.

4- Pergunte e esteja aberto a ouvir

Seja curioso. Faça perguntas, ouça com cuidado as respostas. Nada melhor para encontrar diferentes soluções do que estar aberto a ouvir. Cada pessoa é um universo e às vezes uma simples frase dita por alguém pode ajudá-lo a encontrar uma solução que procurava há tempos.

5- Saia da zona de conforto. Faça uma coisa diferente por semana

Se você fizer todos os dias tudo igual, nunca conseguirá exercitar seu poder criativo. Proponha-se a fazer algo diferente toda semana, mesmo que seja mudar a sua rota no caminho para casa, conhecer um lugar novo, preparar um jantar à luz de velas, aprender algo diferente. Tire um dia da semana para ousar um pouco mais e coloque isso como prioridade em sua agenda.

6- Escolha com cuidado suas referências de informação

Finalmente, é preciso ter cuidado com tudo que alimenta nosso conhecimento. Quais são as suas referências de informação e fontes de entretenimento? Procure ler, ouvir, assistir coisas que lhe estimulem as ideias, que o façam pensar, refletir, melhorar. Deixe de lado o que não acrescenta. Somos responsáveis por tudo que ingerimos, seja para o estômago ou para a alma, sejam brigadeiros ou programas de TV!

Boa sorte neste processo e fique à vontade para sugerir – com toda criatividade – novas ideias relacionadas a este tema.

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários