Estamos diante de um ano novinho em folha, e certamente você está aproveitando este sentimento de renovação para fazer novos planos. E se você for igual à boa parte das pessoas que eu conheço – incluindo eu mesmo – entre os planos estará algo relacionado a se cuidar melhor e também a organizar melhor a parte financeira, entre outras coisas. E não é que, pensando bem, manter a forma e organizar as finanças tem muita coisa a ver?

Nesta semana li um livro chamado “Lucro FC”, do educador financeiro Ricardo Natali. E um trecho, entre vários muito interessantes, me chamou a atenção:

“A vida com planejamento financeiro não deve ser muito sofrida. Muitos economistas indicam que você corte e corte cada vez mais gastos para atingir a poupança desejada. Porém, esta prática pode desgastar e desmotivar de tal maneira que o leve a desistir do plano. É como um nutricionista pedir para um paciente que precisa perder peso comer só salada. Não funcionará”.

Não é ótima essa comparação? Você também concorda com o meu xará?

Equilíbrio, uma atitude que merece sua atenção

De fato, quando falamos em “organizar” as finanças devemos pensar essencialmente em “equilibrar” as finanças. Ou seja, é preciso sim cortar gastos, afinal sem isso nenhum planejamento vai para frente. E muitos gastos que temos, convenhamos, podem ser cortados!

Por outro lado, dinheiro foi feito para ser gasto também. Se o deixarmos ali guardadinho, com medo de gastá-lo pensando apenas no futuro, e colocando de lado qualquer pequeno prazer porque simplesmente não dá para gastar, certamente ficaremos muito desmotivados e não vai funcionar.

O mesmo acontece quando falamos em manter a forma. Normalmente dá muito mais certo quando há um equilíbrio alimentar, conquistado com mudanças de hábito e prática regular de exercícios físicos, do que com aquelas dietas milagrosas, que as pessoas não conseguem manter no longo prazo porque, realmente, quem aguenta viver tanto tempo na privação?

Equilíbrio e mudança de hábitos

Qualquer mudança que queiramos fazer na vida é sempre um desafio à nossa zona de conforto, você sabe. Não é à toa que a mudança é um processo interno e bastante individual.

Ninguém obriga ninguém a mudar. Só mudamos quando queremos ou quando já sofremos o suficiente e precisamos fazer diferente. É por isso que quando falamos em reestruturação financeira e cuidados com nosso bem estar e saúde, as coisas funcionam de forma semelhante. Nestes casos – e em muitos outros – qualquer melhoria vai depender de esforço, mudança de hábitos ruins, frequência e equilíbrio.

Separei 5 pontos interessantes sobre os quais podemos refletir. Veja só:

1- Cortar gastos/Cortar fast food

Cortes são sempre algo importante quando falamos em mudança. É preciso cortar, excluir, fazer desaparecer alguns hábitos ruins se quisermos adotar novos.

Quando falamos em finanças, são os gastos inúteis. Quando falamos em manter a forma, são os alimentos não saudáveis. E isso poderia valer para uma série de outras situações também, como relacionamentos por exemplo. Para conseguir com que sejam melhores e de valor, certamente precisamos cortar alguns hábitos e formas de pensar e agir.

2- Substituir gastos/Substituir alimentos

Como coloquei lá atrás, não dá para simplesmente sair cortando tudo na vida. Isso vale para gastos e alimentos. Tem coisa que não dá para ser cortada porque acaba desmotivando, tirando o prazer, e aí não dá certo. Neste caso a palavra é substituir.

Se você não consegue cortar um doce, pode substituir por uma salada de frutas ou algo menos calórico na escala de doces (acabei de inventar essa escala, as nutricionistas podem, e devem, me corrigir)! E se há gastos que não podem ser cortados (como uma conta de celular, por exemplo), você pode substitui-los por outros mais em conta. É assim que deve ser.

3- Investir/ Exercitar-se

E se você quiser resultados melhores para o seu dinheiro, não bastará apenas fazer cortes e substituições de gastos. Será preciso ampliar a receita e investir. Esse será o seu esforço extra para fazer a coisa funcionar como quer.

Da mesma forma que um bom programa de reeducação alimentar ajudará muito, mas você terá que se exercitar se quiser resultados melhores. Uma coisa complementa e impulsiona a outra, não é verdade? E da mesma forma como ver os resultados no espelho nos dá ânimo para melhorar cada vez mais, também é inspirador olhar para a conta bancária e ver que todo esforço está dando resultado.

4- Manter a frequência

Outro ponto importante tanto para quem quer reorganizar as finanças, quanto para quem quer conquistar mais bem estar, saúde e melhorias físicas em geral, é  manter a frequência.

Nada vai para frente se não houver regularidade. Para conseguir poupar você deve fazer disso um hábito, mesmo que não sejam valores altos. Para conseguir resultados no corpo, você deve se exercitar de forma frequente. Não há milagre, há perseverança!

5 – Resistir às tentações

Finalmente, o item mais difícil, mas extremamente necessário para qualquer mudança positiva que queiramos realizar na vida é resistir as tentações.

No campo financeiro, você será bombardeado o tempo todo por ofertas espetaculares, publicidades tentadoras e gastos por impulso, já no campo da manutenção do emagrecimento ou qualquer coisa do tipo, você será influenciado o tempo pela preguiça diária que pode impedi-lo de ir treinar e por aqueles pequenos, mas frequentes, boicotes ao plano de alimentação saudável que você começou. Portanto, muita força nesta hora!

Conclusão

Quando conseguimos resistir ao que faz mal e continuamos firmes no caminho da mudança, certamente colheremos os benefícios que a maioria quer, mas poucos estão a fim de se esforçar para conseguir. Percebe o que isso quer dizer?

As receitas estão aí, mas segui-las depende muito mais de nós do que qualquer outra coisa! Boa sorte e um ótimo 2018! Que venha cheios de mudanças positivas para todos nós!!

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários

  • Surpreende a quantidade de semelhanças entre manter a forma física e financeira.
    Interessante o que você disse no item 1, que existiria uma equivalência também nas relações pessoais. Pensando bem daria para fazer uma nova lista de comparações, dessa vez com as relações pessoais. Fica a ideia para um futuro texto.

    Feliz 2018 para você também.

  • Thiago Moreira

    Toppp Ricardo, sempre uso essa analogia, sou Educador também da mesma instituição que o Ricardo do Lucro F.C. Presentei meu irmão com esse livro, ainda não li, mas sei que tem sido bem elogiado. Gosto muito da frase também que dinheiro é para gastar, temos que ter planejamento , viver o presente sem esquecer do futuro.