Na última semana tive a oportunidade de rever alguns amigos de infância, infelizmente com alguns deles já não tinha mais contato e foi muito agradável reencontrá-los e compartilhar um pouco do que havia acontecido durante tanto tempo.

Fiquei muito feliz no decorrer do bate papo porque alguns conheciam o meu trabalho aqui no Dinheirama, diziam o quanto é importante, mas mesmo com a leitura de muitos artigos se diziam angustiados porque não conseguiam “ficar de bem” com o dinheiro, no final do mês a conta não fechava.

Durante os 10 anos que estamos aqui, escrevendo e compartilhando experiências no Dinheirama um dos pontos que mais me chamou a atenção é justamente a forma como muitos ainda encaram as finanças sem nenhum tipo de controle e na base do improviso. Nesses casos a consequência é muito simples: gastam mais do que ganham.

Simples é sempre melhor

Sei que posso ser exagerado na simplicidade, pois na prática o que parece fácil se torna muito difícil, mas aprender a viver dentro do que as receitas permitem é um desafio que só pode ser vencido se encarado com muita seriedade.

Para tentar ajudar e apresentar alguns caminhos interessantes gosto de pensar nesse “ajuste” das finanças passando por três passos:

Primeiro passo: Educação Financeira não é mágica

É comum recebermos consultas através dos contatos de pessoas que buscam auxílio, alguns se dispõem até a um trabalho mais específico com consultoria pessoal.

Muitos que iniciam o processo abandonam o trabalho porque esperam que o consultor apresente um plano mirabolante onde se resolvam pendências e assim surja mais dinheiro. A maioria se frustra, porque a realidade mostra que o problema está em não mais cometer erros e aceitar que somos os principais responsáveis pelos problemas que atravessamos.

É importante perceber que educação financeira, não é nenhum tipo de feitiço que do dia para noite resolve todo tipo de problema, ela é um exercício constante de transformação que atua dentro da necessidade de organização para um estilo de vida consciente e sustentável.

Segundo passo: Aceitar os erros e seguir em frente

Tão difícil quanto aceitar os erros e descobrir que precisamos mudar é dar o primeiro passo. O que precisa ser feito?

Comece pelo mais simples a organização, ela é muito mais importante do que normalmente imaginamos, inclusive para quem está com muitas dívidas, afinal para estabelecer prioridades é preciso saber o que de fato está acontecendo.

No dia a dia é fundamental usar uma planilha para controlar o orçamento doméstico, no Dinheirama você pode baixar a melhor planilha gratuitamente. Se você tem facilidade no acesso à internet, existem ótimos aplicativos que também servem muito bem para o propósito.

Terceiro passo: Disciplina para seguir em frente

A disciplina certamente é um dos grandes trunfos de quem conseguiu alcançar a independência financeira.

A transformação de alguém que está endividado até se tornar um investidor, muitas vezes pode levar tempo, por isso, manter a disposição em fazer o planejamento doméstico, planejar os gastos e manter esse processo como um hábito é muito difícil, justamente por isso volto a afirmar que educação financeira é um estilo de vida.

Mude, mesmo que seja aos poucos

Viva um mês de cada vez, mas faça seu planejamento anual com projeções de gastos e principalmente respeito aos limites de seu padrão de vida.

Tão bom quanto rever os amigos foi à conversa e os desdobramentos que ela tomou. Muitas mandaram e-mail agradecendo e pedindo alguns conselhos para mudar a forma como lidam com as finanças. Respondi a todos dizendo que o principal já foi feito, chegaram à percepção de que é preciso parar de reclamar e de fato mudar.

Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários