Chegamos a mais uma de nossas colunas semanais sobre mundo digital, tecnologia e empreendedorismo.

Nosso destaque são as mudanças no algoritmo do Facebook.

Facebook vai dar menos destaque para conteúdo jornalístico e vídeos

O Facebook anunciou a alteração mais significativa em anos do seu feed de notícias (página inicial do usuário), em que reportagem das empresas jornalísticas e vídeos virais terão menos espaço. Em compensação, o conteúdo feito por amigos e familiares será priorizado.

Segundo Mark Zuckerberg, presidente-executivo da empresa, a mudança (que vai acontecer nas próximas semanas) visa aumentar o total de conteúdo com “interação significativa” que as pessoas consomem na rede social com 2 bilhões de usuários.

A ideia, de acordo com o executivo, é reduzir o que ele chama de “conteúdo passivo”: vídeos e artigos que exigem apenas que o usuário assista ou leia.

“Queremos garantir que nossos produtos não são apenas divertidos mas também bons para as pessoas”, disse Zuckerberg. “Precisamos mudar o foco do sistema.”

A notícia, porém, desagradou os investidores. As ações chegaram a cair 5%.

Bitcoin consumirá uma Argentina em energia neste ano

O consumo de eletricidade relacionado ao bitcoin neste ano pode ser tão grande quanto ou até maior que o consumo previsto para todos os veículos elétricos do planeta em 2025 ou que o da Argentina, de acordo com o banco Morgan Stanley.

O bitcoin, a criptomoeda da moda, é minerado por meio da solução de complexos problemas matemáticos, cujas respostas são usadas para validar novas transações, adicionadas ao livro-registro do blockchain. Essa mineração requer grande uso de energia para computação.

“A demanda de energia do bitcoin em 2018 (cerca de 120 a 140 terawatts/hora, o equivalente a 0,6% do consumo mundial de energia, ou ao consumo da Argentina) será em nossa estimativa superior à demanda mundial total dos veículos elétricos do planeta em 2025 (cerca de 125 terawatts-hora), mas ainda é pequena em termos absolutos e não terá impacto sobre as ações de empresas de infraestrutura, pelo futuro previsível”, apontaram os analistas do Morgan Stanley.

Embora não acreditem que o consumo de energia pelas criptomoedas venha a afetar a situação das empresas mundiais de infraestrutura, ao menos por enquanto, os analistas apontam que a demanda por bitcoins pode “representar uma nova oportunidade de negócios para aqueles que desenvolvem fontes sustentáveis de energia” e que “muitas empresas de infraestrutura, como a NextEra, a Iberdrola ea Enel, e mesmo as grandes companhias petroleiras estão ingressando no segmento de energia renovável”.

O Morgan Stanley estima o custo de criar um bitcoin em entre US$ 3.000 e US$ 7.000. E regiões de baixo custo deverão ser favorecidas para a mineração, como México, Noruega, China, Canadá e EUA.

Google diz que começou a corrigir falhas de segurança em chips no ano passado

O Google, da Alphabet, anunciou que implantou no ano passado as atualizações de software contra falhas de segurança de chips, sem impactar os serviços de nuvem. Pesquisadores da empresa identificaram as falhas Meltdown e Specter em julho e comunicaram as fabricantes, que só anunciaram o erro no início deste ano.

O Google disse que começou a implementar atualizações para a Meltdown e uma variante da Specter em setembro e, em dezembro, criou uma atualização para a Variant 2 da Specter, que é mais difícil de consertar sem desacelerar os sistemas.

“Este conjunto de vulnerabilidades foi talvez o mais difícil e desafiador de consertar em uma década”, afirmou o executivo do Google, Ben Treynor Sloss.

A Microsoft também lançou atualizações para as falhas, mas no início desta semana admitiu que sua correção para a Variant 2 desacelerou alguns computadores pessoais e servidores, com sistemas com processadores Intel mais antigos que apresentaram uma diminuição notável de desempenho.

A Intel disse na última quinta-feira que emitirá consertos para 90% dos chips com menos de cinco anos até 15 de janeiro e então se concentrará em atualizações para os chips mais antigos.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários