Aparentemente, abrir o próprio negócio é uma solução interessante para quem quer colocar as ideias em prática e ser dono do próprio “nariz”. O ideal de liberdade baseado no empreendedorismo é algo que prezamos muito por aqui, mas o tema merece ser aprofundado e melhor discutido.

A realidade nos mostra que, apesar de hoje estar mais fácil registrar um CNPJ, iniciar a própria empresa e construir uma equipe decente, transformar esse projeto em um negócio de verdade exige mais atenção, senso de mercado e decisões ainda pouco praticadas de uma forma geral. Convido-o a ler um texto introdutório sobre os dilemas do empresário antes de prosseguir (clique aqui).

Um passo em falso ou um planejamento mal feito pode fazer você perder credibilidade e, principalmente, o dinheiro investido. E sejamos francos: o que pode ser pior di que ver a conta bancária diminuir em vão ou simplesmente ver o sonho escapar das mãos por negligência e falta de atenção?

10 sinais de que você está desperdiçando dinheiro no seu negócio

Pensando nisso, reuni aqui sinais que você deve considerar e corrigir se não quiser perder dinheiro e ver o sonho de liberdade ficar pelo caminho. Lembre-se de que o seu negócio só irá crescer – e se manter – quando a base estiver firme e estável. O recado hoje é simples: perceba o que você está errando, evite gastos e melhore a produtividade.

Sinal 1: Ausência de planejamento financeiro

Esse é o item básico para qualquer negócio (assim como para qualquer pessoa física) e, apesar disso, muitas empresas perdem dinheiro por não segui-lo e respeitá-lo. Imagine que você precise apenas de dois computadores, mas compre três. Por que o exagero? Capricho?

O exemplo pode parecer simplista, mas na hora de fechar as contas você perceberá a diferença que a compra extra fez naquele mês, embora tenha sido pequena. E, se essas atitudes impensadas se tornarem rotina, elas com certeza terão proporções muitos maiores para o caixa da empresa.

Assim como acontece com a vida pessoal, uma empresa sem controle de fluxo de caixa inteligente e sem cuidados com sua contabilidade é um convite para endividamento, péssimos investimentos e fraudes.

Sinal 2: Público alvo incerto

Cuidado para o entusiasmo não tomar conta da empresa. Mesmo que o seu serviço ou produto seja inovador e exclusivo, ele precisa ter um público alvo conhecido e bem estudado. Quem vai comprar o que você quer vender ou o serviço que você oferece?

Isso diz respeito tanto ao marketing que será realizado posteriormente, quanto às demais ações internas, como as pesquisas de opinião e a criação de novos produtos ou a oferta de serviços diferenciados. Pode parecer óbvio, mas com o público definido fica mais fácil realizar as vendas e obter lucro.

Sinal 3: Avaliação fantasiosa do mercado

Colocar apenas o serviço ou o produto no mercado não basta. É preciso estudar sempre as propostas oferecidas pelo setor, os concorrentes e as possíveis inovações futuras. Quais são os diferenciais oferecidos pela sua empresa em relação ao mercado? Qual a opinião de clientes sobre os seus concorrentes?

Some a essa avaliação mais criteriosa de seu ramo de atuação a decisão de visitar feiras relacionadas aos negócios, pois além de visualizar melhor o mercado, você também conseguirá agregar networking e conhecimento.

Uma visão errada das responsabilidades de cada participante do mercado e esperanças falsas sobre o potencial da empresa podem significar a morte do seu negócio – clique aqui para ver como evitar tragédias assim.

Sinal 4: Metas inadequadas

O que você almeja para os próximos 5 anos? Se a sua resposta for “Não sei” ou “Que a empresa cresça”, você está no caminho errado. O seu negócio precisa ter projetos realistas para seguir no curto, médio e longo prazo.

Aqui vale discutir e definir, ao lado da equipe comercial, metas de vendas plausíveis, mas que estejam de acordo com os objetivos traçados pelos sócios (é preciso que estes objetivos existam e estejam claramente comunicados). O mesmo vale para metas de atendimento, suporte e qualidade.

Só assim você conseguirá ver claramente se os resultados atingidos fazem sentido, se atingiram as metas determinadas e, em caso negativo, ter subsídios para saber e fazer o que precisa ser feito para alcançá-las.

Sinal 5: Sócio errado

Escolher um amigo íntimo para trabalhar junto pode ser uma ótima decisão a princípio, mas pode decepcionar caso ele não siga a mesma política corporativa que você. A amizade é ótima, mas pode terminar em confusão se as regras não forem claras na sociedade formada: aí vocês passarão mais tempo tentando entrar em um acordo do que concretizando ideias.

Portanto, escolha o sócio de acordo com as afinidades profissionais e as experiências que cada um colocará à disposição da empresa. É importante que as formações sejam complementares e que os sócios possam ser responsáveis por diferentes áreas, o que é crucial para um pequeno negócio prosperar.

Sinal 6: Marketing errado

Se você contratou uma empresa de marketing para divulgar o seu negócio, observe se eles estão realmente levando a mensagem certa para o público. Aliás, você sabe qual a mensagem certa para o público? O que você quer transmitir? Que imagem quer associar ao seu produto ou serviço?

Caso a mensagem não esteja sendo passada de maneira satisfatória, não hesite em trocar de serviço e/ou fazer profunda revisão interna de expectativas e definições em relação ao público-alvo e a mensagem desejada. O marketing é essencial para o crescimento da empresa e, se for levado de forma amadora, não atrairá a atenção do público e tampouco o fará ir atrás do serviço.

Aqui no Dinheirama publicamos um excelente texto que ensina e comenta sobre os três pilares fundamentais para seu plano de marketing ter sucesso (clique e leia).

Sinal 7: Inexistência de um plano de carreira

A alta rotatividade de profissionais é um dos principais fatores nas perdas financeiras das empresas, pois implica em indenizações, exames médicos frequentes e uma agenda sempre lotada de treinamentos para os mais novos. É preciso que os integrantes da empresa queiram vencer na carreira ao seu lado (clique aqui para mais detalhes sobre isso).

Por isso, tão importante quanto contratar bons profissionais é reter na empresa aqueles que já estão correspondendo às expectativas (ou superando-as, o que é ainda melhor). Você certamente já ouviu falar de reter talentos, certo? Pois é, não se trata apenas de um nome bonito criado pela mídia especializada. É uma questão de sobrevivência.

Oferecer condições favoráveis de trabalho, manter um bom relacionamento e oferecer um plano de carreira, ainda que carente de melhorias, é o mínimo que uma empresa de potencial deve fazer. Atualmente, os profissionais só permanecem em uma empresa quando concordam com a visão de negócios dos envolvidos, além de terem perspectiva de como estarão no futuro e de como a empresa vê e valoriza a qualidade de vida.

Sinal 8: Falta de infraestrutura

É indispensável fornecer um ambiente de trabalho confortável aos profissionais para que eles possam produzir mais. Também é importante oferecer conforto e comodidade, pois a falta de infraestrutura pode desencadear problemas de saúde cuja empresa será responsável por resolver e pagar.

Eu sempre gosto de citar o exemplo das mesas e cadeiras de escritórios, um dos primeiros itens que observo quando entro em uma empresa que admiro. Quando essa combinação mesa-cadeira não segue o padrão ergométrico, os usuários ficam suscetíveis a desenvolver dores musculares, prejudicando as tarefas e demandando tratamento médico. Tudo isso custa dinheiro.

Aspectos complementares, mas essenciais, como banheiros limpos, uma área para bebidas quentes e frias e espaços para reuniões complementam a lista da infraestrutura básica para reter talentos e criar um ambiente de trabalho favorável ao crescimento da empresa. De novo, insisto: seus profissionais passarão muito tempo no local de trabalho, por isso ele é tão importante.

Sinal 9: Ausência de formação contínua

Se você quer alinhar algum aspecto com a equipe ou trazer novas informações a ela, realize encontros e reuniões rápidas com seus colegas de trabalho. Se você quer inovação e melhores serviços, incentive a equipe a participar de um processo contínuo de formação (ofereça esse cenário).

O cuidado frequente com o aprendizado e a formação dos profissionais da sua empresa os tornará melhores e mais comprometidos, ao passo que suas experiências renderão frutos para a companhia na forma de novos produtos e melhorias nos processos internos. Ou o profissional é patrimônio da empresa ou o empresário vai destruir sua equipe (clique e entenda melhor).

Sinal 10: Desconhecimento das leis

Acredite: investir em uma assessoria jurídica já no início do negócio é uma decisão fundamental. Isso poupará você e sua empresa de dores de cabeça futuras e ainda evitará o desperdício de dinheiro decorrentes de multas e processos trabalhistas, para ficar em dois exemplos muito comuns.

É preciso levar em consideração que vivemos em um país com um número impressionante (não achei adjetivo melhor) de leis, isso sem contar nas muitas instâncias e nas variadas interpretações de advogados e juristas. Eu diria que trata-se de um desafio impossível para um empresário sem experiência e suporte jurídico.

Conclusão

Se você também acha que a maioria dos pontos abordados aqui é óbvia, atingi meu objetivo. Lançar-se na criação de uma empresa não pode ser uma decisão tomada de forma irresponsável, é necessário um mínimo de planejamento – e os sinais que apresentei são exatamente isso: um misto de coerência e bom senso.

É possível perceber nas histórias de grandes empreendedores que a atenção aos detalhes é um dos aspectos essenciais de seu sucesso. Veja, por exemplo, o exemplo de seis milionários brasileiros que fizeram fortuna do zero (clique aqui). Portanto, atenção para os sinais de que você pode estar desperdiçando dinheiro.

Reitero meu enorme apreço pelo empreendedorismo, um estilo de vida que merece mais respeito no Brasil. Espero que os “lembretes” deste artigo sejam úteis e possam contribuir com seus ideais de liberdade baseados na criação do próprio negócio. Deixe suas opiniões no espaço de comentários. Obrigado e até a próxima.

Foto “Garbage can full of money”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários