Quando olhamos para o índice Bovespa, vemos o enorme estrago que a crise fez no nosso mercado de ações. Só nos últimos 12 meses a queda foi de -13,3%. Mas o índice é um conjunto de ações escolhidas e baseadas em certos critérios, que juntas, formam uma média (de ganhos ou perdas).

Se observarmos uma ação de uma empresa isoladamente, veremos resultados diferentes do índice Bovespa. Algumas podem ter se valorizado no último ano, mas a maioria delas caiu de valor, incluindo algumas que foram injustamente penalizadas pelo “humor” dos grandes investidores. Dessa forma, temos ações de empresas que estão com ótima “saúde financeira” e mesmo assim com preços baixos.

E aproveitando o gancho, o que seriam empresas “saudáveis”? Veja estes fundamentos de um bom negócio:

  • Negócio com comprovado poder de gerar lucros;
  • Negócio que tenha bons retornos sobre o patrimônio investido;
  • Negócio simples, de fácil entendimento e que não esteja sujeito a grandes mudanças;
  • Preço interessante;
  • Empresas com pequena variabilidade de resultados.

Se uma ação na bolsa atende a estes (e alguns outros) parâmetros, ela é uma ação de uma boa empresa, que mantém bons negócios, e que não tem motivos para gerar resultados ruins. Aliás, elas não geram resultados negativos, mas suas ações em bolsa podem gerar, pela tal “contaminação” com o mau humor do mercado financeiro e com as más perspectivas de crescimento do país.

Agora imagine num universo de quase 300 ações (que é o número aproximado de empresas listadas na bolsa) o trabalho que é realizar um filtro detalhado, analisando empresa por empresa, com todos os seus indicadores de mercado, balanços, resultados, etc. Pois é exatamente isso que a Empiricus, nossa parceira de conteúdo, faz.

Eles selecionaram 11 ações (nem mais, nem menos) dentre as quase 300. Estas 11 apresentam as características das ações que possuem potencial de valorização em 2016, por estarem distorcidas pelo cenário de crise.

E o que acontece com elas quando o rumo do mercado começar a mudar? Bem, aí as correções dessas distorções acontecem de forma acentuada. Enquanto o índice aumentou 83% em 2009 (ver gráfico abaixo), após a crise de 2008, algumas ações específicas corrigiram até 400% para cima!

 

Oportunidade: 11 ações na bolsa para lucrar com a crise

 

Outra coisa interessante é observar que este gráfico do índice Bovespa está expresso em dólares. Como a maior parte dos investidores da bolsa brasileira são estrangeiros, e é assim que eles enxergam o índice.

Veja que já estamos atingindo níveis bem baixos, inclusive menores que aqueles da crise de 2008. Há alguns pontos importantes para serem analisados neste gráfico, e a Empiricus também fez isso.

Eles montaram uma página exclusiva com uma completa descrição sobre as oportunidades envolvendo as 11 ações selecionadas e sobre algumas observações relevantes do atual momento da bolsa. Clique aqui para ser direcionado e continuar a leitura.

Até a próxima!

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Foto “Stock market”, Shutterstock.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários