Você é autoconfiante? Ou seja, confia no seu taco quando precisa fazer algo desafiador? Acredita que vai dar conta de uma situação complicada? Entende que tem capacidade de conseguir o que quer? Recebe eventuais críticas como algo construtivo e não se abala facilmente?

Tenho lido bastante a respeito da autoconfiança. E como ela é importante, caro leitor! Quando não confiamos em nós mesmos, dificilmente conseguimos fazer com que os outros confiem. Pior ainda, muitas vezes sequer conseguimos dar aquele passo tão necessário para sair da zona de conforto, seja na hora de procurar um trabalho novo, começar a poupar com mais afinco, aguardar a oportunidade certa de realizar uma ação importante etc. E será que dá para aumentar o nosso nível de autoconfiança?

Dá sim. Eu poderia dizer que aumentar o nível de autoconfiança é um processo de longo prazo, que passa por muito trabalho de autoconhecimento, e aí cada um traça o seu caminho em busca disso. Não deixa de ser verdade. Mas o fato é que também dá para ter atitudes práticas que tendem a nos ajudar mais rapidamente a confiar um pouco mais em nós mesmos. Vamos a elas?

1 – Cuide-se

O primeiro grande passo é nos cuidar. Por que tendemos a cuidar dos outros e esquecer tantas vezes que também precisamos de autocuidados?

Entenda que no meio de tanta correria e confusão que este mundo nos obriga a encarar, cuidar de nós – seja do jeito que for, o importante é ter momentos de respiro – é algo mais do que necessário para seguir em frente e confiar no futuro e em nós mesmos.

2 – Lembre-se de todas as coisas boas que já conquistou

Uma vez me disseram que quando estamos passando por aquelas fases em que nada parece dar certo, é muito importante ter ao lado uma listinha de conquistas. O que é isso? Basta anotar em um canto as vezes em que você conseguiu bons resultados, deu conta de coisas que achava que não daria, foi reconhecido por algo legal etc.

Cada um de nós tem uma série de conquistas que acaba esquecendo ao longo dos anos, por isso é importante demais lembrar delas ao menor sinal de perda de autoconfiança.

3 – Estabeleça limites

 Dizer sim para tudo e viver para agradar aos outros é algo que pode detonar a autoconfiança das pessoas. Aprenda a colocar limites nas situações e palavras que fazem com que você tenha que sair do próprio caminho para seguir o caminho do outro.

4 – Pense positivamente

Quem confia em si mesmo também aprende a pensar positivamente independente das circunstâncias. Se as coisas não estiverem tão legais assim, vire a chave, mude o mindset, comece a focar no que há de positivo.

O momento atual é apenas um pontinho no meio de toda uma vida. Lembre-se disso.

5 – Desafie-se

Para aumentar nosso nível de confiança também é preciso nos desafiarmos. Sabe por quê? Porque em geral o nosso medo de começar algo novo é muito pior do que o início de algo novo de fato.

Já ouviu dizer que para combater um medo a melhor forma é enfrentá-lo na prática? Pois bem, como você poderia se desafiar hoje?

6 – Tenha um planejamento

Quando temos um planejamento, é mais fácil saber se estamos no caminho que gostaríamos ou se estamos saindo totalmente da rota.

Se entre suas metas, por exemplo, está realizar uma viagem de 6 meses ao redor do mundo ou dar entrada num apartamento, você entende e confia nos porquês de estar trabalhando mais agora ou guardando muito mais dinheiro no lugar de gastar.

7 – Entenda que muitas vezes vai dar errado – e tudo bem

Pois é, planejar é algo superimportante para aumentar o nível de autoconfiança, mas é importante entender também que muitas vezes as coisas não saem como planejadas, e neste caso não dá para chorar as pitangas por conta disso.

É fundamental traçar novos caminhos e entender que dar errado também faz parte do jogo.

8 – Não se compare

Já escrevi algumas vezes sobre comparações, porque é fundamental que a gente se autoconheça e entenda o que quer para a vida no lugar de ficar olhando para a vida do vizinho.

Quando a gente se compara, gasta um tempo precioso e tende a diminuir o nosso nível de autoconfiança se começamos a achar que os outros estão muito melhores que nós nos diversos aspectos. Não faça isso com você!

9 – Aprenda a aceitar elogios

Nada melhor que um bom elogio para ajudar a aumentar a nossa autoconfiança em alguns momentos. Só que muitas vezes a gente não sabe receber elogios, e precisamos reverter essa posição.

10 – Melhore-se

Pode ser que esteja faltando autoconfiança porque de fato a gente precisa melhorar algum aspecto e não está fazendo isso. Neste caso, apenas trabalhando estas questões é que conseguiremos os resultados que tanto queremos.

Vamos supor que você não saiba muito bem algo que precisa usar com frequência no trabalho. Que tal, então, fazer um curso extra ou pedir ajuda? Ou ainda, talvez você não esteja se sentindo confiante com relação à aparência, mas não faz nada que está ao seu alcance para mudar. Colocar as mãos à obra é a ação necessária neste ponto!

11 – Admire o que tem de positivo

Sabe aquela listinha relacionada aos desafios já enfrentados que citei lá atrás? Pois bem, que tal fazer uma listinha referente aos seus pontos positivos também?

Como nem sempre é fácil a gente se auto elogiar, vejo alguns terapeutas e coaches que fazem o seguinte: pedem para seus pacientes pedirem a pessoas próximas para dizerem alguns pontos que consideram positivos neles, ou seja, o elogio vem do outro. Duas amigas já me pediram para participar de algo assim, e achei bem legal.

12 – Ajude alguém

Finalmente, sabe aquela máxima de que quando ajudo o outro estou na verdade me ajudando também? Pois bem, não há nada que não ajude mais a nos sentirmos bem, a elevarmos a autoestima e a autoconfiança do que ajudar alguém que precisa de nós.

Seja com uma palavra, um conselho, uma limpa no guarda-roupa, um incentivo para alguém seguir em frente, aprender, investir… há tanto por ser feito, e esse tanto pode ajudar bastante em nossa tarefa de adquirir mais confiança em nós mesmos. Pronto para começar?

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários