Como num piscar de olhos, mais um ano chega ao fim. Como pode 365 dias passarem assim tão rapidamente? Eu também gostaria de saber. Muitas vezes, é somente quando o ano termina que nos damos conta de que não fizemos quase nada daquilo que gostaríamos de ter feito.

Uma sucessão de “nãos” nos persegue quando paramos para fazer uma retrospectiva de 2015. Planos e mais planos que não saíram do papel. A dieta que não foi feita, a academia que você não frequentou, os livros que não leu, os novos projetos que não iniciou, o dinheiro que não poupou… é “não” que não acaba mais.

Antes de você pegar o seu caderno para iniciar o planejamento de 2016, é preciso analisar o ano que está no fim e entender o que deu errado. Por que tantos planos não saíram do papel? Aonde você errou? O que poderia ter feito para que as coisas fossem diferentes?

Planejamento sem execução não vale de nada! Lembra dos planos que você fez há um ano atrás para 2015? Quantos deles se concretizaram? Entendeu agora?

De nada adianta pegar uma outra folha do seu caderno para listar os planos para o próximo ano, se boa parte do que planejou para o ano atual sequer saiu do papel. Antes de partir para 2016, vamos aprender com os erros de 2015. Certamente, eles têm muito a ensinar sobre o que você precisa fazer de diferente para que o próximo ano seja repleto de realizações e não apenas de planejamento.

Leitura recomendadaQuer ficar rico? Executar é tão importante quanto planejar!

Sei que, para muitos, fazer essa retrospectiva é doloroso. A ferida ainda está aberta e tocá-la dói! Mas acredite, isso é necessário para evitar novos machucados mais adiante. E, por favor, antes de cair na tentação de colocar a culpa dos projetos não realizados no cenário econômico adverso, nos problemas políticos ou em alguma das outras mazelas do nosso país, lembre-se que o único culpado por tudo isso é você.

Por qual motivo você acha que as coisas não aconteceram como você gostaria? Será que você não soube planejar corretamente? Será que seus objetivos estavam longe da realidade? Ou será que você se preocupou demais com o planejamento e esqueceu da execução?

Independentemente de qual tenha sido seu erro, ou se você cometeu todos os erros acima citados, o fato é: em alguma coisa você errou. É fundamental que você descubra em que parte do processo isso aconteceu porque é somente a partir daí que você terá condições de evitar cometer os mesmos erros no próximo ano.

Evidentemente, não estou pregando que 2016 será um ano perfeito e que se você fizer o que estou dizendo, atingirá todos os seus objetivos, claro que não é isso. Mas, indubitavelmente, analisar seu passado é a melhor maneira de construir um novo futuro.

Não um futuro perfeito, não um futuro sem problemas ou erros, mas um futuro diferente. Um futuro com novos erros, novas perspectivas, um futuro de crescimento, realizações e objetivos alcançados.

Leitura recomendada5 dicas para enxergar e criar o futuro que você deseja para sua vida (sem gastar nada)

Não importa como foi seu 2015, afinal ele chegou ao fim! Não importa se ele foi pior ou melhor do que você esperava; se você conseguiu realizar ou não as coisas que gostaria. A única coisa que importa é que você precisa aprender com ele para ter um 2016 ainda melhor. Feliz 2016!

Foto “Happy 2016”, Shutterstock.

Samuel Magalhães
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários